Um des­man­che na pri­va­ta­ria

Correio da Bahia - - Mais -

O mi­nis­tro Gil­ber­to Kas­sab anun­ci­ou que o go­ver­no es­tu­da a edi­ção de uma me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra in­ter­vir na Oi. Ela é a mai­or ope­ra­do­ra de te­le­fo­nia fi­xa do país, com 70 mi­lhões de cli­en­tes em 25 es­ta­dos, de­ve R$ 65,4 bi­lhões e es­tá com um pé na fa­lên­cia. Em 1998, quan­do foi ar­re­ma­ta­da por uma “te­le­gan­gue” num me­mo­rá­vel lan­ce da pri­va­ta­ria tu­ca­na, cha­ma­va-se Te­le­mar. Veio o co­mis­sa­ri­a­do pe­tis­ta, a ope­ra­do­ra mu­dou de no­me, cha­mou-se Oi, vul­go Su­per­te­le, e foi uma das “cam­peãs na­ci­o­nais” do BNDES de Lu­la. Na lo­na, de­ve R$ 9,5 bi­lhões aos ban­cos da Viú­va.

Aos 18 anos, a Oi po­de­rá vol­tar pa­ra o co­lo da Boa Se­nho­ra, em­ba­la­da nu­ma me­di­da pro­vi­só­ria que se des­ti­na a ta­par os bu­ra­cos aber­tos na pri­va­ta­ria tu­ca­no-pe­tis­ta. O que se co­zi­nha no Pla­nal­to não é ape­nas a in­ter­ven­ção na Oi, mas um no­vo de­se­nho pa­ra as ne­go­ci­a­ções com os con­ces­si­o­ná­ri­os de ser­vi­ços pú­bli­cos. A fi­la é enor­me, com seis ae­ro­por­tos que não pa­ga­ram R$ 2,3 bi­lhões de alu­guéis con­tra­ta­dos, mais por­tos, ro­do­vi­as e fer­ro­vi­as que pre­ten­dem es­pi­char os pra­zos das con­ces­sões, en­co­lhen­do su­as obri­ga­ções con­tra­tu­ais.

Des­de maio, quan­do co­me­çou a cho­ra­dei­ra dos ae­ro­por­tos, os em­pre­sá­ri­os apre­sen­ta­ram ar­gu­men­tos es­ta­pa­fúr­di­os. Atri­buí­ram seus maus re­sul­ta­dos à cri­se econô­mi­ca, co­mo se re­tra­ções da de­man­da não fos­sem um ris­co do ne­gó­cio. Fa­ri­am me­lhor se olhas­sem pa­ra as re­la­ções in­ces­tu­o­sas que man­ti­nham com o go­ver­no pe­tis­ta quan­do ofe­re­ce­ram ági­os mi­li­o­ná­ri­os pe­las con­ces­sões. A Ode­bre­cht le­vou o Ga­leão; a OAS, Gu­a­ru­lhos; a UTC, Vi­ra­co­pos; a En­ge­vix, Brasília. E to­dos aca­ba­ram em Cu­ri­ti­ba. Mal co­me­çou, o go­ver­no de Te­mer deu um re­fres­co aos con­ces­si­o­ná­ri­os que não pa­ga­vam os alu­guéis. Dis­se que eles de­ve­ri­am pa­gar em de­zem­bro. Era lo­ro­ta.

Se­ja qual for o pro­ble­ma, se­ja qual for a con­ces­são, o re­mé­dio é sem­pre o mes­mo: vem aí uma me­di­da pro­vi­só­ria que se pro­põe mi­la­gro­sa, mas pro­du­zi­rá a pró­xi­ma ro­da­da de ruí­nas. O pro­gra­ma do ae­ro­por­to que não pa­ga o alu­guel da con­ces­são na­da tem a ver com o de uma ro­do­via que pre­ten­de re­dis­cu­tir seus in­ves­ti­men­tos ou com a fer­ro­via Trans­nor­des­ti­na com seus seis anos de atra­so.

As­sim co­mo a Oi nas­ceu er­ra­da quan­do a “Te­le­gan­gue” ar­re­ma­tou a con­ces­são, ou­tras pri­va­ti­za­ções fo­ram en­cren­ca­das por er­ros na ar­qui­te­tu­ra dos con­tra­tos, na con­ces­são de fi­nan­ci­a­men­tos e, so­bre­tu­do, pe­los con­tu­bér­ni­os de em­pre­sá­ri­os com os po­de­ro­sos. Nes­se hos­pi­tal, o pi­or re­mé­dio é o da me­di­da pro­vi­só­ria mi­la­gro­sa, en­fei­ta­da com ex­pres­sões sal­va­do­ras. Fa­la-se, por exem­plo, em “mo­der­ni­za­ção dos con­tra­tos”. A re­pór­ter Ale­xa Sa­lo­mão mos­trou o que há de mo­der­no na ini­ci­a­ti­va. Há di­as, o Ar­ti­go 26 da­va à Agên­cia Na­ci­o­nal de Avi­a­ção Ci­vil o po­der de “re­pac­tu­ar e re­a­li­nhar o cro­no­gra­ma de pa­ga­men­to da ou­tor­ga” (leia-se alu­guéis) dos ae­ro­por­tos. Se há al­guém in­te­res­sa­do em atrair in­ves­ti­do­res sé­ri­os, é as­sim que se con­se­gue es­pan­tá-los.

Te­mer e sua ca­ra­va­na mos­tram um cer­to fas­cí­nio pe­las me­di­das pro­vi­só­ri­as. Com a “mo­der­ni­za­ção” das pri­va­ti­za­ções, cer­ta­men­te mo­bi­li­za­rão o mai­or exér­ci­to de ja­bu­tis já vis­to em Brasília. Pas­sa­do al­gum tem­po, quan­do as coi­sas co­me­ça­rem a dar er­ra­do, vi­rá ou­tra me­di­da pro­vi­só­ria com ou­tro pro­je­to de anis­tia pa­ra ca­pi­lés de po­lí­ti­cos.

A pro­vá­vel in­ter­ven­ção na Oi ex­põe a cri­se da far­ra tu­ca­no-pe­tis­ta com o pa­trimô­nio da Viú­va.

Des­de maio, quan­do co­me­çou a cho­ra­dei­ra dos ae­ro­por­tos, os

em­pre­sá­ri­os apre­sen­ta­ram

ar­gu­men­tos es­ta­pa­fúr­di­os. Atri­buí­ram

seus maus re­sul­ta­dos à cri­se econô­mi­ca, co­mo se re­tra­ções da de­man­da não fos­sem um ris­co do

ne­gó­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.