Pro­mo­to­res cri­mi­nais des­co­nhe­cem téc­ni­ca de in­ves­ti­ga­ção

Correio da Bahia - - Mais -

O cri­me acon­te­ceu em Lau­ro de Frei­tas, na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Sal­va­dor. No dia 19 de agos­to de 2013, o cor­po de um ho­mem, 58, foi en­con­tra­do den­tro de uma ge­la­dei­ra co­ber­ta de con­cre­to no quin­tal de uma ca­sa. A ví­ti­ma do ho­mi­cí­dio, um ex-PM, já es­ta­va de­sa­pa­re­ci­da há dois me­ses. Foi gra­ças às lar­vas en­con­tra­das no ca­dá­ver e ao tra­ba­lho de En­to­mo­lo­gia que se che­gou ao in­ter­va­lo pós-mor­te e à iden­ti­da­de da ví­ti­ma. Quan­do re­ce­bem o inqué­ri­to po­li­ci­al so­bre um ho­mi­cí­dio, pro­mo­to­res cri­mi­nais tam­bém têm a sua dis­po­si­ção o lau­do ca­da­vé­ri­co, com in­for­ma­ções da pe­rí­cia fei­ta no De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca (DPT). Mas, ape­sar de achar in­te­res­san­te o tra­ba­lho, o pro­mo­tor cri­mi­nal Da­vi Gal­lo, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co da Bahia, nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar da En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se – foi in­for­ma­do, aliás, pe­lo COR­REIO.

“É re­al­men­te in­te­res­san­te, mas nes­se tem­po to­do que eu te­nho na área, nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar, nem en­con­trei nos lau­dos na­da so­bre o apa­re­ci­men­to des­sa es­pe­ci­a­li­da­de. Nes­sa par­te de cri­mes do­lo­sos, es­sa ques­tão re­al­men­te fi­ca a car­go de nós, pro­mo­to­res cri­mi­nais e nós sem­pre con­ver­sa­mos, mas nun­ca so­bre a res­pei­to dis­so”, afir­ma.

O de­le­ga­do Adail­ton Adan pon­tua que a ques­tão do tem­po de mor­te é mui­to im­por­tan­te pa­ra a in­ves­ti­ga­ção de ca­sos de ho­mi­cí­di­os. “De­ter­mi­na­das evi­dên­ci­as da mor­te só po­dem ser des­ven­da­das por uma equi­pe des­sa na­tu­re­za. E a de­ter­mi­na­ção do tem­po de mor­te é pre­pon­de­ran­te pa­ra a in­ves­ti­ga­ção”, ava­lia. O tra­ba­lho, des­ta­ca Adan, tor­na mais téc­ni­ca a in­ves­ti­ga­ção, a par­tir da co­le­ta e em­ba­sa­men­to em pro­vas ci­en­tí­fi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.