O cen­te­ná­rio do sam­ba? Di­ga­mos que sim

Correio da Bahia - - Mais - Nelson Ca­de­na

Co­me­mo­ra-se es­te mês em to­do o país o cen­te­ná­rio do sam­ba, que tem co­mo re­fe­rên­cia aque­la que te­ria si­do a pri­mei­ra mú­si­ca do gê­ne­ro gra­va­da pe­lo se­lo Ode­on da Ca­sa Edi­son, de­no­mi­na­da Pe­lo Te­le­fo­ne, re­gis­tra­da a pe­ti­ção em 6/11 e a par­ti­tu­ra em 27/11/1916 por Er­nes­to Jo­a­quim Ma­ria dos San­tos, o Don­ga. Es­se era o no­me de gu­er­ra do com­po­si­tor, fi­lho da Tia Amé­lia, bai­a­na, ela fi­lha de san­to do cé­le­bre ter­rei­ro de João Ala­bá no

Rio de Ja­nei­ro.

Te­ria si­do es­te o pri­mei­ro sam­ba de fa­to gra­va­do no Bra­sil? Se­gun­do a Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal, que guar­da nos seus ar­qui­vos a par­ti­tu­ra ori­gi­nal e nú­me­ro de re­gis­tro au­to­ral, sim! Po­rém, e sem ne­nhu­ma in­ten­ção de es­tra­gar a fes­ta, en­con­trei pro­vas de ou­tros sam­bas te­rem si­do gra­va­dos, pe­lo me­nos al­guns me­ses an­tes do aqui re­fe­ri­do. São eles Cho­ro de Ma­ria, Gas­tão e Jan­ga. Os dois pri­mei­ros fa­zi­am par­te de um com­pac­to, fren­te e ver­so, de nú­me­ro 12160, ven­di­do pe­la Ca­sa Edi­son por 5 mil reis, se­gun­do anún­cio pu­bli­ca­do no Cor­reio da Ma­nhã e no Jor­nal do Bra­sil em maio de 1916, por­tan­to, seis me­ses an­tes do re­gis­tro de Don­ga. Jan­ga, por sua vez, era vendida jun­to com a pol­ca Afei­ção e ti­nha co­mo re­gis­tro o nú­me­ro 12164.

As evi­dên­ci­as dos anún­ci­os pu­bli­ca­dos no jor­nal me per­mi­tem des­con­fi­ar da exis­tên­cia de ou­tros sam­bas gra­va­dos an­tes de 1916 e não pu­bli­ci­ta­dos. Sa­be­mos que os blo­cos car­na­va­les­cos dis­tri­buíam, com seus as­so­ci­a­dos, le­tras de sam­ba, des­de iní­ci­os do século XX, pa­ra se­rem in­ter­pre­ta­dos na Ave­ni­da. Não é pos­sí­vel que dis­pon­do do ex­ce­len­te es­tú­dio de gra­va­ções de Fred Fig­ner, na Ca­sa Edi­son, da Rua do Ou­vi­dor, al­gu­mas des­sas par­ti­tu­ras não ti­ves­sem si­do pro­du­zi­dos em dis­cos de ce­ra de car­naú­ba, em edições li­mi­ta­das e pa­ra um pú­bli­co al­vo de­ter­mi­na­do. Te­nho pa­ra mim que a pri­ma­zia de Pe­lo Te­le­fo­ne co­mo mar­co do sam­ba gra­va­do te­nha de­cor­ri­do do su­ces­so que a mú­si­ca fez no Car­na­val de 1917, re­per­cu­ti­do e po­ten­ci­a­li­za­do pe­la bri­ga de bas­ti­do­res em tor­no da po­lê­mi­ca so­bre a au­to­ria da mú­si­ca. Don­ga a re­gis­trou co­mo uma par­ce­ria sua com Mau­ro de Al­mei­da. Po­rém, Jo­sé Bar­bo­sa da Silva, o cé­le­bre Si­nhô, um dos com­po­si­to­res, jun­to com Ma­no­el Pe­dro dos San­tos (Bai­a­no) que rei­vin­di­cou a au­to­ria, foi além: de­cla­rou aos jor­nais que o no­me ori­gi­nal da mú­si­ca era Ro­cei­ro, cri­a­ção co­le­ti­va de um gru­po de sam­bis­tas que fre­quen­ta­va a ca­sa da bai­a­na Tia Ci­a­ta. E, se­gun­do a En­ci­clo­pé­dia da Mú­si­ca Bra­si­lei­ra, a par­ti­tu­ra de Pe­lo Te­le­fo­ne te­ria si­do es­cri­ta por Pi­xin­gui­nha. Po­lê­mi­cas à par­te, ca­be aqui abrir ou­tra. Era a le­tra de Pe­lo Te­le­fo­ne pe­lo me­nos ori­gi­nal? Ou so­freu al­gu­ma adap­ta­ção pa­ra o Car­na­val? Vo­cê lei­tor é quem de­ci­de. O Jor­nal do Bra­sil em sua edi­ção de 16/10/16 pu­bli­cou a le­tra de uma mú­si­ca que te­ria si­do can­ta­da du­ran­te a ro­ma­ria da Pe­nha na bar­ra­ca da Tia Ci­a­ta, após ser­vir um an­gu à bai­a­na: “O Dou­tor, che­fe de po­lí­cia/Man­dou me cha­mar /Só pa­ra me di­zer/Que já se po­de sam­bar/Sam­ba, mi­nha gen­te/Aqui nes­te ar­rai­al/Va­mos dar o nos­so vi­va/Ao Dr. Au­re­li­no Le­al”. Já o sam­ba re­gis­tra­do por Don­ga, no mês se­guin­te, di­zia “O che­fe da fo­lia/Pe­lo te­le­fo­ne, man­da-me avi­sar/Que com ale­gria/Não se ques­ti­o­ne, pa­ra se brin­car/Ai, ai, ai/É dei­xar as ma­go­as pa­ra trás, o ra­paz/Ai, ai, ai/Fi­ca tris­te se és ca­paz e ve­rás”.

Não sa­be­mos quem é o au­tor da pri­mei­ra mú­si­ca ci­ta­da pe­lo JB, mas a si­mi­li­tu­de da se­gun­da e o con­tex­to da bar­ra­ca da Tia Ci­a­ta re­for­çam a te­se da cri­a­ção co­le­ti­va de al­guns dos com­po­si­to­res que rei­vin­di­ca­ram a au­to­ria. Em to­do ca­so, a mú­si­ca ce­le­bra­va a dis­po­si­ção de Au­re­li­no Le­al, che­fe da po­lí­cia, de li­be­rar o sam­ba nas ro­ma­ri­as e fes­tas po­pu­la­res de san­tos. O su­ces­so na bo­ca do po­vo no Car­na­val pro­vo­cou a po­lê­mi­ca da au­to­ria, con­sa­grou a mú­si­ca pa­ra a pos­te­ri­da­de e ga­nhou inú­me­ras ver­sões, in­clu­si­ve no Car­na­val da Bahia.

Te­nho pa­ra mim que a pri­ma­zia de Pe­lo Te­le­fo­ne co­mo mar­co do sam­ba gra­va­do te­nha de­cor­ri­do do su­ces­so que a mú­si­ca fez no

Car­na­val de 1917

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.