Pa­ra ga­ran­tir a opor­tu­ni­da­de

Correio da Bahia - - Mais - Ju­li­a­na Mon­ta­nha ju­li­a­na.mon­ta­nha@re­de­bahia.com.br

Er­ros gra­ma­ti­cais, omis­são de da­dos e fal­ta de or­ga­ni­za­ção do cur­rí­cu­lo. Es­ses são os prin­ci­pais mo­ti­vos que le­vam 20% dos can­di­da­tos a ser eli­mi­na­dos pre­co­ce­men­te dos pro­ces­sos se­le­ti­vos, se­gun­do da­dos do Gi Group, con­sul­to­ria de re­cur­sos hu­ma­nos, re­cru­ta­men­to e se­le­ção. Por ser a por­ta de en­tra­da pa­ra as opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, um cur­rí­cu­lo bem es­tru­tu­ra­do po­de fa­zer a di­fe­ren­ça pa­ra con­se­guir uma das três mil va­gas tem­po­rá­ri­as que se­rão aber­tas na ca­pi­tal bai­a­na pa­ra as fes­tas de fi­nal de ano. “Os cur­rí­cu­los têm me­lho­ra­do, mas ain­da en­con­tra­mos fa­lhas gra­ves co­mo ex­pe­ri­ên­ci­as não re­ais e fo­to de ca­sa­men­to co­mo ima­gem no ar­qui­vo”, apon­ta Ci­na­ra So­a­res, con­sul­to­ra de se­le­ção da em­pre­sa.

Por mais qua­li­fi­ca­do que o pro­fis­si­o­nal se­ja, o cur­rí­cu­lo não de­ve ser mui­to ex­ten­so. “Ter mais de três pá­gi­nas é ina­de­qua­do. O cur­rí­cu­lo pre­ci­sa ter um ob­je­ti­vo cla­ro e sin­té­ti­co que ven­da aque­le can­di­da­to de uma for­ma di­re­ta”, afir­ma Mar­got Aze­ve­do, vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­cur­sos Hu­ma­nos. Se­gun­do ela, co­lo­car RG, CPF, no­me da mãe ou pai no cur­rí­cu­lo tam­bém não é cor­re­to. “Pre­ci­sa ter o no­me com­ple­to e for­mas de con­ta­to, co­mo ce­lu­lar, WhatsApp e e-mail”. O en­de­re­ço fí­si­co, pa­ra ela, é dis­pen­sá­vel.

Pa­ra to­dos os es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo COR­REIO, é im­pres­cin­dí­vel ter o cam­po “Ob­je­ti­vo” no cur­rí­cu­lo, que de­ve fa­lar de for­ma cla­ra e di­re­ta em qual a área o can­di­da­to pre­ten­de atu­ar. “Qu­an­to mais o ob­je­ti­vo es­ti­ver ca­sa­do com a va­ga ofe­re­ci­da, me­lhor”, diz Mar­got. Por is­so, é im­por­tan­te ter um ti­po de cur­rí­cu­lo pa­ra ca­da per­fil de opor­tu­ni­da­de que se es­tá bus­can­do. “Dá pa­ra fa­zer pe­que­nas mo­di­fi­ca­ções es­tra­té­gi­cas a de­pen­der da va­ga. Vo­cê po­de res­sal­tar as qua­li­fi­ca­ções mais re­le­van­tes pa­ra a opor­tu­ni­da­de e di­luir as que não são tão im­por­tan­tes. To­da in­for­ma­ção, no en­tan­to, pre­ci­sa ser ver­da­dei­ra”, re­for­ça.

No ca­so da va­ga tem­po­rá­ria, as em­pre­sas que con­tra­tam, es­pe­ram um pro­fis­si­o­nal que te­nha ex­pe­ri­ên­cia na área, além de um per­fil que se apro­xi­me

Cur­rí­cu­lo mal ela­bo­ra­do re­pro­va um a ca­da cin­co can­di­da­tos

da equi­pe já exis­ten­te, co­mo ex­pli­ca La­ris­sa Mei­glin, su­per­vi­so­ra de as­ses­so­ria de car­rei­ra da Catho. Pa­ra quem não tem mui­ta ex­pe­ri­ên­cia, va­le a pe­na des­ta­car os cursos re­a­li­za­dos que te­nham re­la­ção com a área pro­cu­ra­da. “É uma for­ma de mos­trar in­te­res­se”, pon­tua. MO­DE­LOS

E os ques­ti­o­na­men­tos na ho­ra de fa­zer um cur­rí­cu­lo sur­gem até pa­ra quem já pre­en­cheu o do­cu­men­to an­te­ri­or­men­te. Na ho­ra de bus­car uma va­ga de es­tá­gio, a es­tu­dan­te de Re­la­ções Pú­bli­cas Thais Mat­tos re­cor­reu à in­ter­net. “Pes­qui­sei vá­ri­os mo­de­los e fi­quei sem

Thais pes­qui­sou mo­de­los na in­ter­net an­tes de fa­zer o pró­prio cur­rí­cu­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.