Sol­da­do da PM con­fes­sa que ma­tou co­le­ga, mas diz que ti­ro foi aci­den­tal

Correio da Bahia - - Bahia - GIL SANTOS

LO­BA­TO Um po­li­ci­al mi­li­tar se apre­sen­tou na Cor­re­ge­do­ria da PM, na ma­nhã de on­tem, e as­su­miu a au­to­ria da mor­te do sol­da­do Ma­ri­val­do de Sou­za Ama­ral, 35 anos, em uma ca­sa de shows, an­te­on­tem, na Ave­ni­da Su­bur­ba­na, no bair­ro do Lo­ba­to. O au­tor não te­ve a iden­ti­da­de di­vul­ga­da e dis­se que o ti­ro foi aci­den­tal. Ma­ri­val­do foi atin­gi­do na ca­be­ça en­quan­to ten­ta­va se­pa­rar uma bri­ga em fren­te à ca­sa de shows Point do Sam­ba. Em no­ta, a Po­lí­cia Ci­vil in­for­mou que o po­li­ci­al pro­cu­rou a Cor­re­ge­do­ria acom­pa­nha­do de um ad­vo­ga­do e de­pois foi até o De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP), on­de con­tou a sua ver­são. “Se­gun­do o PM, ao (tam­bém) ten­tar con­ter a bri­ga que acon­te­cia em fren­te ao lo­cal, a ar­ma aca­bou dis­pa­ran­do e acer­tou Ma­ri­val­do. A ar­ma, uma pis­to­la 380, de uso pes­so­al, foi apre­en­di­da e se­gui­rá pa­ra o De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca (DPT) pa­ra pas­sar por pe­rí­cia. Já o po­li­ci­al, por meio da Cor­re­ge­do­ria, se­rá encaminhado pa­ra o se­tor de psi­co­lo­gia da Po­lí­cia Mi­li­tar”, dis­se a no­ta. O PM foi ou­vi­do pe­lo de­le­ga­do Odair Car­nei­ro, da for­ça-ta­re­fa da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (SSP-BA) - res­pon­sá­vel pe­la in­ves­ti­ga­ção de cri­mes en­vol­ven­do po­li­ci­ais e foi li­be­ra­do no fi­nal da tar­de. O no­me do po­li­ci­al e a com­pa­nhia em que ele é lo­ta­do não fo­ram di­vul­ga­dos “pa­ra pro­te­ger a in­te­gri­da­de fí­si­ca do po­li­ci­al e de seus fa­mi­li­a­res”, se­gun­do a po­lí­cia. A PM in­for­mou que o inqué­ri­to já foi ins­tau­ra­do e as cir­cuns­tân­ci­as do cri­me se­rão in­ves­ti­ga­das. O cor­po de Ma­ri­val­do foi en­ter­ra­do, na tar­de de on­tem, no Ce­mi­té­rio do Cam­po San­to, na Fe­de­ra­ção. Co­le­gas da Ron­desp, Gêmeos, Pe­to e de di­fe­ren­tes com­pa­nhi­as da PM e de uni­da­des da Po­lí­cia Ci­vil mar­ca­ram pre­sen­ça pa­ra se des­pe­dir de Ma­ri­val­do, que tra­ba­lha­va há cin­co anos na 14ª Com­pa­nhia In­de­pen­den­te da Po­lí­cia Mi­li­tar (CIPM/ Lo­ba­to). A ví­ti­ma dei­xou es­po­sa e du­as cri­an­ças: uma fi­lha e um en­te­a­do. Ele foi o 20º PM mor­to es­te ano no es­ta­do. Des­ses, dois es­ta­vam tra­ba­lhan­do no mo­men­to em que fo­ram mor­tos; oi­to mor­re­ram em di­as de fol­ga, in­cluin­do Ma­ri­val­do, e dez eram da re­ser­va ou re­for­ma­dos. “É um co­le­ga que per­deu a vi­da e to­dos nós es­ta­mos mui­to sen­ti­dos”, afir­mou o co­man­dan­te da 19ª CIPM/Pa­ri­pe, ma­jor El­si­mar Leão. Um dos mo­men­tos de mai­or emo­ção foi du­ran­te a exe­cu­ção, ao som de uma cor­ne­ta, do Hi­no da Po­lí­cia Mi­li­tar. Mui­tos po­li­ci­ais não se­gu­ra­ram as lá­gri­mas. “É um so­fri­men­to pa­ra a fa­mí­lia e pa­ra to­dos nós. Mais uma vez es­ta­mos aqui pa­ra en­ter­rar o cor­po de mais um po­li­ci­al. Até quan­do?”, ques­ti­o­nou o PM re­for­ma­do Gil­son Lo­pes. Uma sal­va de ti­ros en­cer­rou a ce­rimô­nia. Ami­gos des­cre­ve­ram o PM co­mo uma pes­soa ale­gre e bem-hu­mo­ra­da. O ma­jor Car­los Hum­ber­to Mo­rei­ra, co­man­dan­te da 14ª CIPM/Lo­ba­to, on­de Ma­ri­val­do tra­ba­lha­va há cin­co anos, con­tou que o sol­da­do era um exem­plo pa­ra a cor­po­ra­ção. “É um sen­ti­men­to de cons­ter­na­ção. O pro­fis­si­o­nal que nos dei­xou era ho­nes­to, sim­ples, um exem­plo. É uma per­da ir­re­pa­rá­vel pa­ra to­dos nós”, afir­mou.

Cer­ca de 300 pes­so­as par­ti­ci­pa­ram do en­ter­ro de Ma­ri­val­do de Sou­za Ama­ral, 35 anos, no Cam­po San­to

Sol­da­do Ma­ri­val­do, mor­to a ti­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.