Ca­pi­tal hu­ma­no é o di­fe­ren­ci­al nos tem­pos de cri­se

Correio da Bahia - - Mais - THAIS BORGES

Se te­ve um país eu­ro­peu que con­se­guiu atra­ves­sar a cri­se fi­nan­cei­ra glo­bal sem so­frer tan­to quan­to os vi­zi­nhos foi a Ale­ma­nha. Mas o que nem to­do mun­do sa­be é que um dos gran­des trun­fos dos ale­mães foi jus­ta­men­te o es­qua­drão de Pe­que­nas e Mé­di­as Em­pre­sas (PMEs), que cor­res­pon­dem a 99% das com­pa­nhi­as do país. E, en­tre as PMEs, há ou­tra pos­sí­vel ra­zão pa­ra o bom de­sem­pe­nho di­an­te da cri­se: o ca­pi­tal hu­ma­no que exis­te nes­ses em­pre­en­di­men­tos.

Qu­em diz is­so é o di­re­tor do Es­cri­tó­rio Bra­si­lei­ro de Pro­je­tos do Ins­ti­tu­to Frau­nho­fer IPK, Mar­kus Will, pa­les­tran­te do Fó­rum Agen­da Bahia. Re­fe­rên­cia no mun­do no cam­po da pes­qui­sa apli­ca­da e da ino­va­ção, o Ins­ti­tu­to Frau­nho­fer tem 67 uni­da­des so­men­te na Ale­ma­nha, além de es­tar pre­sen­te em paí­ses co­mo o Bra­sil. Por aqui, eles têm uma par­ce­ria com a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia .

A mai­or par­te dos tra­ba­lha­do­res ale­mães es­tá em­pre­ga­da nas PMEs de lá - o per­cen­tu­al che­ga a 60% do to­tal. São es­sas as em­pre­sas que, na ava­li­a­ção de­le, mais vêm cres­cen­do de for­ma cons­tan­te - o que Will cha­mou de “cres­ci­men­to or­gâ­ni­co”.

“As em­pre­sas pre­ci­sam de es­tru­tu­ras fí­si­cas, mas tam­bém pre­ci­sam dos re­cur­sos in­tan­gí­veis, co­mo o ca­pi­tal hu­ma­no, que é a equi­pe e as ha­bi­li­da­des. Mas is­so não sig­ni­fi­ca só o co­nhe­ci­men­to téc­ni­co dos fun­ci­o­ná­ri­os, co­mo tam­bém a ati­tu­de e a mo­ti­va­ção das pes­so­as na em­pre­sa pa­ra pro­du­zir”, afir­mou Will, du­ran­te sua con­fe­rên­cia no se­mi­ná­rio do Fó­rum Agen­da Bahia de on­tem, no au­di­tó­rio da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do da Bahia (Fi­eb).

Ou­tro pon­to foi o que ele cha­mou de “ca­pi­tal de re­la­ções” - que in­di­ca não ape­nas os re­la­ci­o­na­men­tos que a em­pre­sa es­ta­be­le­ce com os di­fe­ren­tes ato­res, mas tam­bém a for­ça e a con­fi­a­bi­li­da­de de ca­da uma des­sas re­la­ções.

Uma pes­qui­sa com mil PMEs ale­mãs in­di­cou que o im­pac­to dos re­cur­sos in­tan­gí­veis é mui­to al­to pa­ra as em­pre­sas. As PMEs que par­ti­ci­pa­ram pe­di­ram que seus fun­ci­o­ná­ri­os res­pon­des­sem o que acre­di­ta­vam que in­flu­en­ci­a­va o su­ces­so dos ne­gó­ci­os e qual era o im­pac­to da mo­ti­va­ção e de as­pec­tos de es­tru­tu­ra fí­si­ca no ne­gó­cio.

Por is­so, as PMEs da Ale­ma­nha con­se­gui­ram al­can­çar um es­tá­gio in­ve­já­vel: atu­al­men­te, 1,3 mil das com­pa­nhi­as des­ses dois por­tes são lí­de­res, no mar­ca­do, em seus res­pec­ti­vos ra­mos de atu­a­ção. “Não po­de­mos es­que­cer, a par­tir des­sas PMEs, que sem­pre ha­ve­rá es­pa­ço pa­ra pro­du­tos re­ais, mes­mo quan­do tu­do ca­mi­nha pa­ra o vir­tu­al”, afir­mou Will.

No ca­so das em­pre­sas de mé­dio por­te, co­mo o mer­ca­do in­ter­no não ti­nha tan­ta de­man­da de­vi­do à cri­se, a saí­da foi in­ves­tir na ex­por­ta­ção. “Eles co­me­ça­ram a re­fle­tir e con­cluí­ram: ‘va­mos ser mais agres­si­vos e ex­pan­dir nos­so ne­gó­cio’”. Além dis­so, mes­mo du­ran­te a cri­se, a mai­or par­te des­sas em­pre­sas - 54% - não dei­xou de in­ves­tir em ino­va­ção. Es­se ín­di­ce é mai­or do que a mé­dia do res­to dos paí­ses da União Eu­ro­peia. “E foi uma de­ci­são de­les, a par­tir de uma vi­são de lon­go pra­zo”.

Mar­kus Will acre­di­ta que é pre­ci­so ino­var em tem­pos de cri­se

Fu­kaya­ma, Zé Pi­men­ta, Adri­a­no, Ca­mi­la e Amon Pin­to fa­lam no pai­nel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.