Be­le­za e dor

Correio da Bahia - - Mais - Ha­ga­me­non.bri­to@re­de­bahia.com.br Co­ta­ção

Fic­ção ba­se­a­da em uma his­tó­ria re­al ocor­ri­da na fa­mí­lia do pró­prio di­re­tor ca­ta­ri­nen­se Da­vid Schur­mann, Pe­que­no Se­gre­do es­treia ho­je e nar­ra a sa­ga sin­gu­lar da ga­ro­ta Kat, in­ter­pre­ta­da pe­la es­tre­an­te Ma­ri­a­na Gou­lart.

Co­nhe­ci­dos por su­as vi­a­gens ao re­dor do mun­do a bor­do de ve­lei­ros, He­loí­sa Schur­mann (Ju­lia Lem­mertz) e Vil­fre­do Schur­mann (Mar­cel­lo An­tony) ado­tam Kat e man­têm guar­da­do um se­gre­do so­bre a cri­an­ça. Es­sa his­tó­ria é con­ta­da no fil­me por meio de três li­nhas nar­ra­ti­vas di­fe­ren­tes e li­ga­das a per­so­na­gens fe­mi­ni­nos.

Con­cor­ren­te bra­si­lei­ro a uma va­ga no Os­car de me­lhor fil­me es­tran­gei­ro, a pro­du­ção de R$ 9 mi­lhões pro­ta­go­ni­zou a mais po­li­ti­za­da dis­pu­ta do ci­ne­ma na­ci­o­nal nes­te sé­cu­lo. Pa­ra par­te da crí­ti­ca, o fil­me es­co­lhi­do por uma co­mis­são es­pe­ci­al do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra de­ve­ria ter si­do Aqua­rius, do per­nam­bu­ca­no Kle­ber Men­don­ça Fi­lho, cu­ja equi­pe fez um pro­tes­to con­tra o go­ver­no Te­mer no Fes­ti­val de Can­nes, na Fran­ça.

Por con­ta dis­so, Pe­que­no Se­gre­do so­freu pre­con­cei­to an­tes de es­tre­ar - e pi­or, até por crí­ti­cos que não vi­ram o fil­me pa­ra jul­gá-lo. “Foi um ata­que po­lí­ti­co, co­mo se ti­vés­se­mos cul­pa pe­lo nos­so fil­me ser es­co­lhi­do. Um crí­ti­co che­gou a di­zer que era o pi­or fil­me bra­si­lei­ro dos úl­ti­mos tem­pos. Dis­se­ram que era o ‘fil­me do gol­pe’”, afir­ma Shur­mann, 42 anos, por te­le­fo­ne.

“É ter­rí­vel se hou­ve um boi­co­te po­lí­ti­co a Aqua­rius, fil­me que eu gos­to mui­to tam­bém, mas is­so não ti­ra o mé­ri­to do nos­so fil­me. É um di­rei­to de ca­da um gos­tar ou não de Pe­que­no Se­gre­do, mas é um fil­me fei­to com amor, ho­nes­to e que fa­la mui­to de pre­con­cei­to. Cha­má-lo de fil­me gol­pis­ta é al­go fo­ra de pro­pó­si­to, as­sim co­mo com­pa­rá-lo a Aqua­rius, pois são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes”, de­fen­de Ju­lia Lem­mertz, 53.

ALMA FEMININA

Com bo­as atu­a­ções, bem di­ri­gi­do e com uma mon­ta­gem (de Gus­ta­vo Gi­a­ni) com­pe­ten­te e fun­da­men­tal pa­ra a boa fluên­cia da his­tó­ria, Pe­que­no Se­gre­do é uma pro­du­ção com qua­li­da­de téc­ni­ca in­ter­na­ci­o­nal e ape­lo pa­ra en­can­tar o pú­bli­co - e os “ve­lhi­nhos” da Aca­de­mia de Hollywo­od.

“É um fil­me que fi­ca en­tre o ci­ne­ma in­de­pen­den­te e o dra­ma co­mer­ci­al, mas sem cair no pi­e­guis­mo. Lá fo­ra tem se fa­la­do is­so, as­sim co­mo o fa­to po­si­ti­vo de ser al­go que acon­te­ceu com mi­nha fa­mí­lia, com mi­nha ir­mã e meus pais, o que dá um to­que au­to­ral pa­ra um ci­ne­as­ta es­tre­an­te em fic­ção. Es­tou fe­liz com es­sa per­cep­ção que es­tão ten­do”, con­ta Shur­mann.

“Pe­que­no Se­gre­do tem um es­pí­ri­to fe­mi­ni­no. São três mu­lhe­res com­par­ti­lhan­do um se­gre­do e lu­tan­do por uma me­ni­na. Gos­tei do con­vi­te do Da­vid, co­nhe­ci a mãe de­le, a He­loí­sa, e li o li­vro que ela es­cre­veu so­bre a ex­pe­ri­ên­cia com Kat. O li­vro é ain­da mais for­te, já que o ci­ne­ma tem ou­tra lin­gua­gem pa­ra con­tar uma his­tó­ria”, diz Ju­lia.

MA­RIA FLOR

Com ro­tei­ro de Mar­cos Berns­tein (Cen­tral do Bra­sil) e Vic­tor Athe­ri­no (Fa­ro­es­te Ca­bo­clo), be­la fo­to­gra­fia do pe­ru­a­no In­ti Bri­o­nes (To Kill a Man) e di­re­ção de ar­te da me­xi­ca­na Bri­git­te Bro­ch (Os­car por Mou­lin Rou­ge), Pe­que­no Se­gre­do tem um dos seus pon­tos al­tos na nar­ra­ti­va que reú­ne os per­so­na­gens do ator ne­o­ze­lan­dês Er­roll Shand, da ir­lan­de­sa Fi­o­nul­la Fla­na­gan (Os Ou­tros) e de Ma­ria Flor, no me­lhor de­sem­pe­nho de sua car­rei­ra.

“É mui­to lin­do co­mo uma his­tó­ria de amor sur­gi­da de um en­con­tro tão im­pro­vá­vel deu ori­gem a cri­an­ça que, de re­pen­te, aca­ba em uma fa­mí­lia que vi­a­ja o mun­do. O fa­to des­ta his­tó­ria ser ver­da­dei­ra me fas­ci­na mui­to”, afir­ma a atriz ca­ri­o­ca Ma­ria Flor (Ali­ne, Som e Fú­ria).

“Da­vid Shur­mann me man­dou o ro­tei­ro e, quan­do eu li, fi­quei mui­to emo­ci­o­na­da. Quan­do des­co­bri que a his­tó­ria era ver­da­dei­ra e ba­se­a­da na sua pró­pria fa­mí­lia, pen­sei: ‘que pes­so­as ex­tra­or­di­ná­ri­as!’”, lem­bra Fi­o­nul­la.

O ne­o­ze­lan­dês Er­roll Shand e a bra­si­lei­ra Ma­ria Flor (em atu­a­ção ins­pi­ra­da) in­ter­pre­tam Ro­bert e Je­an­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.