Hil­lary ou Trump: quem é me­lhor pa­ra o Bra­sil?

Correio da Bahia - - Mais - Lucy Bar­re­to, com agên­ci­as lucy.bar­re­to@re­de­bahia.com.br

Os nor­te-ame­ri­ca­nos vão às ur­nas, ho­je, es­co­lher o pró­xi­mo pre­si­den­te do país. O re­sul­ta­do da dis­pu­ta po­la­ri­za­da en­tre o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump e a de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton po­de afe­tar o Bra­sil e ou­tros paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na em vá­ri­os as­pec­tos. Além de ser a mai­or po­tên­cia econô­mi­ca do pla­ne­ta, os Es­ta­dos Uni­dos man­têm re­la­ções co­mer­ci­ais e di­plo­má­ti­cas com to­dos es­tes paí­ses. O COR­REIO fez um le­van­ta­men­to so­bre os prin­ci­pais pon­tos em co­mum pa­ra vo­cê en­ten­der por que a dis­pu­ta ame­ri­ca­na in­te­res­sa aos bra­si­lei­ros.

O pri­mei­ro pon­to que in­te­res­sa ao Bra­sil é o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal e a ma­nei­ra co­mo os dois can­di­da­tos e seus par­ti­dos en­ca­ram as re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre os EUA e ou­tros paí­ses. Ou­tro as­sun­to que cha­ma a aten­ção é co­mo o no­vo pre­si­den­te de­ve­rá tra­tar os imi­gran­tes, já que mais da me­ta­de dos bra­si­lei­ros que mo­ra nos Es­ta­dos Uni­dos vi­ve em si­tu­a­ção ir­re­gu­lar.

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, Ma­nu­el Fur­ri­e­la, o re­sul­ta­do das elei­ções nos EUA te­rá im­pac­to em to­do o mun­do. “Não po­de­mos nos es­que­cer que os Es­ta­dos Uni­dos ain­da são a prin­ci­pal po­tên­cia econô­mi­ca, po­lí­ti­ca e mi­li­tar do mun­do, mes­mo com a as­cen­são chi­ne­sa. Ade­mais, os in­ves­ti­men­tos de em­pre­sas ame­ri­ca­nas são mui­to re­pre­sen­ta­ti­vos no par­que in­dus­tri­al bra­si­lei­ro”, afir­ma.

NE­GÓ­CI­OS

Atu­al­men­te, os Es­ta­dos Uni­dos são o se­gun­do mai­or par­cei­ro co­mer­ci­al do Bra­sil, atrás ape­nas da Chi­na. En­tre 2005 e 2014, as tran­sa­ções co­mer­ci­ais en­tre Bra­sil e EUA cres­ce­ram de US$ 35,2 bi­lhões pa­ra US$ 62 bi­lhões. Até o fi­nal de 2014, os EUA re­pre­sen­ta­vam 13% das par­ti­ci­pa­ções no co­mér­cio ex­te­ri­or do Bra­sil.

Du­ran­te seu go­ver­no, o atu­al pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma re­co­nhe­ceu a im­por­tân­cia de apro­xi­mar o co­mér­cio dos dois paí­ses, em­bo­ra nun­ca te­nha se apro­xi­ma­do mui­to da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, afas­ta­da após o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment. A re­la­ção en­tre os dois, in­clu­si­ve, foi ain­da mais afe­ta­da após a re­ve­la­ção de que o go­ver­no ame­ri­ca­no ha­via es­pi­o­na­do a en­tão pre­si­den­te bra­si­lei­ra.

No que diz res­pei­to a uma mai­or aber­tu­ra co­mer­ci­al aos pro­du­tos bra­si­lei­ros, o Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no tem, his­to­ri­ca­men­te, mai­or in­cli­na­ção à de­fe­sa do li­vre co­mér­cio. Já o Par­ti­do De­mo­cra­ta é mais ten­den­ci­o­so ao pro­te­ci­o­nis­mo. Por es­ta ló­gi­ca, se­ria Do­nald Trump o can­di­da­to mais fa­vo­rá­vel aos in­te­res­ses econô­mi­cos do Bra­sil. Po­rém, du­ran­te a cam­pa­nha, Trump in­ver­teu es­sa ló­gi­ca ao pro­por re­ne­go­ci­ar os acor­dos co­mer­ci­ais fir­ma­dos pe­los EUA pa­ra pre­ser­var em­pre­gos e re­du­zir o dé­fi­cit ame­ri­ca­no nas tran­sa­ções com ou­tros paí­ses.

Por ou­tro la­do, Hil­lary Clin­ton vem de­mons­tran­do uma pos­tu­ra mais fle­xí­vel quan­to ao co­mér­cio ex­te­ri­or. Quan­do se­na­do­ra, ela vo­tou a fa­vor de al­guns acor­dos que am­pli­a­ram as tran­sa­ções dos EUA com ou­tras na­ções, co­mo Chi­le, Omã e Vi­et­nã.

De acor­do com o pro­fes­sor de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia An­to­nio Jor­ge Ra­ma­lho da Ro­cha, as re­la­ções en­tre Bra­sil e Es­ta­dos Uni­dos não de­vem mu­dar mui­to após a elei­ção do no­vo pre­si­den­te. “É pos­sí­vel que au­men­te a pres­são pa­ra abrir o mer­ca­do bra­si­lei­ro em al­gu­mas áre­as e que ha­ja al­gu­ma re­ta­li­a­ção ca­so o câm­bio con­ti­nue de­pre­ci­a­do, mas se­rão pres­sões se­to­ri­ais, fa­cil­men­te ad­mi­nis­trá­veis pe­las bu­ro­cra­ci­as”, afir­mou à Ve­ja.

PO­LÍ­TI­CA DE IMI­GRA­ÇÃO Se­gun­do da­dos do go­ver­no do Bra­sil, mais de um mi­lhão de bra­si­lei­ros vi­vem nos Es­ta­dos Uni­dos. Des­ses pe­lo me­nos 730 mil es­tão em si­tu­a­ção mi­gra­tó­ria ir­re­gu­lar. Es­te é, por­tan­to, o se­gun­do as­sun­to que mais in­te­res­sa ao Bra­sil.

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton tem afir­ma­do que, se for elei­ta, apre­sen­ta­rá uma pro­pos­ta pa­ra que a mai­o­ria dos imi­gran­tes sem do­cu­men­tos pos­sa se re­gu­la­ri­zar. Ela diz que só de­por­ta­rá aque­les que co­me­tam cri­mes vi­o­len­tos. O dis­cur­so aco­lhe­dor aos imi­gran­tes faz com que Hil­lary se­ja a pre­fe­ri­da en­tre os elei­to­res la­ti­nos e apre­sen­te am­pla li­de­ran­ça nas pes­qui­sas com es­se pú­bli­co.

Já o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump e seu dis­cur­so de “ca­ça aos imi­gran­tes” tem si­do o ter­ror dos ha­bi­tan­tes ile­gais e dos la­ti­nos que vi­vem for­mal­men­te nos EUA. Ele pro­me­teu que, se elei­to, vai cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra dos EUA com o Mé­xi­co e quer de­por­tar to­dos os imi­gran­tes sem do­cu­men­tos. Ou­tra pro­mes­sa do mag­na­ta é anu­lar os de­cre­tos con­ce­di­dos du­ran­te ges­tão de Oba­ma, que re­gu­la­ri­zam de for­ma tem­po­rá­ria a re­si­dên­cia de mi­lha­res de imi­gran­tes.

A ad­vo­ga­da es­pe­ci­a­lis­ta em imi­gra­ção Ingrid Ba­rac­chi­ni ex­pli­ca, po­rém, que Do­nald Trump não po­de al­te­rar as leis mi­gra­tó­ri­as, se for elei­to. “O pre­si­den­te ame­ri­ca­no, ge­ral­men­te, não al­te­ra as leis de imi­gra­ção que são co­di­fi­ca­das. O que ele po­de al­te­rar, por meio de de­cre­tos, por exem­plo, são os be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos”, de­ta­lha Ba­rac­chi­ni.

Conheça a opi­nião dos can­di­da­tos so­bre as­sun­tos de in­te­res­se do Bra­sil

ÚL­TI­MO DIA DE CAM­PA­NHA On­tem, vés­pe­ra da elei­ção, Hil­lary e Trump re­a­li­za­ram uma ver­da­dei­ra ma­ra­to­na na ten­ta­ti­va de ga­nhar os vo­tos dos in­de­ci­sos. Trump pas­sou pe­los es­ta­dos da Fló­ri­da, Ca­ro­li­na do Nor­te, Pen­sil­vâ­nia, New Hampshi­re e Mi­chi­gan. Ele vol­tou a ata­car a de­mo­cra­ta. “(Hil­lary) es­tá pro­te­gi­da por um sis­te­ma to­tal­men­te ar­ran­ja­do (...), por uma clas­se di­ri­gen­te em Washing­ton com­ple­ta­men­te corrupta”, dis­se o mag­na­ta na Fló­ri­da.

Já a sua ri­val de­mo­cra­ta fez cam­pa­nha na Ca­ro­li­na do Nor­te, Mi­chi­gan e Pen­sil­vâ­nia. Hil­lary pe­diu aos elei­to­res da Pen­sil­vâ­nia que vo­tas­sem com seus pró­pri­os prin­cí­pi­os. “Vo­te nas cau­sas que têm im­por­tân­cia pa­ra vo­cê, por­que elas tam­bém es­tão ali na cé­du­la, não é só o meu no­me ou o no­me do meu opo­nen­te”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.