Mag­na­ta tem fa­ce­ta des­co­nhe­ci­da

Correio da Bahia - - Mais -

A vi­da pes­so­al de Do­nald Trump vai pa­ra além dos es­cân­da­los das su­as de­cla­ra­ções (sem­pre po­lê­mi­cas) so­bre as mu­lhe­res. O no­vo pre­si­den­te ame­ri­ca­no foi ca­sa­do por três ve­zes e tem cin­co fi­lhos. E foi com a fa­mí­lia que ce­le­brou on­tem a vi­tó­ria nas elei­ções que o tor­na­ram o 45º lí­der dos EUA, car­go que as­su­mi­rá a 20 de ja­nei­ro.

Du­ran­te a cam­pa­nha, sua atu­al es­po­sa Me­la­nia, te­ve um pa­pel dis­cre­to, prin­ci­pal­men­te de­pois de ter si­do acu­sa­da de pla­gi­ar oum dis­cur­so de Mi­chel­le Oba­ma. Mas sem­pre que é pre­ci­so de­fen­deu o ma­ri­do acu­sa­do de ma­chis­mo e as­sé­dio se­xu­al.

Trump ca­sou pe­la pri­mei­ra vez em 1977 com a mo­de­lo che­ca Iva­na Zel­níc­ko­vá. Des­se ca­sa­men­to, que aca­bou num di­vór­cio mi­li­o­ná­rio em 1992, nas­ce­ram três fi­lhos: Do­nald Trump Jr., Ivan­ka Trump e Eric Trump (6 de ja­nei­ro de 1984). Um ano de­pois do di­vór­cio de Iva­na, o mi­li­o­ná­rio vol­tou a ca­sar-se com uma mo­de­lo, Mar­la Ma­ples, mas a união só du­rou seis anos. Ti­ve­ram jun­tos uma fi­lha: Tif­fany. Trump e Me­la­nia, ou­tra mo­de­lo, se ca­sa­ram em ja­nei­ro de 2005 em um enor­me even­to so­ci­al na Fló­ri­da. Des­ta união nas­ceu Bar­ron, em mar­ço de 2006.

NÃO BEBE

Ape­sar das po­lê­mi­cas em que se en­vol­veu, Trump tem um la­do ain­da desconhecido do gran­de pú­bli­co e que, em par­te, é con­trá­rio à sua ima­gem agres­si­va. O fu­tu­ro pre­si­den­te dos EUA, por exem­plo, não bebe. Em en­tre­vis­ta à re­vis­ta ame­ri­ca­na Pe­o­ple (es­pe­ci­a­li­za­da na co­ber­tu­ra de fa­mo­sos), o re­pu­bli­ca­no con­tou que não con­so­me ál­co­ol des­de 1981, quan­do seu ir­mão, Fred, mor­reu aos 41 anos, ví­ti­ma de al­co­o­lis­mo.

Trump tam­bém é ob­ce­ca­do por lim­pe­za, ao pon­to de evi­tar o con­ta­to fí­si­co com ou­tras pes­so­as. O que po­de se tor­nar um es­tor­vo pa­ra al­guém que te­ve de aper­tar mi­lha­res de mãos du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral. Cal­cu­la-se que, em mé­dia, o pre­si­den­te dos EUA aper­te mais de 60 mil mãos por ano. “Aper­tar mãos é uma das mal­di­ções ame­ri­ca­nas… Por aca­so sou ob­ce­ca­do em ter as mãos lim­pas. Me sin­to mui­to me­lhor de­pois que la­vo as mãos, coi­sa que fa­ço com a mai­or frequên­cia pos­sí­vel”, es­cre­veu Trump, em um li­vro de 1997.

Na cam­pa­nha, Trump pro­me­teu re­ver os be­ne­fí­ci­os pa­gos pe­lo go­ver­no aos mi­li­ta­res e ve­te­ra­nos de guer­ras. Ele es­tu­dou no Co­lé­gio Mi­li­tar de No­va York - on­de foi ma­tri­cu­la­do aos 13 anos por ser con­si­de­ra­do um jo­vem rebelde. Em­bo­ra te­nha her­da­do a for­tu­na do pai, sem­pre se ven­deu co­mo um gê­nio dos ne­gó­ci­os. E lan­çou, em 1988, um jo­go de ta­bu­lei­ro no qual os com­pe­ti­do­res têm que cons­truir um im­pé­rio em­pre­sa­ri­al e le­var os ad­ver­sá­ri­os à fa­lên­cia.

Trump não de­mons­tra ne­nhum apre­ço pe­lo acor­do fir­ma­do en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e o Irã, que im­pe­di­ria o país de pro­du­zir ar­ma­men­tos nu­cle­a­res, o que po­de fa­zer com que ha­ja uma re­vi­são no acor­do fir­ma­do por Oba­ma. Trump tam­bém não se mos­trou con­trá­rio à aqui­si­ção de ar­se­nais nu­cle­a­res por Ja­pão e Co­reia do Sul, o que po­de ge­rar uma for­te ten­são com a Chi­na.

O pre­si­den­te elei­to cha­mou a Otan de “ob­so­le­ta” e pro­me­teu re­vi­sar tam­bém o fun­ci­o­na­men­to da or­ga­ni­za­ção. A po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal de Trump, que po­de ser ba­se­a­da em uma re­la­ção mais pró­xi­ma com a Rús­sia, de­ve afe­tar ques­tões co­mo a guer­ra ci­vil da Sí­ria e os im­pas­ses na Ucrâ­nia, por exem­plo.

Além de aban­do­nar as me­di­das de Oba­ma, Trump dis­se que can­ce­la­ria os acor­dos de Pa­ris de com­ba­te à mu­dan­ça cli­má­ti­ca. O fi­nan­ci­a­men­to ame­ri­ca­no aos pro­gra­mas de com­ba­te ao aque­ci­men­to glo­bal da ONU tam­bém de­ve ser sus­pen­so. Tu­do is­so por­que Trump é a fa­vor do in­cen­ti­vo aos com­bus­tí­veis fós­seis, com me­nos re­gu­la­ção pa­ra a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra.

A pro­pos­ta de Trump é cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co e de­por­tar 11 mi­lhões de imi­gran­tes ile­gais além de bar­rar to­tal­men­te a en­tra­da de imi­gran­tes mu­çul­ma­nos nos Es­ta­dos Uni­dos. O tom de Trump du­ran­te a cam­pa­nha é de “ve­to ex­tre­mo” à imi­gra­ção.

Du­ran­te a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al, Trump se de­cla­rou con­trá­rio ao acor­do de li­vre co­mér­cio en­tre os paí­ses do Pa­cí­fi­co, que se­ria fir­ma­do en­tre Es­ta­dos Uni­dos, Ja­pão e ou­tros dez paí­ses com cos­ta no oce­a­no Pa­cí­fi­co. O Nafta, acor­do en­tre Es­ta­dos Uni­dos, Mé­xi­co e Ca­na­dá tam­bém po­de vir a so­frer re­vi­sões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.