Enem: voyeu­ris­mo, Je­sus, Exu e ho­ax

Correio da Bahia - - Front Page -

Os bra­si­lei­ros mais sen­sa­tos têm mo­ti­vos de so­bra pa­ra aplau­dir o fa­to de o Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem) ter tra­zi­do co­mo te­ma da re­da­ção a in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, com qua­tro tex­tos de apoio que dei­xa­vam pou­ca mar­gem pa­ra os can­di­da­tos usa­rem o áli­bi de que foi um te­ma di­fí­cil. Mas, por ou­tro la­do, em se tra­tan­do do exa­me, é de se per­gun­tar: por que emis­so­ras de te­le­vi­são, al­guns de seus re­pór­te­res e, pas­mem, gru­pos pa­re­ci­dos com tor­ci­das or­ga­ni­za­das, fi­cam gru­da­dos nos por­tões das es­co­las pa­ra mos­trar, en­tre­vis­tar e zo­ar com (ca­so dos gru­pos) os can­di­da­tos que che­gam ime­di­a­ta­men­te após o fe­cha­men­to dos por­tões? Se exis­te al­gum no­me pa­ra is­so me­lhor que voyeu­ris­mo ele­va­do ao grau má­xi­mo da per­ver­são, que se­ja di­to.

É ver­da­de que, pa­ra o jor­na­lis­mo, a não re­a­li­za­ção da pro­va por aque­les que che­gam atra­sa­dos se­rá sem­pre uma pau­ta não só vá­li­da, mas im­por­tan­te, pois tra­ta-se, em ca­da ca­so, de um epi­só­dio de frus­tra­ção, de luto, de per­da de opor­tu­ni­da­de, que, por trás, tem as mais di­ver­sas his­tó­ri­as: trân­si­to, chu­va, dis­tân­cia en­tre a mo­ra­dia e o lo­cal da re­a­li­za­ção da pro­va, im­pre­vis­tos de to­da or­dem, mal-es­tar fí­si­co e até mes­mo as­sal­tos no tra­je­to. URUBUZICE

Não é das re­por­ta­gens so­bre os atra­sa­dos e seus mo­ti­vos, su­as jus­ti­fi­ca­ti­vas e an­gús­ti­as, por­tan­to, que es­se tex­to tra­ta. O que se ques­ti­o­na aqui é a per­ver­são inex­pli­cá­vel e in­jus­ti­fi­ca­da que ex­plo­de na te­la da TV no ins­tan­te em que, nu­ma trans­mis­são ao vi­vo, pa­ra a coi­sa fi­car ain­da mais an­gus­ti­an­te pa­ra o te­les­pec­ta­dor, re­pór­te­res en­fi­am mi­cro­fo­nes e ci­ne­gra­fis­tas em­pur­ram câ­me­ras na ca­ra de um can­di­da­to em pâ­ni­co, apa­vo­ra­do, mis­tu­ran­do de­ses­pe­ro com lá­gri­mas, en­quan­to cla­ma pe­la com­pai­xão de um por­tei­ro, co­mo se es­se fos­se Je­sus Cris­to, e, no meio des­se re­de­moi­nho sen­ti­men­tal, lhe per­gun­tam: por que vo­cê se atra­sou?

É ne­ces­sá­rio e da or­dem do to­le­rá­vel fa­zer es­sa per­gun­ta no exa­to mo­men­to do fe­cha­men­to do por­tão na ca­ra de uma pes­soa em pâ­ni­co? O mun­do aca­ba­rá e a au­di­ên­cia irá em­bo­ra se dei­xa­rem es­sa po­bre pes­soa, en­lou­que­ci­da de frus­tra­ção e an­gús­tia, res­pi­rar, ver mi­ni­ma­men­te a fi­cha cair, an­tes de ser in­ter­pe­la­da? É cla­ro que, nes­ses ca­sos, o ob­je­to da urubuzice só cho­ra e na­da res­pon­de, ig­no­ran­do per­gun­tas, câ­me­ras, mi­cro­fo­nes, re­pór­te­res e ci­ne­gra­fis­tas. As res­pos­tas vis­tas na TV são da­que­les que já res­pi­ra­ram e acei­ta­ram a ine­xo­ra­bi­li­da­de da per­da. En­tão, pa­ra que in­sis­tir na ten­ta­ti­va de cap­tu­rar a dor na ho­ra em que ela es­tá no ápi­ce?

VAM­PI­ROS

Nes­te ano, pa­ra além do ime­di­a­tis­mo cru­el de jor­na­lis­tas, sur­giu, nu­ma des­sas ma­té­ri­as so­bre atra­sa­dos, um ban­do de vam­pi­ros da ago­nia alheia. Um gru­po de ra­pa­zo­tes, que su­põe-se so­frem de uma es­pé­cie de sín­dro­me da atro­fia da sen­si­bi­li­da­de no grau má­xi­mo, fin­cou pé na por­ta de uma es­co­la em Be­lo Ho­ri­zon­te, abas­te­ci­dos de cer­ve­ja, pa­ra fa­zer o ino­mi­ná­vel: zo­ar, fa­zer o má­xi­mo de ba­ru­lho e de ma­ca­qui­ces pos­sí­veis, di­an­te de ca­da can­di­da­to que des­se de ca­ra com o por­tão já fe­cha­do. Es­ta­vam ali pa­ra se di­ver­tir co­mo nu­ma are­na, on­de ca­da im­pe­di­do de en­trar por atra­so era vis­to co­mo um der­ro­ta­do nu­ma ba­ta­lha, al­vo de ur­ros pe­la tur­ba non­sen­se. A sé­rie te­le­vi­si­va in­gle­sa Black Mir­ror não fa­ria uma tra­du­ção me­lhor do mun­do do pós-hu­ma­no.

Quan­to ao te­ma da re­da­ção, im­pos­sí­vel jul­gá-lo di­fí­cil e, ao mes­mo tem­po, lon­ge de ser pas­sí­vel de transformado em crí­ti­ca ao MEC de Mi­chel Te­mer, do qu­al mui­tos es­pe­ra­vam um te­ma con­ser­va­dor. Do con­ser­va­do­ris­mo es­se te­ma pas­sou lon­ge, as­sim co­mo a pro­va, que, de tão mo­der­ni­nha, de­sa­fi­ou mui­ta gen­te que vi­ve co­nec­ta­da, mas não sa­bia o que era ho­ax. Os alu­nos de es­co­las re­li­gi­o­sas cor­rem, sim, um ris­qui­nho, mí­ni­mo que se­ja, de des­van­ta­gem na re­da­ção. Quem acre­di­ta que nu­ma es­co­la re­li­gi­o­sa con­ser­va­do­ra, por exem­plo, abor­da-se, com to­da a na­tu­ra­li­da­de do mun­do, des­de as pri­mei­ras sé­ri­es, as re­li­giões de ma­tri­zes afri­ca­nas, ori­en­tais ou o ju­daís­mo, en­tre ou­tras?

Por mais que os pro­fes­so­res de re­li­gião des­sas es­co­las es­te­jam na pon­ta do van­guar­dis­mo, a ide­o­lo­gia do es­ta­be­le­ci­men­to ain­da tem um pe­so e tan­to so­bre boa par­te dos alu­nos. Sor­te da­que­les que te­nham vin­do des­sas es­co­las e, mes­mo as­sim, te­nham po­di­do de­ba­ter com seus pro­fes­so­res a re­li­gião co­mo uma prá­ti­ca li­ga­da à cul­tu­ra de ca­da um, co­mo al­go que es­tá fo­ra da ló­gi­ca da cer­ta ver­sus er­ra­da, que te­nham apren­di­do que Je­sus, Ma­o­mé, Exu, lai­ci­da­de, sin­cre­tis­mo e li­ber­da­de de cul­to es­tão no mes­mo sa­co te­má­ti­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.