REDESCUBRA A CI­DA­DE

Correio da Bahia - - Vida -

jun­tar as du­as por­que é in­te­res­san­te ver es­se pa­trimô­nio. É um tes­te­mu­nho da de­ca­dên­cia, mas tam­bém ado­ro. Acho mui­to ar­tís­ti­co e ten­to fa­zer o mais bo­ni­to que pos­so”, con­ta o fo­tó­gra­fo Je­an-Fran­çois.

Pa­ra o cu­ra­dor da mos­tra, o fran­cês Marc Pot­ti­er, 59, Hiperfoto-Sal­va­dor es­tá lon­ge de que­rer tra­du­zir uma ver­da­de. “O po­der des­sa ex­po­si­ção é não ter ne­nhu­ma pre­ten­são de di­zer ‘is­so é a sua ci­da­de’ e, sim, di­zer ‘is­so é a ener­gia que re­ce­bi da sua ci­da­de e que­ro mos­trar pa­ra vo­cês’”, des­ta­ca Pot­ti­er, que já tra­ba­lhou co­mo cu­ra­dor con­vi­da­do da 3ª Bi­e­nal da Bahia.

PA­TRIMÔ­NIO

Ins­pi­ra­do em mo­vi­men­tos ar­tís­ti­cos co­mo cu­bis­mo, sur­re­a­lis­mo e bar­ro­co, Je­anF­ran­çois ten­ta tra­du­zir em su­as fotos a sen­sa­ção tri­di­men­si­o­nal que experimenta em ca­da vi­si­ta à ci­da­de. O fo­tó­gra­fo acre­di­ta que uma só ima­gem não cor­res­pon­de ao re­al. Pa­ra en­ten­der me­lhor, va­le des­ta­car uma das obras da ex­po­si­ção: o pen­táp­ti­co de 7,5 me­tros da Igre­ja de São Fran­ci­so, com­pos­to por cin­co pai­néis que de­mo­ra­ram cer­ca de um mês pa­ra fi­ca­rem pron­tos.

Com sua len­te Ni­kon 105 ma­cro, Je­an-Fran­çois cli­cou vá­ri­os pe­da­ços da Igre­ja fei­ta de ou­ro, co­mo se fos­sem pe­que­nos qua­dra­di­nhos se­pa­ra­dos, que de­pois fo­ram mon­ta­dos no com­pu­ta­dor. Di­an­te do que­bra-ca­be­ça com­ple­to, a sen­sa­ção de quem ob­ser­va a obra de 2,41m x 1,5m é de es­tar den­tro da Igre­ja de São Fran­cis­co.

Mas lon­ge de que­rer tra­du­zir o re­al pu­ro e sim­ples, as fotos de Je­an-Fran­çois car­re­gam uma sub­je­ti­vi­da­de e sem­pre di­a­lo­gam re­fe­rên­ci­as. As­sim, o fo­tó­gra­fo in­se­riu ele­men­tos de ou­tras fotos no re­gis­tro da Igre­ja de São Fran­cis­co, co­mo os ori­xás fei­tos por Cary­bé no pai­nel de ma­dei­ra que faz par­te do acer­vo do Mu­seu Afro-Bra­si­lei­ro.

“Mi­nha motivação é tes­te­mu­nhar e é is­so que acho in­crí­vel na fotografia. Há 20 anos, per­ce­bi que te­mos um fa­bu­lo­so pa­trimô­nio em to­dos os lu­ga­res do mun­do, es­pe­ci­al­men­te o re­li­gi­o­so. É mui­to bom po­der mos­trar co­mo so­mos ri­cos de pa­trimô­nio re­li­gi­o­so”, acre­di­ta Je­an-Fran­çois que, ao per­cor­rer Sal­va­dor, foi “ime­di­a­ta­men­te cap­tu­ra­do por sua at­mos­fe­ra mís­ti­ca, su­as inú­me­ras igre­jas e seus ter­rei­ros”.

In­clu­si­ve, du­ran­te sua es­ta­da no Ho­tel Vil­la Bahia, um ca­sa­rão do sé­cu­lo XVII, Je­anF­ran­çois des­co­briu den­tro do ho­tel uma mik­vé, cons­tru­ção an­ti­ga do ba­nho ju­dai­co uti­li­za­do nos ri­tu­ais de purificação. “A ho­me­na­gem, o re­ca­do que ele es­tá dan­do nes­sa ex­po­si­ção é pa­ra­béns pa­ra as pes­so­as de Sal­va­dor por seu sin­cre­tis­mo. ‘Olha, se ho­je te­nho a ca­pa­ci­da­de de reu­nir uma ima­gem com tan­tos ele­men­tos, sig­ni­fi­ca que is­so exis­te’. Ele não es­tá in­ven­tan­do. Ele tem es­se con­ta­to es­pi­ri­tu­al de sen­tir os lu­ga­res, mes­mo sem co­nhe­cer, mas a re­a­li­da­de da ci­da­de es­tá aqui”, co­men­ta o cu­ra­dor.

Di­an­te do mun­do in­to­le­ran­te no qu­al vi­ve­mos, Je­an-Fran­çois des­ta­ca que às ve­zes é di­fí­cil se adap­tar à di­fí­cil re­a­li­da­de “e a ar­te é o me­lhor ca­mi­nho”. “É uma te­ra­pia, um ca­mi­nho de ser oti­mis­ta e de ver be­le­za em qual­quer lu­gar, de mu­dar o mun­do”, sor­ri o fo­tó­gra­fo.

Ex­po­si­ção Hiperfoto-Sal­va­dor

Ar­tis­ta Fo­tó­gra­fo fran­cês Je­an-Fran­çois Rau­zi­er

On­de Mu­seu de Ar­te Mo­der­na da Bahia (Av. Con­tor­no, s/n, So­lar do Unhão | 3117-6139) Quan­do Aber­tu­ra quin­ta, às 18h. Vi­si­ta­ção: de ter­ça a do­min­go, das 13h às 18h, até 29 de ja­nei­ro de 2017

En­tra­da Gra­tui­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.