Re­gras pa­ra even­tos coí­be maus-tra­tos, diz as­so­ci­a­ção

Correio da Bahia - - Mais - CO­LA­BO­ROU THI­A­GO FREI­RE

gu­la­men­ta­va a prá­ti­ca por lá. Por 6 vo­tos a 5, os mi­nis­tros en­ten­de­ram que os ani­mais so­frem vi­o­lên­cia fí­si­ca du­ran­te a ati­vi­da­de.

De acor­do com o pre­si­den­te da ABV, Val­mir Ve­lo­zo, a ideia é con­se­guir ga­ran­tir que a Jus­ti­ça não in­ter­pre­te a de­ci­são do STF co­mo uma proi­bi­ção au­to­má­ti­ca. “Es­ta­mos in­do por es­se ca­mi­nho com to­das que vão acon­te­cer tam­bém. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é in­de­pen­den­te, en­tão es­ta­mos pro­cu­ran­do o pro­mo­tor (de ca­da ci­da­de) pa­ra ver se é con­tra ou a fa­vor e en­tra­mos com ação cau­te­lar”, co­men­tou.

MO­BI­LI­ZA­ÇÃO ES­TA­DU­AL On­tem, uma ses­são es­pe­ci­al no ple­ná­rio da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, no CAB, en­cer­rou uma mo­bi­li­za­ção dos par­ti­ci­pan­tes de es­por­tes eques­tres no es­ta­do, que co­me­çou no fim de se­ma­na. Com pre­sen­ça de mil va­quei­ros e 500 ca­va­los, o even­to foi or­ga­ni­za­do por de­pu­ta­dos es­ta­du­ais co­mo Sal­les e Gi­ka Lo­pes (PT) e, na ses­são de on­tem, con­tou com a pre­sen­ça do vi­ce-go­ver­na­dor João Leão (PP) e do se­na­dor Ot­to Alen­car (PSD).

“A gen­te quer mo­bi­li­zar a po­pu­la­ção ur­ba­na pa­ra que res­pei­te as tra­di­ções, a cul­tu­ra e os em­pre­gos da po­pu­la­ção ru­ral. É me­lhor ter re­gra do que fi­car na clan­des­ti­ni­da­de e não con­se­guir fis­ca­li­zar”, co­men­tou Sal­les. Pa­ra o de­pu­ta­do, o pro­ble­ma da va­que­ja­da po­de de­sen­ca­de­ar um pro­ble­ma mui­to mai­or: no Bra­sil, são mais de 3,2 mi­lhões de em­pre­gos li­ga­dos di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te às 50 mo­da­li­da­des de es­por­tes eques­tres.

Além dis­so, a Bahia tem o mai­or re­ba­nho de ju­men­tos, bur­ros e mu­las do Bra­sil – 1,2 mi­lhão de um to­tal de 7,5 mi­lhões em to­do o país. Ele cal­cu­la ain­da cer­ca de 600 mil ca­va­los. “A Bahia é o es­ta­do que mais vai per­der, e o pro­ble­ma é nos­so. O que vai acon­te­cer com es­ses ani­mais? Os ju­men­tos, ho­je, an­dam pe­las bei­ras de es­tra­das pas­san­do fo­me e se­de e até cau­san­do aci­den­tes. Es­ses ati­vis­tas que se di­zem abo­li­ci­o­nis­tas de ani­mais vão ter, en­tão, que ar­ru­mar asi­los pa­ra cui­dar des­ses ani­mais”, co­men­tou.

DI­MEN­SÃO

Se­gun­do o de­pu­ta­do Gi­ka, a Bahia tem cer­ca de 250 va­que­ja­das “con­sa­gra­das”, que acon­te­cem anu­al­men­te. Mas, se for­mos con­tar to­dos os ti­pos de even­to, o nú­me­ro po­de che­gar a mil, de acor­do com a ABV. Só em Ser­ri­nha, con­si­de­ra­da “a ca­pi­tal da va­que­ja­da no Bra­sil”, são 17 par­ques de va­que­ja­da.

“Ho­je, to­dos es­tão pa­ra­dos. To­das es­sas pes­so­as in­ves­ti­ram (no ra­mo) e o que acon­te­ce é pre­juí­zo to­tal. To­dos na ci­da­de aca­bam em di­fi­cul­da­de, por­que não tem mo­vi­men­to. Ti­nha ou­tros dois par­ques sen­do cons­truí­dos, mas pa­ra­ram por con­ta des­sa si­tu­a­ção. Es­ta­mos com um pro­ble­ma e não es­ta­mos ven­do a di­men­são de­le”, pon­de­rou o de­pu­ta­do Gi­ka, que é do­no de um dos par­ques de va­que­ja­da na ci­da­de – o Al­to Se­re­no.

Ain­da de acor­do com ele, ho­je, as prin­ci­pais va­que­ja­das bai­a­nas mo­vi­men­tam di­re­ta­men­te cer­ca de R$ 15 mi­lhões por ano – con­si­de­ran­do to­das, a ABV es­ti­ma R$ 200 mi­lhões anu­al­men­te. “E tem mui­tas pes­so­as en­vol­vi­das na va­que­ja­da, que é nos­sa cul­tu­ra nor­des­ti­na. Vem se­la­ria, ar­reio, fá­bri­ca de ra­ção, mú­si­cos, lo­cu­to­res, juí­zes de pro­va, as pes­so­as que mon­tam su­as bar­ra­cas... É uma ca­deia mui­to gran­de. Se is­so acon­te­cer (a proi­bi­ção), só Deus pa­ra ter pe­na da gen­te. Es­pe­ro que o po­vo se sen­si­bi­li­ze e ve­ja que es­ta­mos com uma va­que­ja­da mo­der­na”, con­cluiu. “Va­que­ja­da mo­der­na” é uma ex­pres­são co­mum en­tre os de­fen­so­res da prá­ti­ca na Bahia. Se­gun­do eles, é pa­ra mar­car a di­fe­ren­ça en­tre a ati­vi­da­de pra­ti­ca­da an­ti­ga­men­te e a que ocor­re ho­je, quan­do há uma lis­ta de pro­ce­di­men­tos pa­ra ga­ran­tir que os ani­mais se­jam bem cui­da­dos, de acor­do com o ve­te­ri­ná­rio da ABV Mau­rí­cio Su­as­su­na. Pa­ra co­me­çar, os bois só po­dem ir da fa­zen­da on­de vi­vem até as pis­tas de tor­neio se ti­ve­rem uma guia de trân­si­to de ani­mal – que ates­ta a sa­ni­da­de dos bi­chos. De­pois, são aco­mo­da­dos em cur­ral com co­mi­da, água e som­bra. “Quan­do a tem­pe­ra­tu­ra es­tá al­ta, são ba­nha­dos”, ci­ta. Ain­da se­gun­do Su­as­su­na, não exis­te na­da do ti­po “cho­que elé­tri­co” pa­ra in­di­car por on­de os ani­mais de­vem se­guir e ne­nhum boi ou ca­va­lo fe­ri­do po­de par­ti­ci­par dos even­tos.

No úl­ti­mo dia 25, o Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria “de­li­be­rou pe­la po­si­ção con­trá­ria à prá­ti­ca em fun­ção de sua in­trín­se­ca re­la­ção com maus-tra­tos aos ani­mais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.