Não so­brou na­da

Correio da Bahia - - Front Page - MA­RIA LANDEIRO E TAILANE MU­NIZ

O sol ain­da não es­ta­va es­cal­dan­te, às 6h de on­tem, mas Ama­ra­li­na já vi­via uma ma­nhã quen­te, após um ôni­bus pe­gar fo­go na Rua Vis­con­de de Ita­bo­rahy, uma das prin­ci­pais vi­as de cir­cu­la­ção do bair­ro, pró­xi­mo à or­la. Pe­lo his­tó­ri­co re­cen­te, hou­ve quem pen­sas­se se tra­tar de um pro­tes­to, mas não foi na­da dis­so, co­mo con­tou o mo­to­ris­ta do co­le­ti­vo, Gil­de­van­di Ama­ral Santos. Se­gun­do ele, as cha­mas co­me­ça­ram no pró­prio veí­cu­lo, quan­do ele ain­da se­guia pe­la Ave­ni­da Manoel Di­as, na Pi­tu­ba. “Quan­do en­trei na Vis­con­de de Ita­bo­rahy, per­ce­bi que es­ta­va mai­or. Dei si­nal pa­ra a co­bra­do­ra de que ia bo­tar o pes­so­al em ou­tro car­ro. Des­ci e, quan­do abri o capô, vi que já ti­nha mui­to fo­go. Su­bi, abri as por­tas e os pas­sa­gei­ros des­ce­ram ra­pi­da­men­te”, dis­se. Se­gun­do ele, o ôni­bus, da li­nha Ae­ro­por­to-Pra­ça da Sé, ti­nha pou­cos pas­sa­gei­ros no mo­men­to do in­ci­den­te. Equi­pes do Cor­po de Bom­bei­ros es­ti­ve­ram no lo­cal e apagaram o in­cên­dio.

Ain­da de acor­do com Gil­de­van­di, a si­tu­a­ção foi mui­to rá­pi­da e só deu tem­po de ti­rar os per­ten­ces das pes­so­as. “A co­bra­do­ra fi­cou mui­to ner­vo­sa e des­ceu cho­ran­do. Pe­guei a bol­sa de­la, meus do­cu­men­tos, mas não con­se­gui­mos sal­var a ren­da [di­nhei­ro das pas­sa­gens]”, re­la­tou ele. Gil­de­van­di ain­da ten­tou usar os ex­tin­to­res do co­le­ti­vo, mas não adi­an­tou. Não so­brou na­da no veí­cu­lo pa­ra con­tar a his­tó­ria. A mai­o­ria dos pas­sa­gei­ros se­guia pa­ra o tra­ba­lho e foi co­lo­ca­da den­tro de ou­tros ôni­bus.

On­tem à tar­de, a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Mo­bi­li­da­de (Se­mob) in­for­mou que abriu um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra apu­rar o ca­so. De acor­do com o se­cre­tá­rio Fábio Mo­ta, o veí­cu­lo, da em­pre­sa Con­ces­si­o­ná­ria Sal­va­dor Nor­te, era do ano 2011 e a úl­ti­ma vis­to­ria ne­le ha­via si­do fei­ta em maio. “Te­mos vá­ri­as hi­pó­te­ses: cur­to-cir­cui­to, pa­ne elé­tri­ca. O ôni­bus tem uma cha­ve ge­ral que, quan­do aci­o­na­da, des­li­ga to­do o cir­cui­to elé­tri­co do veí­cu­lo. Ela foi aci­o­na­da e o ôni­bus con­ti­nu­ou pe­gan­do fo­go”, afir­mou Mo­ta.

Ain­da se­gun­do ele, uma pe­rí­cia já foi re­qui­si­ta­da. “O re­sul­ta­do de­ve sair em 48 ho­ras e, com is­so, po­de­re­mos to­mar mais pro­vi­dên­ci­as”, com­ple­tou.

Por con­ta do fo­go, as vi­dra­ças de al­guns pré­di­os se que­bra­ram e al­guns mo­ra­do­res do lo­cal fi­ca­ram sem te­le­fo­ne fi­xo e in­ter­net du­ran­te qua­se to­do o dia. No iní­cio da tar­de, a em­pre­sa de te­le­co­mu­ni­ca­ções Net já ha­via re­co­lo­ca­do a fi­a­ção e res­ta­be­le­ci­do os ser­vi­ços.

Quem uti­li­za a ope­ra­do­ra

Oi, no en­tan­to, ain­da es­ta­va aguar­dan­do uma so­lu­ção até o fi­nal da tar­de. Se­gun­do o em­pre­sá­rio Fábio Filgueiras, 54 anos, os mo­ra­do­res do Edi­fí­cio Ju­dit Lea fi­ca­ram sem te­le­fo­ne fi­xo e in­ter­net. “Por con­ta da pro­xi­mi­da­de com o fo­go, to­das as vi­dra­ças se que­bra­ram, o ci­men­to e as pas­ti­lhas do 1º an­dar caí­ram”, co­men­tou.

A em­pre­sa de ôni­bus irá ban­car os da­nos aos imó­veis. Fábio não es­ta­va em ca­sa na ho­ra do in­cên­dio – sou­be pe­la te­le­vi­são. “Na ho­ra, não me as­sus­tei mui­to por­que não ima­gi­nei que o fo­go fos­se cau­sar es­se es­tra­go. De­pois re­ce­bi uma li­ga­ção da mi­nha vi­zi­nha, di­zen­do que era pa­ra vir abrir o apar­ta­men­to pa­ra ti­ra­rem as me­di­das pa­ra as no­vas vi­dra­ças”, con­tou.

A vi­zi­nha, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car, es­ta­va em ca­sa na ho­ra das cha­mas. “Che­guei na ja­ne­la e vi a la­ba­re­da su­bin­do. Mi­nha sa­la pa­re­cia que ti­nha 60 graus (cel­sius). Es­tou sem te­le­fo­ne e in­ter­net des­de às 6h”, afir­mou. Em no­ta, a Oi dis­se que os téc­ni­cos já tra­ba­lha­vam no lo­cal pa­ra res­ta­be­le­cer os ser­vi­ços.

Veí­cu­lo pe­gou fo­go em fren­te a pré­di­os re­si­den­ci­ais

Cha­mas no mo­tor to­ma­ram con­ta de veí­cu­lo; pe­rí­cia sai em dois di­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.