Uma re­vi­ra­vol­ta no mun­do

Correio da Bahia - - Mais -

“Se Do­nald Trump não for des­tro­na­do pe­los ca­ci­ques re­pu­bli­ca­nos, se ga­nhar a in­di­ca­ção do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no e ti­ver co­mo ad­ver­sá­rio, en­tre os de­mo­cra­tas, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do Hil­lary Clin­ton, ele se­rá o pró­xi­mo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos e is­so re­pre­sen­ta­rá uma re­vi­ra­vol­ta no mun­do, tan­to sob o pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, co­mo econô­mi­co. Não creio em adi­vi­nha­ções, mui­to me­nos em pi­to­ni­sas, mas me ar­vo­ro a com­pre­en­der o com­por­ta­men­to do elei­tor ame­ri­ca­no. Em no­vem­bro, o lei­tor po­de me co­brar a pre­vi­são”.

A no­ta aci­ma foi pu­bli­ca­da nes­ta co­lu­na em mar­ço de 2016, com o mes­mo tí­tu­lo. Lon­ge de mim que­rer as­su­mir o pa­pel de vi­den­te, mas com um pou­co de aná­li­se da si­tu­a­ção econô­mi­ca e po­lí­ti­ca dos Es­ta­dos Uni­dos e de vi­vên­cia com seu po­vo era fá­cil pre­ver o de­sas­tre anun­ci­a­do. O que sur­pre­en­de é o Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no não ter fei­to es­sa pre­vi­são e sur­pre­en­de ain­da mais o Par­ti­do De­mo­cra­ta co­lo­car uma can­di­da­ta sem graça e sem “ap­pe­al”, que re­pre­sen­ta­va “mais do mes­mo” pa­ra con­cor­rer com um can­di­da­to de­ter­mi­na­do e vo­lun­ta­ri­o­so, que di­zia o que ame­ri­ca­no mé­dio que­ria ou­vir e se po­si­ci­o­na­va co­mo arau­to do no­vo. Mas ago­ra “a Inês é mor­ta” e, efe­ti­va­men­te, ha­ve­rá uma re­vi­ra­vol­ta no mun­do. Não tan­to sob o as­pec­to econô­mi­co, afi­nal, os re­pu­bli­ca­nos são tra­di­ci­o­nal­men­te pou­co pro­te­ci­o­nis­tas e vão con­ter as bra­va­tas de Trump. Vão, co­mo sem­pre, re­du­zir im­pos­tos e gas­tos so­ci­ais, o que é ruim pa­ra a po­pu­la­ção, mas di­na­mi­za a eco­no­mia. O gra­ve mes­mo se­rá a pos­tu­ra po­lí­ti­ca e os efei­tos im­pre­vi­sí­veis das idei­as de Trump, es­pe­ci­al­men­te nas ações pa­ra con­ter o aque­ci­men­to glo­bal, em re­la­ção aos con­fli­tos in­ter­na­ci­o­nais, prin­ci­pal­men­te no Ori­en­te Mé­dio e na Ásia, e na ques­tão da imi­gra­ção.

No âm­bi­to dos con­fli­tos in­ter­na­ci­o­nais é sa­bi­do que o terror ge­ra o terror, e Trump é o re­sul­ta­do des­sa má­xi­ma que sem­pre ter­mi­na com mais terror. Res­ta, en­tão, es­pe­rar que o sis­te­ma po­lí­ti­co e a má­qui­na pú­bli­ca ame­ri­ca­na, bem co­mo a en­tou­ra­ge que cer­ca e li­mi­ta os pre­si­den­tes, pos­sam con­ter os ar­rou­bos des­se hi­po­pó­ta­mo alu­ci­na­do que foi co­lo­ca­do nu­ma sa­la cheia de cris­tais.

O mais gra­ve da elei­ção de Do­nald Trump é a pos­tu­ra po­lí­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.