Chi­kun­gunya se­rá o pi­or pro­ble­ma de saú­de no Ve­rão, diz mi­nis­té­rio

Correio da Bahia - - Bahia -

CA­SOS A chi­kun­gunya se­rá o mai­or pro­ble­ma en­fren­ta­do nes­te Ve­rão no país. O mi­nis­tro da Saú­de, Ri­car­do Bar­ros, afir­mou on­tem que es­sa ava­li­a­ção, fei­ta por téc­ni­cos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), é com­par­ti­lha­da por in­te­gran­tes do mi­nis­té­rio. “Acha­mos de fa­to que es­te ano o nú­me­ro de ca­sos de chi­kun­gunya se­rá mais in­ten­so”, dis­se. Ele não es­con­deu a pre­o­cu­pa­ção, so­bre­tu­do pe­lo fa­to de a do­en­ça ser in­ca­pa­ci­tan­te tem­po­ra­ri­a­men­te. “O im­pac­to econô­mi­co é mui­to for­te.” Na Bahia, até 18 de ou­tu­bro, fo­ram 49.200 ca­sos sus­pei­tos de chi­kun­gunya. A in­ci­dên­cia é de 323,6 ca­sos pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes. Em 2015, fo­ram no­ti­fi­ca­dos 24.304 ca­sos sus­pei­tos da do­en­ça, trans­mi­ti­da pe­lo Ae­des aegyp­ti, tam­bém res­pon­sá­vel pe­los ca­sos de zi­ka e den­gue. O nú­me­ro des­te ano, até ou­tu­bro, é mais que o do­bro do re­gis­tra­do em to­do o ano pas­sa­do. Em 2014, Fei­ra de San­ta­na re­gis­trou os pri­mei­ros ca­sos da do­en­ça no es­ta­do. O go­ver­no fe­de­ral pre­pa­ra pa­ra lan­çar no fim des­te mês uma cam­pa­nha de pre­ven­ção con­tra do­en­ças re­la­ci­o­na­das ao mos­qui­to. Em vez da ên­fa­se so­bre a for­ma de se evi­tar cri­a­dou­ros, a cam­pa­nha quer mos­trar o im­pac­to que a pi­ca­da po­de tra­zer pa­ra to­da a fa­mí­lia. Um aler­ta tam­bém se­rá fei­to a se­cre­ta­ri­as es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais de Saú­de pa­ra que elas fa­çam os ajus­tes ne­ces­sá­ri­os pa­ra aten­der pa­ci­en­tes com chi­kun­gunya. Is­so por­que a do­en­ça, em mui­tos ca­sos, po­de se tor­nar crô­ni­ca, exi­gin­do um aten­di­men­to a lon­go pra­zo, com fi­si­o­te­ra­pia e aten­ção es­pe­ci­a­li­za­da, so­bre­tu­do pa­ra o alí­vio da dor. Do to­tal de ca­sos de chi­kun­gunya em 2016 na Bahia, fo­ram re­gis­tra­das cin­co mor­tes, sen­do uma em Ita­be­ra­ba, du­as em Ilhéus, uma em San­ta Lu­zia e ou­tra sen­do in­ves­ti­ga­da em Se­nhor do Bon­fim. Na ca­pi­tal, no bair­ro do Ca­la­be­tão, o Cen­tro de Con­tro­le de Zo­o­no­ses (CCZ) faz um mu­ti­rão até ama­nhã em bus­ca de fo­cos do Ae­des. Na ca­sa da co­zi­nhei­ra An­dréa Bal­ta­zar, 32 anos, fo­ram en­con­tra­dos cin­co fo­cos do mos­qui­to em bal­des com água. Ela dis­se que ti­nha pla­ne­ja­do lim­par o quin­tal de ca­sa an­te­on­tem, mas aca­bou adi­an­do o pla­no e dei­xou al­guns bal­des ex­pos­tos. A ação pre­ten­de vis­to­ri­ar no bair­ro 3.500 áre­as, en­tre ca­sas, co­mér­ci­os e ter­re­nos bal­di­os. “Os bair­ros es­tão sen­do es­co­lhi­dos de acor­do com úl­ti­mo da­do do Le­van­ta­men­to de Ín­di­ce Rá­pi­do do Ae­des aegyp­ti (LIRAa), que in­di­ca que 34 bair­ros de Sal­va­dor apre­sen­ta­ram ín­di­ce aci­ma de 3,9%, o li­mi­te pa­ra a in­fes­ta­ção”, ex­pli­cou a sub­co­or­de­na­do­ra de Vi­gi­lân­cia em Saú­de da SMS, Isa­bel Gui­ma­rães. No Ca­la­be­tão, o ín­di­ce che­gou a 5,5%. O pró­xi­mo mu­ti­rão se­rá em Ca­ja­zei­ras, na se­ma­na que vem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.