Fu­te­bol fe­mi­ni­no: a CBF acer­tou des­sa vez

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

“É uma ques­tão de es­ta­do, in­te­res­se es­tra­té­gi­co da Fi­fa, da Con­me­bol e da CBF o de­sen­vol­vi­men­to do fu­te­bol fe­mi­ni­no. Is­so não é dis­cur­so”. Em uma ter­ça-fei­ra mar­ca­da por du­as no­vi­da­des im­pac­tan­tes na mo­da­li­da­de – a pri­mei­ra mu­lher trei­nan­do a seleção bra­si­lei­ra e o Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro com du­as di­vi­sões -, a fa­la do se­cre­tá­rio-ge­ral da CBF, Wal­ter Feld­man, dá es­pe­ran­ça de que, a par­tir de ago­ra, o fu­te­bol fe­mi­ni­no te­nha con­sis­tên­cia efe­ti­va no Bra­sil.

O país já te­ve a me­lhor jo­ga­do­ra do mun­do du­ran­te cin­co anos se­gui­dos (Mar­ta, de 2006 a 2010) e a po­pu­la­ção se em­pol­gou com a cam­pa­nha do quar­to lu­gar da seleção na Olim­pía­da do Rio - mui­to mais pe­lo em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no do que por in­te­res­se re­al na mo­da­li­da­de. Mas fo­ram si­tu­a­ções iso­la­das, que em­bo­ra ga­ran­tam vi­si­bi­li­da­de tem­po­rá­ria, aca­bam sen­do efê­me­ras por­que não en­con­tram um con­tex­to de res­pal­do, co­mo com­pe­ti­ções for­tes, ca­len­dá­rio ex­ten­so e tu­do que o pro­fis­si­o­na­lis­mo car­re­ga. Eram um ga­ti­lho; fal­ta­va o ti­ro cer­tei­ro.

É ra­ro a CBF dar mo­ti­vos pa­ra ser elo­gi­a­da nos úl­ti­mos anos, mas des­sa vez a con­fe­de­ra­ção po­de ter acer­ta­do es­se ti­ro ao fun­dir as du­as com­pe­ti­ções en­tão exis­ten­tes (Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro e Co­pa do Bra­sil), que eram úteis pa­ra os ti­mes com­pe­ti­ti­vos, mas não fo­men­ta­vam a cri­a­ção de no­vas equi­pes. Com a cri­a­ção de um Bra­si­lei­rão ver­da­dei­ra­men­te na­ci­o­nal, com du­as di­vi­sões, sen­do que a se­gun­da di­vi­são te­rá, obri­ga­to­ri­a­men­te, ti­mes de pe­los me­nos 14 es­ta­dos, já que os es­ta­du­ais se­rão cri­té­rio de aces­so ao cam­pe­o­na­to a par­tir de 2018, clu­bes e fe­de­ra­ções te­rão um ca­mi­nho mais pa­vi­men­ta­do pa­ra de­sen­vol­ver o fu­te­bol fe­mi­ni­no.

O tor­neio pre­ten­sa­men­te mais for­te, com aces­so e re­bai­xa­men­to, pre­mi­a­ção por fa­ses, des­pe­sas de ali­men­ta­ção, hos­pe­da­gem e trans­por­te cus­te­a­dos pa­ra to­dos os clu­bes e um for­ma­to mais ex­ten­so de­vi­do ao au­men­to do nú­me­ro de jo­gos, é uma es­tru­tu­ra­ção que vai man­ter as jo­ga­do­ras em ati­vi­da­de por mais tem­po, or­ga­ni­zar o ca­len­dá­rio, com is­so a ten­dên­cia é atrair pa­tro­ci­na­do­res, au­di­ên­cia (Sportv e Band­ports vão trans­mi­tir), fu­tu­ras jo­ga­do­ras e, as­sim, cri­ar a ca­deia ali­men­tar ne­ces­sá­ria pa­ra que o fu­te­bol fe­mi­ni­no dei­xe de ser um es­por­te de mi­li­tân­cia e de­pen­den­te das pre­fei­tu­ras, co­mo é ho­je em qua­se to­do o país. A es­co­lha de uma mu­lher pa­ra trei­nar a seleção com­ple­ta o pa­co­te com o sim­bo­lis­mo ne­ces­sá­rio pa­ra o mo­men­to. O fu­te­bol fe­mi­ni­no é re­la­ti­va­men­te no­vo no Bra­sil – há re­gis­tro de um ti­me de mu­lhe­res em 1913, mas a mo­da­li­da­de “re­nas­ceu” na dé­ca­da de 1980, após ter si­do proi­bi­da por lei de 1965 a 1979, no pe­río­do da di­ta­du­ra mi­li­tar – e, nes­se in­ter­va­lo de tem­po on­de ca­bem so­men­te du­as ge­ra­ções, se ain­da é di­fí­cil vi­ver do fu­te­bol co­mo jo­ga­do­ra, ima­gi­na co­mo trei­na­do­ra.

A apos­ta em Emily Lima pa­ra trei­nar o Bra­sil não dei­xa de ser ou­sa­da por par­te da CBF. Afi­nal, aos 36 anos, ela tem lon­ga es­tra­da no meio, mas é ini­ci­an­te co­mo trei­na­do­ra e não tem mais ex­pe­ri­ên­cia nem cur­rí­cu­lo do que seus an­te­ces­so­res ho­mens. Foi jo­ga­do­ra até 2009, fez a tran­si­ção co­mo au­xi­li­ar e vi­rou téc­ni­ca em 2012. Em qua­tro anos de car­rei­ra, ga­nhou um Pau­lis­ta e foi vi­ce do Bra­si­lei­ro, em 2015, e vi­ce da Co­pa do Bra­sil na se­ma­na pas­sa­da. No en­tan­to, é im­por­tan­te pa­ra fin­car uma ban­dei­ra. E Emily, ape­sar de ini­ci­an­te, não caiu de pa­ra-que­das. Pas­sou pe­la seleção sub-15, sub-17 e ago­ra che­ga à pro­fis­si­o­nal. An­tes do con­vi­te da seleção, ela já es­ta­va acer­ta­da pa­ra ser au­xi­li­ar do ti­me mas­cu­li­no do São Jo­sé na Co­pa São Pau­lo sub-20, em ja­nei­ro, se­guin­do seu cro­no­gra­ma de se pre­pa­rar ao má­xi­mo. Emily não quer ocu­par va­ga só por ser mu­lher; quer por pre­pa­ro. A es­co­lha da CBF abre o ho­ri­zon­te pa­ra que mais mu­lhe­res se­jam téc­ni­cas e, com o tem­po, ocu­pem um es­pa­ço do­mi­na­do pe­los ho­mens por­que o país é ma­chis­ta, mas tam­bém por­que atu­al­men­te há mui­to mais ho­mens ca­pa­ci­ta­dos pa­ra exer­cer a fun­ção do que mu­lhe­res. Na Co­pa do Bra­sil que Emily aca­bou de ser vi­ce-cam­peã, ape­nas seis dos 32 ti­mes eram trei­na­dos por mu­lhe­res. Ce­ná­rio que, na opi­nião da ago­ra téc­ni­ca da seleção, em en­tre­vis­ta ao si­te Tri­ve­la, em mar­ço, é as­sim por­que fal­tam es­tí­mu­lo da CBF e in­te­res­se das atle­tas em vi­rar téc­ni­ca. Emily tal­vez não ima­gi­nas­se, mas ago­ra ela é o es­tí­mu­lo.

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.