O jo­go das ru­as

Correio da Bahia - - Esporte -

O sol ras­ga a pe­le de quem cir­cu­la no Cen­tro His­tó­ri­co de Salvador. Sem de­fe­sa, um ho­mem bus­ca abri­go na som­bra de um ca­sa­rão fe­cha­do da Rua da Mi­se­ri­cór­dia, bem de­fron­te à pre­fei­tu­ra. Sen­ta­do na so­lei­ra, ex­põe ma­pas pa­ra ven­der (con­fes­so que não con­si­go en­ten­der o que le­va al­guém a, nos di­as de ho­je, ven­der ma­pas. Não são ma­pas tu­rís­ti­cos nem na­da, são aque­les ma­pas enor­mes, da Bahia ou do Bra­sil, com mil do­bras, que se aber­tos não se­rão fe­cha­dos cor­re­ta­men­te nun­ca mais).

Na ou­tra cal­ça­da, vai pas­san­do um ven­de­dor am­bu­lan­te, exi­bin­do fi­ti­nhas de Nos­so Se­nhor do Bon­fim e co­la­res de cor­di­nha com pin­gen­tes de be­rim­bau em mi­ni­a­tu­ra. Lá da sua som­bra, o mer­ca­dor de ma­pas pu­xa as­sun­to com o co­le­ga de ven­das.

- Ô, ras­ta, e aí?

- Co­lé!

- Es­sa é a se­ma­na, viu?! Tem que ga­nhar os dois. Quem não ga­nhar, já era!

O ras­ta, ób­vio, não pre­ci­sa de in­tro­du­ção pa­ra sa­ber do que se tra­ta. Sem in­ter­rom­per os pas­sos ru­mo ao Pe­lou­ri­nho, evi­ta cra­var qual­quer resultado.

- É, bo­ra ver aí. Du­as car­ni­ças! To­ma­ra que ga­nhe.

Em que pe­se o es­for­ço de re­por­ta­gem, não deu pa­ra sa­ber se o ras­ta ema­na­va ener­gia po­si­ti­va pa­ra o Bahia, pa­ra o Vi­tó­ria ou pa­ra os dois, nu­ma ati­tu­de no­bre, pa­ci­fi­ca­do­ra e ul­tra­des­por­ti­va.

Si­go até a Rua do Sal­da­nha, em bus­ca da­que­las lo­jas de ele­trô­ni­cos. Na pas­sa­gem pe­la Rua do Bis­po, ou­ço um ga­ri fa­zen­do tro­ça com o ven­de­dor de uma das lo­jas.

- Se­gu­u­u­u­un­da-fei­ra não fal­te, não. Ve­nha tra­ba­lhar, vi­i­iu! E não que­ro sa­ber de cho­rorô! Que­ro vo­cê aqui pra gen­te con­ver­sar di­rei­ti­nho.

O re­pór­ter ti­tu­beia, mas es­ta­va com pres­sa. Tam­bém não sei se o ga­ri é ru­bro-ne­gro ou tri­co­lor, as­sim co­mo des­co­nhe­ço a pre­di­le­ção do ven­de­dor.

Só sei que, ca­mi­nhan­do en­tre tan­tas lo­jas de equi­pa­men­tos de som, ou­ço res­so­ar um tes­te de mi­cro­fo­ne de al­gum dos es­ta­be­le­ci­men­tos. “E o mo­ti­vo to­do mun­do já co­nhe­ce, é que o Bahia so­be e o Vi­tó­ria des­ce”, can­ta­ro­la al­guém pra to­da a rua ou­vir. As re­a­ções são ime­di­a­tas.

Ao lon­ge, ou­ve-se uma es­pé­cie de ui­vo, ima­gi­no que de um tor­ce­dor do Bahia. “Sai daí, se­gun­da di­vi­são”, re­ba­te um ru­bro-ne­gro bem na por­ta de uma das lo­jas. “Não ga­nha uma fo­ra!”, bra­da ou­tro.

De re­pen­te, ven­de­do­res, ga­ris, am­bu­lan­tes e boa par­te da gen­te que pas­sa pa­re­cem se jun­tar pa­ra te­cer a ma­nhã de um jei­to pró­prio, nu­ma al­ga­zar­ra que en­tra pe­las por­tas, sai pe­las ja­ne­las, apa­re­ce na sa­ca­da e to­ma to­da a rua. É um dia nor­mal no Pelô, Salvador em es­ta­do bru­to.

Pe­lo adi­an­ta­do da ho­ra do jo­go do Bahia, es­ta man­ca re­por­ta­gem foi fe­cha­da an­tes que se ini­ci­as­se a pe­le­ja. Quan­do vo­cê, ca­ro leitor ou be­la lei­to­ra, pas­sar os olhos por aqui, já sa­be­re­mos se os tri­co­lo­res che­ga­rão eu­fó­ri­cos ou mur­chos pa­ra tra­ba­lhar se­gun­da-fei­ra. Quan­to aos ru­bro-ne­gros, sa­be­re­mos ama­nhã.

Cer­to é que vai ter al­vo­ro­ço, mes­mo com nos­sos ti­mes sen­do es­sas car­ni­ças - co­mo bem de­fi­niu foi o ras­ta.

Ago­ra ima­gi­ne co­mo fi­ca­ria a ci­da­de se os clu­bes se des­sem um mí­ni­mo de res­pei­to. Em que pe­se o es­for­ço de re­por­ta­gem, só po­de­mos mes­mo ima­gi­nar.

Ima­gi­ne co­mo fi­ca­ria a ci­da­de se os clu­bes se des­sem um mí­ni­mo de res­pei­to. Em que pe­se o es­for­ço de re­por­ta­gem,

só po­de­mos ima­gi­nar

UR­GEN­TE

O no­ti­ciá­rio in­for­ma que Salvador vai re­ce­ber a es­tru­tu­ra de uma das pis­ci­nas dos Jo­gos Olím­pi­cos do Rio, que se­rá re­mon­ta­da aqui no ano que vem. A pre­fei­tu­ra ain­da vai de­fi­nir o lo­cal, mas, pa­ra uma ci­da­de que pas­sou anos sem uma pis­ci­na olím­pi­ca se­quer, a no­tí­cia é óti­ma. Com a pis­ci­na da Bo­nocô (que ain­da não tem ves­tiá­rio), se­rão dois equi­pa­men­tos de al­to ní­vel. Es­pe­ra-se que go­ver­no e pre­fei­tu­ra fa­çam bom uso, mas não só vi­san­do com­pe­ti­ções. É im­por­tan­te fo­men­tar o es­por­te e abrir es­pa­ço pa­ra cri­an­ças e jo­vens de to­da a ci­da­de. Is­so é ur­gen­te!

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.