Ma­gia e bo­ne­cos

Correio da Bahia - - Vida -

No Es­pa­ço Cul­tu­ral do La­bo­ra­tó­rio DNA, Pi­tu­ba, Jo­sé Hen­ri­que Bar­re­to apre­sen­ta a ex­po­si­ção no­me­a­da Dolls, sob a cu­ra­do­ria de Luiz Cláu­dio Cam­pos, que fi­ca em car­taz até o dia 14 de de­zem­bro. Dolls (bo­ne­cos em in­glês) faz com que o ex­po­si­tor tra­ga à to­na su­as du­as pro­fis­sões: mé­di­co pe­di­a­tra e ar­tis­ta vi­su­al. Des­ta for­ma, o mé­di­co-ar­tis­ta bus­ca ali­ar am­bas as áre­as co­mo pro­pos­ta de vi­da. Na Me­di­ci­na, pro­cu­ra en­ten­der o me­ca­nis­mo das do­en­ças in­fan­to­ju­ve­nis, de­di­can­do-se à prá­ti­ca clí­ni­ca, ao en­si­no e à pes­qui­sa. No âm­bi­to das ar­tes vi­su­ais, apro­pria-se de ele­men­tos da ci­ên­cia mé­di­ca con­fe­rin­do-lhes uma lin­gua­gem vi­su­al con­tem­po­râ­nea, es­ta­be­le­cen­do um pa­ra­le­lo en­tre os seus con­cei­tos, uti­li­zan­do ex­pe­ri­men­ta­ções, di­fe­ren­tes ma­te­ri­ais e su­por­tes, es­trei­tan­do os li­mi­tes en­tre es­ses sa­be­res e prá­ti­cas, pon­do em exer­cí­cio o con­cei­to de arte e vi­da. O en­can­ta­men­to pe­los bo­ne­cos acom­pa­nha o ho­mem há mi­lê­ni­os e re­fle­te a his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de com sua arte, ma­gia, be­le­za, fan­ta­sia e re­li­gi­o­si­da­de, sen­do usa­do por ci­vi­li­za­ções de qua­se to­do o mun­do co­mo fe­ti­ches, ta­lis­mã, ofe­ren­das ce­ri­mo­ni­ais, su­ve­ni­res, e, por fim, brin­que­dos. Ex­tre­ma­men­te li­ga­dos a nos­sa his­tó­ria so­ci­al, cul­tu­ral e econô­mi­ca, os bo­ne­cos en­fa­ti­zam os va­lo­res e as com­pe­tên­ci­as que fo­ram con­si­de­ra­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra o ser hu­ma­no, ali­men­tan­do fan­ta­si­as de cri­an­ças em mi­lha­res de la­res no mun­do.

Du­ran­te mui­tos anos, o ho­mem se apro­pri­ou de ma­te­ri­ais de que dis­pu­nha pa­ra con­fec­ci­o­nar bo­ne­cos, co­mo pe­dra, ma­dei­ra, ar­gi­la, cou­ro, fi­bras na­tu­rais e al­guns me­tais. Des­de as Vê­nus pri­mi­ti­vas até os di­as atu­ais, os bo­ne­cos com­põem o nos­so re­per­tó­rio cul­tu­ral, sen­do uti­li­za­dos com os mais di­ver­sos ob­je­ti­vos. Os bo­ne­cos são ob­je­tos fi­gu­ra­ti­vos da ima­gem hu­ma­na. As­sim, pa­ra cons­ci­en­ti­zar-se de si pró­prio, o ser hu­ma­no fez ob­je­to de si mes­mo, com cabeça, tron­co e mem­bros. Ar­ti­cu­la­dos ou não, al­guns che­gam a si­mu­lar es­tar de­sem­pe­nhan­do fun­ções da vi­da co­ti­di­a­na do ser hu­ma­no. No uni­ver­so oní­ri­co de uma cri­an­ça, o bo­ne­co pas­sa a ter vi­da, pas­sa a ser ani­ma­do. A cri­an­ça “em­pres­ta” sua al­ma ao ob­je­to iner­te, es­ta­be­le­cen­do as­sim a ma­gia — mo­vi­men­to e ima­gem, es­ta­be­le­cen­do o con­cei­to de al­ma em ação. Em la­tim, o ra­di­cal “ani­ma” sig­ni­fi­ca al­ma. Pa­ra os fi­ló­so­fos da Gré­cia An­ti­ga, a ca­rac­te­rís­ti­ca que dis­tin­guia os se­res vi­vos ani­ma­dos, do­ta­dos de al­ma, dos se­res ina­ni­ma­dos, que não pos­suíam al­ma, era o mo­vi­men­to autô­no­mo. Daí, a as­so­ci­a­ção exis­ten­te en­tre os con­cei­tos de ani­ma­ção e mo­vi­men­to. Quan­do os ani­ma­mos da­mos-lhes uma al­ma, lhes per­mi­ti­mos apa­ren­tar-se, mo­vi­men­tar-se “au­to­no­ma­men­te”. Nes­ta ex­po­si­ção os bo­ne­cos são o te­ma cen­tral em que Jo­sé Hen­ri­que re­me­mo­ra as raí­zes “cri­an­cei­ras” em uma no­va vi­são, es­ta­be­le­cen­do pa­ra­le­lo com o cor­po hu­ma­no e o cor­po lú­di­co do brin­que­do em ques­tão. O bo­ne­co é a ima­gem do ho­mem e re­pre­sen­ta a sua mis­são.

No hall de en­tra­da são ex­pos­tos vá­ri­os bo­ne­cos de mas­sa. São bo­ne­cos an­ti­gos, das dé­ca­das 50 e 60, fei­tos a par­tir de uma mis­tu­ra de pas­ta de pa­pel com cola ou re­si­na, ou a par­tir de fo­lhas de pa­pel pren­sa­das jun­tas. Eles eram uma al­ter­na­ti­va mais ba­ra­ta aos bo­ne­cos de ma­dei­ra, uma vez que os mol­des po­di­am ser reu­sa­dos. São bo­ne­cos res­ga­ta­dos de an­tiquá­ri­os e bre­chós que fa­zem par­te da co­le­ção do ar­tis­ta. To­dos tra­zem mar­cas e des­gas­te na­tu­ral do tem­po. Na sa­la prin­ci­pal, são apre­sen­ta­das oi­to pin­tu­ras de ta­ma­nhos va­ri­a­dos, en­tre 100 x 70cm e 80 x 80cm, em téc­ni­ca mis­ta (acrí­li­ca e óleo). Al­guns bo­ne­cos são pin­ta­dos de for­ma re­a­lis­ta, en­quan­to ou­tros emer­gem de fun­do es­cu­ro tra­zen­do se­gre­dos a ser des­ven­da­dos pe­lo pú­bli­co. A apre­sen­ta­ção dos mo­de­los (bo­ne­cos) e as pin­tu­ras na com­po­si­ção da mos­tra es­ta­be­le­ce um diá­lo­go en­tre o re­al e o ima­gi­ná­rio.

Jo­sé Hen­ri­que Bar­re­to ar­re­ca­da de su­as pro­fis­sões, mé­di­co e ar­tis­ta, a par­te mais hu­ma­na e sen­sí­vel pa­ra pro­du­zir in­tri­gan­tes ques­ti­o­na­men­tos de nos­sa cul­tu­ra tec­no­ló­gi­ca e do nos­so mo­men­to con­tem­po­râ­neo.

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.