Bair­ros vi­vem ris­co de epi­de­mia pa­ra den­gue, zi­ka e chi­kun­gunya

Correio da Bahia - - Bahia - CLA­RIS­SA PA­CHE­CO

FO­COS DO AE­DES Trin­ta e qua­tro bair­ros de Sal­va­dor vi­vem um ris­co de epi­de­mia de den­gue, zi­ka ví­rus e chi­kun­gunya. Em to­dos eles, o ín­di­ce de ou­tu­bro de In­fes­ta­ção Pre­di­al do Ae­des Aegyp­ti, que trans­mi­te as do­en­ças, es­tá aci­ma de 3,9%, de acor­do com a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Saú­de (SMS). O ín­di­ce ge­ral da ca­pi­tal foi de 2,3%, con­si­de­ra­do es­ta­do de aler­ta pa­ra epi­de­mi­as. Sig­ni­fi­ca que, a ca­da 100 imó­veis, pe­lo me­nos dois têm fo­cos do mos­qui­to. De acor­do com a sub­co­or­de­na­do­ra de Vi­gi­lân­cia em Saú­de da SMS, Isa­bel Gui­ma­rães, o ín­di­ce de in­fes­ta­ção pre­di­al con­si­de­ra­do sa­tis­fa­tó­rio é abai­xo de 1%. “O ín­di­ce sa­tis­fa­tó­rio em re­la­ção a não ocor­rer uma epi­de­mia de ar­bo­vi­ro­ses é abai­xo de 1%. En­tre 1% e 3,9% é con­si­de­ra­do es­ta­do de aler­ta, ou se­ja, exis­te um in­ter­me­diá­rio en­tre sa­tis­fa­tó­rio e a epi­de­mia. A par­tir de 3,9% é con­si­de­ra­do ris­co de epi­de­mia”, dis­se ela. Es­sa si­tu­a­ção de ris­co é o que acon­te­ce em 34 bair­ros da ca­pi­tal, en­tre eles Cou­tos e Vis­ta Ale­gre, que re­gis­tra­ram, em ou­tu­bro, ín­di­ce de 7,7% qua­se du­as ve­zes mai­or do que o já con­si­de­ra­do ris­co de epi­de­mia (aci­ma de 3,9%). “Nós co­me­ça­mos uma sé­rie de mu­ti­rões de lim­pe­za e ini­ci­a­mos na se­ma­na pas­sa­da por Cou­tos e Vis­ta Ale­gre, que ti­ve­ram ín­di­ce de 7,7%”, in­for­mou Isa­bel Gui­ma­rães. Ela dis­se ain­da que, nes­ta se­ma­na, a equi­pe vai no Ca­la­be­tão, que te­ve ín­di­ce de 5,5%. “Es­ta­mos tam­bém com um tra­ba­lho cons­tan­te de vi­si­tas dos agen­tes, que es­tão tra­ba­lhan­do num con­tin­gen­te mai­or do que na ro­ti­na de lim­pe­za e bo­ta-fo­ra”, dis­se a sub­co­or­de­na­do­ra. Sal­va­dor tem, ho­je, cer­ca de 1.700 agen­tes de com­ba­te a en­de­mi­as. O se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal da Saú­de, Jo­sé An­to­nio Ro­dri­gues Al­ves, cha­ma a aten­ção tam­bém pa­ra o cui­da­do que os mo­ra­do­res de­vem ter com a pre­ven­ção. “Nos úl­ti­mos dois le­van­ta­men­tos, con­se­gui­mos ob­ter re­du­ção his­tó­ri­ca dos in­di­ca­do­res de in­fes­ta­ção e ago­ra es­se per­cen­tu­al vol­tou a apre­sen­tar cres­ci­men­to. Pre­ci­sa­mos que a po­pu­la­ção con­ti­nue atu­an­do de mãos da­das com o po­der pú­bli­co pa­ra evi­tar a pro­li­fe­ra­ção do mos­qui­to em nos­sa ci­da­de”, dis­se ele. A pre­fei­tu­ra atri­bui o au­men­to do ín­di­ce na ca­pi­tal às con­di­ções cli­má­ti­cas - chu­va e ca­lor fa­ci­li­tam a reprodução do mos­qui­to - e às me­di­das de con­tro­le, por­que quan­to mai­or a fis­ca­li­za­ção, mai­or a chan­ce de en­con­trar fo­cos do mos­qui­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.