Er­ros fa­zem par­te da jor­na­da de su­ces­so, diz Scar­pi­o­ni

Correio da Bahia - - Mais -

Quer ser um em­pre­en­de­dor de su­ces­so? Pois, se há al­gu­ma cer­te­za é que, no per­cur­so, vo­cê vai co­me­ter er­ros. E o ide­al é que er­re mes­mo – e lo­go de ca­ra. É is­so que diz a em­pre­en­de­do­ra bai­a­na Lor­ra­na Scar­pi­o­ni, 26 anos, que es­tá na lis­ta dos dez bra­si­lei­ros mais ino­va­do­res com me­nos de 35 anos, or­ga­ni­za­da pe­lo MIT (Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Mas­sa­chu­setts, na si­gla em in­glês).

Ela tem co­nhe­ci­men­to de cau­sa. Em 2012, a mo­ça cri­ou a Bli­i­ve, que é a mai­or re­de de in­ter­câm­bio de tem­po do mun­do – da qual é CEO ho­je. Com mais de 120 mil usuá­ri­os, a Bli­i­ve fun­ci­o­na as­sim: vo­cê po­de ofe­re­cer uma ex­pe­ri­ên­cia (uma au­la de io­ga por uma ho­ra, por exem­plo) e re­ce­be um “Ti­meMo­ney”, co­mo pa­ga­men­to. Com es­sa mo­e­da di­gi­tal, po­de tro­car por ex­pe­ri­ên­ci­as ofe­re­ci­das pe­los ou­tros mem­bros da co­mu­ni­da­de.

“A men­ta­li­da­de em­pre­en­de­do­ra é sa­ber que vai er­rar. A gen­te tem que er­rar e er­rar rá­pi­do, pa­ra ser in­te­li­gen­te. O qu­an­to an­tes vo­cê er­ra, an­tes apren­de que não é o ca­mi­nho. Mas is­so (o er­ro) é na­tu­ral, por­que vo­cê es­tá fa­zen­do al­go que nin­guém fez an­tes, que não exis­te”, afir­mou a jo­vem, du­ran­te sua pa­les­tra no úl­ti­mo se­mi­ná­rio do Fó­rum Agen­da Bahia, que acon­te­ceu no au­di­tó­rio da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do (Fi­eb), na ma­nhã de on­tem.

À pri­mei­ra vis­ta, Lor­ra­na po­de lem­brar uma des­sas his­tó­ri­as de su­ces­so que acon­te­cem com al­guém que pa­re­ce ter nas­ci­do de ca­ra pa­ra a lua e que, por is­so mes­mo, es­tá dis­tan­te da re­a­li­da­de da mai­o­ria.

Só que, na ver­da­de, Lor­ra­na – nas­ci­da em Sal­va­dor; mo­ra­do­ra de Es­pla­na­da, no Nor­des­te do es­ta­do, até os 4 anos, e cri­a­da em Cu­ri­ti­ba (PR) – po­de ser a ga­ro­ta da ca­sa ao la­do. A di­fe­ren­ça é que, ho­je, a mo­ça os­ten­ta tí­tu­los co­mo uma das cem mu­lhe­res mais ins­pi­ra­do­ras de 2015, em uma lis­ta da BBC, além de ter si­do no­me­a­da Glo­bal Agen­da Coun­cil em Cre­a­ti­ve Eco­nomy e Glo­bal Sha­per pe­lo Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al - que sig­ni­fi­ca, re­su­mi­da­men­te, que ela é uma jo­vem com po­ten­ci­al pa­ra pa­péis de li­de­ran­ça.

Além dis­so, não dá pa­ra dei­xar que o “fra­cas­so” pas­se a de­fi­nir quem vo­cê - ou a em­pre­sa - é. “Uma coi­sa que er­rei (na Bli­i­ve) foi nas mé­tri­cas. Vo­cê tem que ter mé­tri­cas pa­ra tu­do. Por­que, se es­tá fa­zen­do al­go di­fe­ren­te, e tem mé­tri­ca, con­se­gue ver o que es­tá acontecendo de di­fe­ren­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.