Pes­qui­sas in­di­cam dis­pu­ta acir­ra­da no fim da cam­pa­nha

Correio da Bahia - - Mais -

As pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to di­vul­ga­das on­tem in­di­cam que a elei­ção pa­ra a Pre­si­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos vai ser de­fi­ni­da por uma mar­gem pe­que­na. E os dois prin­ci­pais can­di­da­tos têm chan­ces de vi­tó­ria. On­tem, du­as pes­qui­sas que fo­ram di­vul­ga­das apon­ta­ram re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes pa­ra a elei­ção que se­rá fi­na­li­za­da ho­je.

Uma no­va pes­qui­sa da re­de de te­le­vi­são CBS e do jor­nal The New York Ti­mes mos­trou a can­di­da­ta à Pre­si­dên­cia pe­lo Par­ti­do De­mo­cra­ta, Hil­lary Clin­ton, qua­tro pon­tos à fren­te de seu ri­val, Do­nald Trump. No le­van­ta­men­to, Hil­lary tem 47% das in­ten­ções de vo­to, en­quan­to Trump apa­re­ce com 43%. A mar­gem de er­ro da pes­qui­sa é de 3 pon­tos per­cen­tu­ais pa­ra mais ou pa­ra me­nos. No le­van­ta­men­to an­te­ri­or da CBS/NYT, do dia 3 de no­vem­bro, Hil­lary li­de­ra­va com

45% e Trump apa­re­cia com 42%. A pes­qui­sa ou­viu 1.753 pos­sí­veis elei­to­res, en­tre os di­as 2 e 6 des­te mês.

Em ou­tra pes­qui­sa, da In­ves­tor's Bu­si­ness Daily (IBD) e da Te­ch­noMe­tri­ca Mar­ket In­tel­li­gen­ce (TIPP), tam­bém di­vul­ga­da on­tem, Do­nald Trump, can­di­da­to pe­lo Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, apa­re­ceu dois pon­tos à fren­te da de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton. Se­gun­do o le­van­ta­men­to, Trump apa­re­ce com 43,1% das in­ten­ções de vo­to, en­quan­to Hil­lary con­ta com 40,7%.

A li­de­ran­ça de dois pon­tos de Trump so­bre Hil­lary é a mai­or nos 20 di­as de pes­qui­sa, de acor­do com o In­ves­tor's Bu­si­ness Daily. En­tre­tan­to, em uma dis­pu­ta so­men­te en­tre Trump e Hil­lary, ex­cluin­do os ou­tros can­di­da­tos, a de­mo­cra­ta man­tém a li­de­ran­ça, com 43% das in­ten­ções de vo­to, an­te 42% do re­pu­bli­ca­no.

No ce­ná­rio de dis­pu­ta acir­ra­da, o pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, atra­ves­sou o país no úl­ti­mo dia an­tes das elei­ções pre­si­den­ci­ais em um ato fi­nal pa­ra ten­tar em­pur­rar a cam­pa­nha de Clin­ton. De­pois de co­me­çar o dia na ca­pi­tal, Washing­ton, Oba­ma foi a Mi­chi­gan, de lá foi a Durham, em New Hampshi­re, de­pois, à Fi­la­dél­fia pa­ra en­cer­rar a cam­pa­nha ao la­do de sua mu­lher, Mi­chel­le Oba­ma, de Hil­lary e Bill. O can­sa­ço de­pois de uma elei­ção tão vi­ru­len­ta é vi­sí­vel en­tre os ame­ri­ca­nos. As de­cla­ra­ções con­tro­ver­sas so­bre imi­gra­ção e so­bre as mu­lhe­res, fei­tas por Do­nald Trump, e o es­cân­da­lo dos e-mails in­ves­ti­ga­dos pe­lo FBI de Hil­lary Clin­ton, quan­do era se­cre­tá­ria de Es­ta­do, cri­a­ram o mai­or fenô­me­no des­sa elei­ção: o vo­to de re­jei­ção. “Des­cul­pem por es­sa ba­gun­ça”, e “Nun­ca ti­ve­mos uma elei­ção co­mo es­sa. Só que­re­mos que aca­be lo­go”, fo­ram al­gu­mas das fra­ses ou­vi­das pe­lo COR­REIO em cin­co es­ta­dos ame­ri­ca­nos, além da ca­pi­tal, Washing­ton, a con­vi­te do go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos.

Co­mo um can­di­da­to tão con­tro­ver­so co­mo Trump che­gou tão lon­ge na dis­pu­ta pa­re­ce sur­pre­en­der al­guns, até mes­mo ame­ri­ca­nos, mas den­tro do con­tex­to econô­mi­co e so­ci­al dos úl­ti­mos anos is­so não soa tão es­tra­nho. “Trump é um fenô­me­no re­la­ti­va­men­te no­vo na elei­ção ame­ri­ca­na, mas o Bra­sil co­nhe­ce bem es­se bicho po­pu­lis­ta”, dis­se o di­re­tor do Ins­ti­tu­to Bra­sil, Paulo So­te­ro, na ca­pi­tal ame­ri­ca­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.