Bar­ra­dão não é mais aque­le

Correio da Bahia - - Esporte - Da­ni­e­la Le­o­ne da­ni­e­la.le­o­ne@re­de­bahia.com.br

A cin­co ro­da­das do fim do Bra­si­lei­rão, o Vi­tó­ria pre­ci­sa mais do que nun­ca mos­trar sua for­ça no Bar­ra­dão. San­tuá­rio tra­di­ci­o­nal­men­te te­mi­do pe­los ad­ver­sá­ri­os, o es­tá­dio não tem si­do uma ar­ma ru­bro-ne­gra: o Leão é o ter­cei­ro pi­or man­dan­te da com­pe­ti­ção. E o pró­xi­mo jo­go é em ca­sa, con­tra o Atlé­ti­co-PR, do­min­go, às 16h.

Den­tro de ca­sa, o Vi­tó­ria so­mou ape­nas 22 pon­tos dos 48 pos­sí­veis. Em 16 jo­gos, fo­ram seis triun­fos, qua­tro em­pa­tes e seis der­ro­tas, um apro­vei­ta­men­to de ape­nas 46%. O úl­ti­mo triun­fo do Vi­tó­ria co­mo man­dan­te foi no dia 25 de se­tem­bro, quan­do ven­ceu o São Pau­lo por 2x0, úni­ca vez que o ti­me con­quis­tou três pon­tos em ca­sa sob o co­man­do do téc­ni­co Ar­gel Fucks. De­pois des­sa da­ta, per­deu pa­ra Grê­mio e Cru­zei­ro, am­bos pe­lo pla­car de 1x0.

Além da ne­ces­si­da­de de ti­rar a cor­da do pes­co­ço, o Vi­tó­ria vai en­fren­tar o ter­cei­ro pi­or vi­si­tan­te da Sé­rie A. Fo­ra de seus do­mí­ni­os, o Atlé­ti­co-PR so­mou ape­nas se­te pon­tos. Em 16 jo­gos, ven­ceu dois, em­pa­tou um e per­deu 13.

Os jo­ga­do­res do Leão tam­bém pre­ci­sam jo­gar bem di­an­te da tor­ci­da. Os nú­me­ros da Sé­rie A mos­tram que o ti­me ain­da não con­se­guiu bons re­sul­ta­dos quan­do o es­tá­dio es­tá cheio. O Leão per­deu os três jo­gos de mai­or pú­bli­co co­mo man­dan­te, con­tra o Fla­men­go (2x1), na 24ª ro­da­da, quan­do 28.387 pes­so­as fo­ram ao Bar­ra­dão; con­tra o Cru­zei­ro (1x0), na 32ª ro­da­da, na pre­sen­ça de 27.489 pes­so­as; e con­tra o Grê­mio (1x0), na 29ª ro­da­da, di­an­te de 19.652 tor­ce­do­res na Fon­te No­va. O mai­or pú­bli­co que pre­sen­ci­ou um triun­fo do Vi­tó­ria foi de 12.417, no 3x2 so­bre o Co­rinthi­ans , ain­da na 2ª ro­da­da, dia 22 de maio.

“Ga­ran­to que não exis­te um ca­ra mais frus­tra­do que eu pe­los três re­sul­ta­dos ruins com ca­sa cheia. É ruim ver um Bar­ra­dão lo­ta­do co­mo na par­ti­da di­an­te do Cru­zei­ro e a gen­te não con­se­guir dar de pre­sen­te ao tor­ce­dor um triun­fo. Tam­bém sen­ti­mos quan­do che­ga­mos em ca­sa ten­do que di­zer pa­ra mi­nha es­po­sa e fi­lhos que na­da deu cer­to. Mes­mo as­sim, pe­ço que o tor­ce­dor não de­sis­ta de nós. Co­mo um dos lí­de­res do gru­po, ga­ran­to que não va­mos de­sis­tir”, dis­se o ca­pi­tão Wil­li­an Fa­ri­as.

Re­con­quis­tar a con­fi­an­ça do tor­ce­dor é mais um de­sa­fio pa­ra o ti­me. Mes­mo com o pre­ço man­ti­do a R$ 10 ar­qui­ban­ca­da e R$ 30 ca­dei­ra, a pro­cu­ra de in­gres­sos, até on­tem, não ti­nha pas­sa­do de mil ven­di­dos. On­de com­prar: no Bar­ra­dão e lo­jas li­cen­ci­a­das nos shop­pings Ca­pe­mi, La­pa, Pa­ra­le­la e Pi­tu­ba Open, além do si­te in­gres­so­fa­cil.com.br.

Nos três jo­gos de me­lhor pú­bli­cos no seu re­du­to, o Leão per­deu to­dos

Tor­ci­da ru­bro-ne­gra em­pur­ra, mas ti­me não tem cor­res­pon­di­do em ca­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.