Ar­te usa­da co­mo ins­tru­men­to de trans­for­ma­ção

Correio da Bahia - - Mais - LUCY BRANDÃO BAR­RE­TO E ALEXANDRO MOTA

Ao lon­go do dia de on­tem, o Fó­rum Agen­da Bahia de­ba­teu “A di­fe­ren­ça que o ta­len­to faz”. Quan­do Mar­ga­reth Me­ne­zes di­vi­diu o pal­co, no fi­nal da pro­gra­ma­ção, com o quin­te­to de me­tais Bahia Brass (que in­te­gra o Ne­o­ji­ba), o te­ma do even­to fez to­do o sen­ti­do. Ela can­tou, de for­ma úni­ca, Mi­la­gres do Po­vo sob o olhar aten­to do ma­es­tro Ri­car­do Cas­tro, fun­da­dor dos Nú­cle­os Es­ta­du­ais de Or­ques­tras Ju­ve­nis e In­fan­tis da Bahia (Ne­o­ji­ba).

Mo­men­tos an­tes, os dois di­vi­di­ram com o pú­bli­co a for­ma co­mo apos­tam em ta­len­tos nas ins­ti­tui­ções que es­tão à fren­te.

Mar­ga­reth, que há 12 anos co­man­da a ONG Fá­bri­ca Cul­tu­ral, con­tou a ini­ci­a­ti­va do Mer­ca­do Iaô, que nos úl­ti­mos três ve­rões agi­ta a ce­na cul­tu­ral e em­pre­en­de­do­ra da re­gião ita­pa­gi­pa­na. “In­ves­tir no ser hu­ma­no é a mai­or sa­be­do­ria que uma na­ção po­de ter, es­pe­ci­al­men­te os jo­vens, que são ele­men­tos con­tun­den­tes de trans­for­ma­ção”, afir­mou. O ma­es­tro re­la­tou co­mo re­gres­sou ao Bra­sil, de­pois de uma des­ta­ca­da car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra apos­tar em jo­vens, 80% de­les ca­ren­tes.

Pe­la ma­nhã, ou­tra ex­pe­ri­ên­cia mos­trou co­mo a ar­te po­de ser trans­for­ma­do­ra. “A gen­te tem ta­len­to e po­de tan­to qu­an­to qual­quer ou­tro. É só lu­tar, ter fo­co e fé”, dis­se o can­tor lí­ri­co San­dro Ma­cha­do, que faz mes­tra­do na Ale­ma­nha e con­ver­sou com o pú­bli­co di­re­to de lá, via in­ter­net, pe­lo Sky­pe. Em um ba­te-papo com a co­men­ta­ris­ta Flá­via Oli­vei­ra (da Globo News e Jor­nal O Globo), o te­nor bai­a­no con­tou co­mo lar­gou tu­do aqui pa­ra es­tu­dar mú­si­ca na Eu­ro­pa.

“Fa­zia Ad­mi­nis­tra­ção e Fi­nan­ças e odi­a­va o cur­so”, dis­se. Fez ves­ti­bu­lar pa­ra Mú­si­ca na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Uf­ba) e não pas­sou. “Is­so ser­viu pa­ra me dar mais for­ça, fo­quei no meu ob­je­ti­vo e dis­se: ‘Vou mos­trar pa­ra to­do mun­do que eu pos­so ser o me­lhor’”.

Fez um no­vo ves­ti­bu­lar e cur­sou Mú­si­ca na Uf­ba. De­pois, fez se­le­ção pa­ra um co­ro na Ale­ma­nha e pas­sou. “Era o úni­co te­nor ne­gro en­tre eles. Vim com um so­nho de can­tar nes­se co­ro e de­pois vol­tar. Vol­tei pa­ra a Bahia pen­san­do em fa­zer um mes­tra­do na Ale­ma­nha”. De vol­ta à Eu­ro­pa, fez tes­tes e foi apro­va­do en­tre mais de 120 con­cor­ren­tes.

Mas ele con­fes­sa que não foi fá­cil. Te­ve que tra­ba­lhar bem mais do que a mai­o­ria dos es­tu­dan­tes eu­ro­peus, que já têm em sua for­ma­ção bá­si­ca mui­to do en­si­no vol­ta­do pa­ra a mú­si­ca e as ar­tes. “Che­guei à Ale­ma­nha em 2015 com 28 anos, qu­a­se ve­lho pa­ra a pro­fis­são”.

Atu­al­men­te, re­ce­be uma bol­sa que ga­ran­te o pa­ga­men­to do alu­guel e do se­gu­ro saú­de. Pa­ra cus­te­ar ou­tras des­pe­sas, tra­ba­lha em um bar. “Faria tu­do de no­vo. Que­ro ter um no­me co­mo can­tor de ópe­ra, vol­tar à Bahia e de­vol­ver al­go ao meu po­vo”.

Ri­car­do Cas­tro, Mar­ga­reth Me­ne­zes e a Ne­o­ji­ba: ar­te no pal­co

San­dro foi o úni­co te­nor ne­gro se­le­ci­o­na­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.