O cen­te­ná­rio do Re­ló­gio de São Pe­dro

Correio da Bahia - - Mais - Nel­son Ca­de­na

Os bai­a­nos sem­pre li­da­ram mal com a mar­ca­ção do tem­po, des­de as ba­da­la­das de­sen­con­tra­das dos cam­pa­ná­ri­os das igre­jas, e daí a má von­ta­de da opi­nião pú­bli­ca quan­do o go­ver­na­dor Antô­nio Mu­niz des­cer­rou a pla­ca co­me­mo­ra­ti­va, no en­tar­de­cer de 15/11/1916, inau­gu­ran­do o pri­mei­ro re­ló­gio pú­bli­co da ci­da­de. En­tre­gue sob os cui­da­dos do en­ge­nhei­ro Her­mil­do Gu­er­rei­ro e do me­câ­ni­co Du­car­do Ale­o­ne.

An­tes do re­ló­gio pú­bli­co, os bai­a­nos en­di­nhei­ra­dos sa­bi­am das ho­ras atra­vés de seus re­ló­gi­os de bol­so, pra­te­a­dos ou dou­ra­dos, en­quan­to o po­vo ti­nha co­mo re­fe­rên­cia o ti­ro das no­ve do For­te de São Mar­ce­lo. E se al­guém de­se­jas­se sa­ber as ho­ras com pre­ci­são po­dia ir pa­ra a por­ta da In­ten­dên­cia, on­de um gran­de re­ló­gio de pa­re­de mar­ca­va a ho­ra, que nem sem­pre era a mes­ma do ou­tro re­ló­gio exi­bi­do na vi­tri­ne pe­la Ca­sa Gal­lo de Fre­de­ri­co Barts­ch & Cia, na Rua Con­se­lhei­ro Dan­tas.

O re­ló­gio foi en­co­men­da­do por J.J Se­a­bra ao fa­bri­can­te fran­cês Henry-La­pau­te. A ideia ori­gi­nal era ins­ta­lá-lo na Pra­ça Mu­ni­ci­pal, jun­to com a es­tá­tua do Ba­rão do Rio Bran­co. Po­rém, uma pe­dra no ca­mi­nho mu­dou os pla­nos. Não era pro­pri­a­men­te uma pe­dra e sim uma cra­te­ra, um des­ní­vel da rua con­si­de­rá­vel, sur­gi­da após a de­mo­li­ção da Igre­ja de São Pe­dro pa­ra dei­xar a Ave­ni­da Se­te pas­sar. Os en­ge­nhei­ros da fir­ma La­fayet­te & Cia re­co­men­da­ram cons­truir no lo­cal uma pra­ci­nha, um jar­dim.

Se­a­bra de­ci­diu en­tão mon­tar no di­to jar­dim o re­ló­gio re­cém-ad­qui­ri­do e a es­tá­tua do Ba­rão, am­bos com es­cul­tu­ras en­co­men­da­das ao es­cul­tor ita­li­a­no Pas­qua­le de Chi­ri­co. O ar­tis­ta cri­ou uma co­lu­na de fer­ro mon­ta­da so­bre uma ba­se de gra­ni­to ro­sa, co­mo sus­ten­ta­ção do equi­pa­men­to; no al­to, qua­tro atlan­tes si­mu­lam se­gu­rar os mar­ca­do­res do con­jun­to, que se com­ple­ta com um be­lo lam­pião de fer­ro. A ideia era inau­gu­rar o re­ló­gio jun­to com a Ave­ni­da Se­te, mas o atra­so na fun­di­ção do mol­de em ges­so, na Eu­ro­pa, adi­ou em mais de um ano a inau­gu­ra­ção. No ca­so es­pe­cí­fi­co da es­tá­tua do Ba­rão, es­ta foi ins­ta­la­da ape­nas em 1919. A im­pren­sa da épo­ca em ne­nhum mo­men­to des­ta­cou a ori­gi­na­li­da­de do re­ló­gio e nem a obra de ar­te. Pre­fe­riu des­cons­truir a ini­ci­a­ti­va, cre­di­tan­do ao go­ver­no os de­sar­ran­jos ini­ci­ais, na di­fí­cil ta­re­fa de ajus­tar a ho­ra. Que, cá en­tre nós, an­dou de­sa­jus­ta­da na mai­or par­te do sé­cu­lo trans­cor­ri­do. A Tar­de, Diá­rio de No­tí­ci­as e Diá­rio da Bahia e mais tar­de A Ho­ra e O Im­par­ci­al res­sal­ta­ram o al­to cus­to, o su­pos­to des­per­dí­cio de di­nhei­ro, re­quen­tan­do os mes­mos ar­gu­men­tos con­trá­ri­os às obras da cons­tru­ção da Ave­ni­da Se­te e da am­pli­a­ção da Rua Chi­le.

Deu o azar do Re­ló­gio de São Pe­dro so­frer lo­go nas pri­mei­ras se­ma­nas de fun­ci­o­na­men­to das di­fe­ren­ças, pa­ra mais ou pa­ra me­nos, de 20 e 30 mi­nu­tos, em re­la­ção aos re­ló­gi­os de bol­so. Foi o su­fi­ci­en­te pa­ra a im­pren­sa car­re­gar as tin­tas e os ad­je­ti­vos: “tram­bo­lho dis­for­me”; “cú­mu­lo do cai­pi­ris­mo”; “mi­se­ro de­sar­ran­ja­do”; “sím­bo­lo re­al da ma­lu­qui­ce”; “me­lho­ra­men­to inú­til”. Vi­cen­te do Ama­ral che­gou a es­cre­ver no DN: “Des­de a noi­te em que foi inau­gu­ra­do não sa­be a quan­tas an­da...an­da às ton­tas”, su­ge­rin­do “man­dar vi­rá-lo de ca­be­ça pa­ra bai­xo. Tal­vez dê me­lhor re­sul­ta­do”. O Im­par­ci­al, em 1924, sen­ten­ci­ou “Ou se que­bra, ou fi­ca pa­ra­do” e A Tar­de, na co­ber­tu­ra do Ré­veil­lon de 1933: “Quan­do mor­reu o ano ve­lho, o Re­ló­gio de São Pe­dro qu­a­se dei­xa apo­dre­cer o de­fun­to”. Pe­la mes­ma épo­ca cha­mou-o de “ca­bu­lo­so” e “ma­lu­co da ave­ni­da”.

Em que pe­se a má von­ta­de da mí­dia com o mais be­lo re­ló­gio pú­bli­co do Bra­sil, na­que­le tem­po, mais be­lo que o da Gló­ria no RJ, so­bre­vi­veu um sé­cu­lo à ma­le­di­cên­cia, ao xi­xi, aos pi­cha­do­res e so­bre­tu­do ao des­ca­so de vá­ri­as ad­mi­nis­tra­ções que qu­a­se o dei­xa­ram pa­ra­do no tem­po. Pa­ra com­pen­sar, na sua som­bra, di­ga­mos, flo­res­ce­ram gran­des ami­za­des e gran­des na­mo­ros.

An­tes do re­ló­gio pú­bli­co,

os bai­a­nos en­di­nhei­ra­dos sa­bi­am

das ho­ras atra­vés de seus re­ló­gi­os de bol­so,

pra­te­a­dos ou dou­ra­dos

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.