Es­pé­ci­es são le­va­das pa­ra mu­seu da Uf­ba

Correio da Bahia - - Mais -

Ho­je, o la­bo­ra­tó­rio de En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se do DPT da Bahia pos­sui mais de dez mil exem­pla­res de in­se­tos co­lo­ni­za­do­res de ca­dá­ve­res. Qua­se cem es­pé­ci­es já fo­ram ca­ta­lo­ga­das pe­los pro­fis­si­o­nais bai­a­nos.

Mas se al­guns exem­pla­res fi­cam no pró­prio la­bo­ra­tó­rio, a mai­o­ria é des­ti­na­da ao Mu­seu de Zo­o­lo­gia da Uf­ba, que fun­ci­o­na den­tro do Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral da uni­ver­si­da­de e que man­tém uma par­ce­ria com o la­bo­ra­tó­rio des­de 2008 atra­vés da cu­ra­do­ria da pro­fes­so­ra, bió­lo­ga, dou­to­ra em En­to­mo­lo­gia e pós-dou­to­ra pe­la USP e Uni­ver­sity of Kan­sas (EUA), Fa­ví­zia Frei­tas de Oli­vei­ra.

É lá que os in­se­tos são lim­pos e guar­da­dos. “A gen­te tem fei­to os in­se­tos que têm im­por­tân­cia fo­ren­se, que são os dip­te­ra (mos­cas) e os co­le­op­te­ra (be­sou­ros). E te­mos bus­ca­do ou­tros ar­tró­po­des, co­mo os áca­ros, cu­pins, for­mi­gas, ves­pas, abe­lhas”, dis­se.

O mu­seu, que fun­ci­o­na de se­gun­da a sex­ta-fei­ra no Ins­ti­tu­to de Bi­o­lo­gia da Uf­ba, vem cri­an­do um ban­co de da­dos e de ima­gens e bus­can­do re­cur­sos pa­ra dis­po­ni­bi­li­zar o ma­te­ri­al na in­ter­net. Ho­je, o acer­vo es­tá dis­po­ní­vel pa­ra a comunidade ci­en­tí­fi­ca na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal pa­ra con­sul­ta pre­sen­ci­al. É um dos mai­o­res acer­vos do Nor­des­te. O úl­ti­mo le­van­ta­men­to do ban­co de da­dos foi fei­to em 1908, pe­lo mé­di­co bai­a­no Os­car Frei­re.

Di­a­ri­a­men­te, pe­ri­tos e es­ta­giá­ri­os acom­pa­nham o com­por­ta­men­to dos in­se­tos em si­tu­a­ções de mor­te si­mu­la­da. Além dis­so, a equi­pe do la­bo­ra­tó­rio do DPT faz um tra­ba­lho de pes­qui­sa com os ani­mais em par­ce­ria com o Exér­ci­to. A ação ocor­re nu­ma área de Ma­ta Atlân­ti­ca, no Im­buí.

Oca­si­o­nal­men­te, os en­to­mo­lo­gis­tas bai­a­nos tam­bém tro­cam in­for­ma­ções com pro­fis­si­o­nais de ou­tros estados. É co­mum que in­se­tos adul­tos se­jam en­ca­mi­nha­dos pa­ra iden­ti­fi­ca­ção, mas é di­fí­cil en­vi­ar es­pé­ci­es re­cém-co­le­ta­das. “Por en­quan­to, a gen­te só re­ce­be de­man­da aqui da Bahia. Se­ria in­viá­vel fa­zer aná­li­ses de fo­ra, por­que os in­se­tos não po­dem pas­sar por va­ri­a­ções de tem­pe­ra­tu­ra”, dis­se o pe­ri­to cri­mi­nal do

DPT Tor­ri­ce­li Sou­za Thé.

O cor­po do mé­di­co Luiz Carlos Cor­reia Oli­vei­ra, 62 anos, de­sa­pa­re­ci­do no dia 2 de ou­tu­bro, foi en­con­tra­do em adi­an­ta­do es­ta­do de es­que­le­ti­za­ção num ma­ta­gal na Via Pa­ra­fu­so, no dia 14. Es­ta­va pró­xi­mo ao lo­cal on­de foi lo­ca­li­za­do seu car­ro, no úl­ti­mo dia 11. O es­ta­do de es­que­le­ti­za­ção é mais avan­ça­do que o de de­com­po­si­ção, por is­so o tra­ba­lho da En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se foi so­li­ci­ta­do co­mo in­for­ma­ção com­ple­men­tar ao lau­do, a fim de de­ter­mi­nar quan­do ele foi mor­to - ocor­reu no mes­mo dia do de­sa­pa­re­ci­men­to. De­sa­pa­re­ci­do des­de o dia 14 de agos­to de 2015, o cor­po do me­ni­no Mar­cos Vi­ní­cius Carvalho, 2 anos, foi en­con­tra­do cin­co di­as de­pois em avan­ça­do es­ta­do de de­com­po­si­ção den­tro de um co­o­ler num ma­ta­gal em Ita­puã. Se­gun­do o pa­dri­nho do me­ni­no, Ra­fa­el Pi­nhei­ro, o ga­ro­to pas­sou mal de­pois de to­mar um min­gau. Te­men­do ser res­pon­sa­bi­li­za­do, ele dis­se à po­lí­cia que o me­ni­no ti­nha de­sa­pa­re­ci­do no dia 14 na Fei­ra de Ita­puã e mo­bi­li­zou bus­cas. Ra­fa­el con­fes­sou o as­sas­si­na­to após a lo­ca­li­za­ção do cor­po.

Cor­po en­con­tra­do em are­al

As­sas­si­na­do no Pau da Lima

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.