Abra sua men­te

Correio da Bahia - - Mais - Do­ris.miranda@re­de­bahia.com.br

São ape­nas oi­to anos no ci­ne­ma, des­de o lan­ça­men­to do pri­mei­ro Ho­mem de Fer­ro. Mas a mi­to­lo­gia Mar­vel já pa­re­ce con­so­li­da­da e não pa­ra de se ex­pan­dir - ago­ra, em di­re­ção di­ver­sa. Pro­va dis­so é o lan­ça­men­to do ou­sa­do Dou­tor Es­tra­nho, o 14º lon­ga-me­tra­gem do es­tú­dio, que fo­ge do tra­di­ci­o­nal fil­me de he­rói pa­ra apos­tar nu­ma tra­ma ex­pe­ri­men­tal com ca­ma­das de frui­ção mais com­ple­xas.

Quem co­nhe­ce Dou­tor Es­tra­nho dos quadrinhos, cri­a­ção li­sér­gi­ca de Stan Lee e Ste­ve Dit­ko nos anos 60 re­pre­sen­ta­da até por Neil Gai­man, sa­be que os con­cei­tos abor­da­dos não são, di­ga­mos as­sim, água com açú­car. As tra­mas me­xem com ma­gia, fi­lo­so­fia trans­cen­den­tal e ex­pan­são da men­te em di­men­sões pa­ra­le­las no binô­mio tem­po/es­pa­ço.

“O Dou­tor Es­tra­nho foi um pro­du­to de sua épo­ca e um gran­de so­pro de ar fres­co no mun­do dos quadrinhos”, dis­se o di­re­tor Scott Der­rick­son, afei­to até en­tão a fil­mes de ter­ror co­mo O Exor­cis­mo de Emily Ro­se (2005) e Li­vrai-nos do Mal (2014). “Co­mo fã dos fil­mes da Mar­vel, acha­va que era um bom mo­men­to pa­ra al­gu­mas mudanças. Mi­nha abor­da­gem foi fa­zer o fil­me ser tão es­tra­nho quan­to os quadrinhos eram na dé­ca­da de 1960”, com­ple­ta.

Ke­vin Fei­ge, pro­du­tor do lon­ga e pre­si­den­te do Mar­vel Stu­di­os, ex­pli­cou a es­co­lha de um per­so­na­gem mais adul­to: “Fa­la­mos de uma adap­ta­ção há mui­tos anos. Li­dar com ou­tras di­men­sões e com es­se uni­ver­so so­bre­na­tu­ral vai ser útil con­for­me ca­mi­nha­mos den­tro do Uni­ver­so Ci­ne­ma­to­grá­fi­co da Mar­vel”. O per­so­na­gem ain­da não tem con­ti­nu­a­ção pre­vis­ta, mas sa­be-se que irá apa­re­cer no pró­xi­mo epi­só­dio de Os Vin­ga­do­res, que sai em 2018.

MÍS­TI­CO

O ator in­glês Be­ne­dict Cum­ber­bat­ch é a ver­são cor­pó­rea do mé­di­co Stephen Stran­ge, neu­ro­ci­rur­gião ego­cen­tra­do que so­fre um aci­den­te e fi­ca im­pe­di­do de tra­ba­lhar. Co­mo a Me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal fra­cas­sa, ele bus­ca uma se­gun­da chan­ce no cen­tro de cu­ra li­de­ra­do pe­la An­ciã (Til­da Swin­ton), imor­tal que tam­bém com­ba­te for­ças do mal com a aju­da de má­gi­ca.

A pro­du­ção de­mo­rou pa­ra sair por­que Cum­ber­bat­ch es­ta­va fa­zen­do Ham­let no te­a­tro. Li­son­je­a­do, acre­di­ta que o fil­me tem uma men­sa­gem for­te: “Ter o po­der de mu­dar a re­a­li­da­de com a men­te é ma­ra­vi­lho­so, li­ber­ta­dor, des­pro­vi­do de ego. Fa­zer o bem aos ou­tros é al­go ex­ce­len­te. É is­so que o Dou­tor Es­tra­nho apren­de”. Mas ele tam­bém se di­ver­tiu, é cla­ro. Tan­to que, du­ran­te as fil­ma­gens em No­va York, en­trou em uma lo­ja de quadrinhos, de uni­for­me com­ple­to, en­lou­que­cen­do os fãs. “Foi um mo­men­to má­gi­co”.

O ator in­glês Be­ne­dict Cum­ber­bat­ch, 40 anos, ca­rac­te­ri­za­do co­mo Dou­tor Es­tra­nho, que tem na Ca­pa de Le­vi­ta­ção e no Olho de Aga­mot­to su­as prin­ci­pais fer­ra­men­tas

Dou­tor Es­tra­nho em re­pre­sen­ta­ção re­cen­te nas his­tó­ri­as em quadrinhos: cri­a­ção de Stan Lee e Ste­ve Dit­ko

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.