‘Inhos’ que vão de­fi­nir o Z4

Correio da Bahia - - Esporte -

Por mais que ou­tros ti­mes ain­da es­te­jam ma­te­ma­ti­ca­men­te na lu­ta con­tra o re­bai­xa­men­to, a bri­ga es­tá ca­da vez mais po­la­ri­za­da en­tre In­ter­na­ci­o­nal e Vi­tó­ria. Um pon­to se­pa­ra os dois. É jus­ta­men­te o que de­ter­mi­na­ria o iné­di­to des­cen­so co­lo­ra­do e a per­ma­nên­cia ru­bro-ne­gra, se o Bra­si­lei­rão ter­mi­nas­se ho­je.

O Vi­tó­ria tem es­sa van­ta­gem por­que foi mui­to com­pe­ten­te nos con­fron­tos di­re­tos. Ga­nhou as du­as par­ti­das que fez con­tra o In­ter. Ti­ves­se per­di­do um des­ses jo­gos, por exem­plo, o Leão es­ta­ria cin­co pon­tos atrás dos gaú­chos e pre­ci­san­do de qua­tro pa­ra sair da zo­na. Ti­ves­se per­di­do os dois, se­ri­am 11 pon­tos de des­van­ta­gem pa­ra o In­ter e o re­bai­xa­men­to es­ta­ria pra­ti­ca­men­te sa­cra­men­ta­do – o Vi­tó­ria se­ria o 17º, pre­ci­san­do de se­te pon­tos pa­ra sair do Z4.

Mas a guer­ra con­tra o In­ter es­tá lon­ge de ser ven­ci­da, ape­sar dos ti­mes não se en­fren­ta­rem mais. Dos qua­tro jo­gos res­tan­tes, o ca­mi­nho do Vi­tó­ria é, em te­se, mais in­di­ges­to. O Leão ain­da pe­ga o lí­der e o vi­ce-lí­der do Bra­si­lei­rão – Santos e Pal­mei­ras. Os ou­tros dois ad­ver­sá­ri­os es­tão na par­te de bai­xo da ta­be­la – Fi­guei­ren­se e Co­ri­ti­ba. O In­ter não jo­ga com ne­nhum ti­me que ho­je faz par­te do G6. Mas tam­bém não te­rá vi­da fá­cil – en­fren­ta ain­da Pon­te Pre­ta, Co­rinthi­ans, Cru­zei­ro e Flu­mi­nen­se.

O de­sem­pe­nho de dois jo­ga­do­res vai ser cru­ci­al pa­ra de­fi­nir quem en­tre In­ter e Vi­tó­ria vai per­ma­ne­cer na eli­te – Ma­ri­nho e Vi­ti­nho. Co­mo são equi­pes pou­co or­ga­ni­za­das, Leão e Co­lo­ra­do de­pen­dem mui­to da per­for­man­ce in­di­vi­du­al de su­as mai­o­res re­fe­rên­ci­as na atu­al tem­po­ra­da pa­ra ven­cer. Os dois têm nú­me­ros mui­to pa­re­ci­dos. Am­bos fi­ze­ram oi­to gols e de­ram qua­tro as­sis­tên­ci­as no cam­pe­o­na­to. Vi­ti­nho tem uma par­ti­da a mais que o ri­val –

24. A “Vi­ti­nho­de­pen­dên­cia” é mai­or. En­quan­to o Vi­tó­ria con­se­guiu fa­zer 31 gols sem a par­ti­ci­pa­ção di­re­ta do seu prin­ci­pal jo­ga­dor, o In­ter só fez 20 sem o pas­se ou a fi­na­li­za­ção de Vi­ti­nho.

Pa­ra re­ta fi­nal, o des­ta­que ru­bro-ne­gro che­ga me­lhor. De­pois de um pe­río­do afas­ta­do por le­são, em que o ti­me sim­ples­men­te não con­se­guiu fa­zer gols, Ma­ri­nho vol­tou com tu­do. Deu as­sis­tên­cia e fez um gol no em­pa­te fo­ra com o Flu­mi­nen­se. Deu pas­se e fez dois na vi­tó­ria so­bre o Atlé­ti­co-PR. En­quan­to is­so, Vi­ti­nho lu­ta pra sair do de­par­ta­men­to mé­di­co e vol­tar a aju­dar o In­ter. Não foi do­min­go, na der­ro­ta pa­ra o Pal­mei­ras no Al­li­anz Par­que. A re­cu­pe­ra­ção de Vi­ti­nho é cha­ve pa­ra In­ter e Vi­tó­ria. Se, quan­do e co­mo ele vai vol­tar?

Pa­ra o si­te Chan­ce de Gol, o ris­co de re­bai­xa­men­to do Vi­tó­ria é de 38,6%. O do In­ter, 46,8%. Is­so por­que os ma­te­má­ti­cos não le­vam em con­si­de­ra­ção as es­ca­la­ções dos ti­mes pa­ra fe­char su­as con­tas. Com Ma­ri­nho no ti­me e bem fi­si­ca­men­te, o ris­co do Leão cai. Sem Vi­ti­nho ou com ele lon­ge das con­di­ções ide­ais, quem tem tu­do pra cair é o In­ter.

Dos qua­tro jo­gos res­tan­tes, o ca­mi­nho do Vi­tó­ria é, em te­se, mais in­di­ges­to. O Leão

ain­da pe­ga o lí­der e o vi­ce-lí­der do Bra­si­lei­rão:

Santos e Pal­mei­ras

VER­GO­NHA

Se eu fos­se di­ri­gen­te de um dos gran­des da Bahia – Deus me li­vre - fi­ca­ria cons­tran­gi­do ao olhar pa­ra Cha­pe­co­en­se. Des­de que su­biu, há qua­tro anos, os ca­ta­ri­nen­ses têm fei­to cam­pa­nhas se­gu­ras na eli­te. Sem­pre afas­tan­do an­tes da re­ta fi­nal o ris­co de de­go­la. Ago­ra, o clu­be é se­mi­fi­na­lis­ta da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na e es­tá mui­to per­to de che­gar à fi­nal – em­pa­tou o jo­go de ida do ma­ta-ma­ta com o San Lo­ren­zo, na Ar­gen­ti­na. Se, com mui­to me­nos tra­di­ção, gra­na, es­tru­tu­ra e tor­ce­do­res, a Cha­pe­co­en­se é ca­paz de fa­zer o que tem fei­to, por que Bahia e Vi­tó­ria não são?

22 ANOS DE­POIS

Pro­vá­vel cam­peão bra­si­lei­ro des­te ano, o Pal­mei­ras não ga­nha o cam­pe­o­na­to des­de 1994. Na­que­le ano, ti­nha en­tre os ti­tu­la­res, gen­te co­mo Ro­ber­to Car­los, Evair, Ed­mun­do e Ri­val­do. Es­te ano, os des­ta­ques são Tchê Tchê, Moi­sés, Ro­ger Gu­e­des, Zé Ro­ber­to e Ga­bri­el Je­sus. A com­pa­ra­ção evi­den­cia a que­da do ní­vel téc­ni­co do nos­so fu­te­bol nes­sas úl­ti­mas du­as dé­ca­das? Tal­vez não. Mas dá uma boa dis­cus­são.

da­ri­no.se­na@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.