O rom­bo e a pro­pi­na

Correio da Bahia - - Economia -

Nos co­fres pú­bli­cos do Rio es­tão fal­tan­do R$ 17 bi­lhões pa­ra que ha­ja equi­lí­brio. O es­que­ma de cor­rup­ção re­ve­la­do pe­la Ope­ra­ção Ca­li­cu­te fa­la em R$ 224 mi­lhões des­vi­a­dos. A or­dem de gran­de­za é di­fe­ren­te e po­de-se pen­sar que é exa­ge­ra­da a afir­ma­ção de que há re­la­ção en­tre o rom­bo e a pro­pi­na. O elo exis­te por­que o am­bi­en­te de cor­rup­ção le­va à má ges­tão e exau­re os re­cur­sos pú­bli­cos.

Os mi­lhões da cor­rup­ção pro­du­zem os bi­lhões dos de­se­qui­lí­bri­os fis­cais por­que to­da a ad­mi­nis­tra­ção pas­sa a gi­rar em tor­no da ló­gi­ca do cri­me. Pa­ra que o es­que­ma fun­ci­o­ne, é pre­ci­so re­ti­rar trans­pa­rên­cia, não pres­tar con­tas, tor­nar to­dos os nú­me­ros opa­cos. As de­ci­sões pas­sam a ser de­ter­mi­na­das pe­la cor­rup­ção.

Qual em­pre­en­di­men­to de­ve ser be­ne­fi­ci­a­do com re­du­ção de im­pos­tos? De­ve­ria ser o que mais em­pre­gos cria, mais ade­rên­cia tem às van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas do es­ta­do, mais re­tor­no tra­rá no fu­tu­ro. Mas aca­ba sen­do aque­le que acei­ta pa­gar pro­pi­na. O res­to não é le­va­do em con­si­de­ra­ção por­que o im­por­tan­te é se en­qua­drar na ló­gi­ca do su­bor­no que pas­sa a do­mi­nar a ges­tão. As em­pre­sas que fa­rão as obras não são es­co­lhi­das pe­la efi­ci­ên­cia ou pe­lo me­lhor cus­to/be­ne­fí­cio do pro­je­to, mas por­que são as que já com­bi­na­ram tu­do pre­vi­a­men­te e fa­zem par­te do car­tel. Em ca­da obra co­me­ça a ha­ver so­bre­pre­ço e is­so se es­pa­lha pe­los for­ne­ce­do­res dos for­ne­ce­do­res. O cus­to vai in­chan­do no rit­mo da ga­nân­cia de to­dos.

Os co­fres pú­bli­cos vão sen­do mi­na­dos por obras com cus­to mui­to mais al­to do que se­ria o nor­mal. E a pró­pria no­ção de pre­ço se per­de por­que o car­tel do­mi­na as obras do es­ta­do e as em­pre­sas ven­ce­do­ras das li­ci­ta­ções vão se al­ter­nan­do em uma es­ca­la que elas mes­mas fa­zem e tra­ba­lham com va­lo­res que elas es­co­lhem. De­pois que o es­que­ma es­tá mon­ta­do no es­ta­do, a con­ver­sa pas­sa a ser en­tre as em­pre­sas so­bre que pre­ços e que co­mis­sões são con­ve­ni­en­tes pa­ra aque­le gru­po de cúm­pli­ces.

No Rio, hou­ve uma far­ra de be­ne­fí­ci­os fis­cais a em­pre­sas por cri­té­ri­os que até ago­ra os go­ver­nan­tes não con­se­gui­ram ex­pli­car, mas se sa­be que elas tam­bém par­ti­ci­pa­vam des­se pro­pi­no­du­to, ou dan­do di­nhei­ro di­re­ta­men­te pa­ra o es­que­ma ou in­di­re­ta­men­te atra­vés do con­tra­to de serviços em em­pre­sas de par­ti­ci­pan­tes. A exis­tên­cia dos in­cen­ti­vos fis­cais é uma por­ta aber­ta pa­ra a cor­rup­ção por­que só al­gu­mas são be­ne­fi­ci­a­das en­quan­to o res­to das em­pre­sas ins­ta­la­das no es­ta­do con­ti­nua pa­gan­do os mes­mos im­pos­tos. Ain­da que não ha­ja co­bran­ça de pro­pi­na, o sis­te­ma ge­ra dis­tor­ções na eco­no­mia. Em um mo­men­to co­mo es­te, em que fal­tam re­cur­sos pú­bli­cos, co­mo é pos­sí­vel jus­ti­fi­car que o go­ver­no abra mão de re­co­lher im­pos­tos?

Qu­em acom­pa­nhou os re­la­tos fei­tos pe­los po­li­ci­ais e in­ves­ti­ga­do­res da Ope­ra­ção Ca­li­cu­te viu a re­pe­ti­ção dos mes­mos es­que­mas re­ve­la­dos em ou­tros ca­sos. As au­to­ri­da­des usam pes­so­as pró­xi­mas, e de con­fi­an­ça, co­mo ope­ra­do­res pa­ra co­brar as co­mis­sões, que po­dem se cha­mar pi­xu­le­co, con­tri­bui­ção, do­a­ções pa­ra cam­pa­nha, ou oxi­gê­nio. As em­pre­sas pa­gam um per­cen­tu­al pa­ra o gru­po e têm lu­cros exor­bi­tan­tes com a co­bran­ça de um pre­ço mui­to mai­or pe­las obras. O ro­tei­ro é tão co­nhe­ci­do que é até es­pan­to­so que ele se­ja sem­pre re­pe­ti­do. Há al­guns que são mais ex­plí­ci­tos. Se fi­car com­pro­va­do o que foi di­to, es­se é o ca­so do ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral, que co­bra­ria pro­pi­na com par­ce­las men­sais al­tas e cres­cen­tes.

Ca­bral cul­ti­vou a ima­gem de bom ad­mi­nis­tra­dor e du­ran­te al­gum tem­po hou­ve mui­ta es­pe­ran­ça. A Se­cre­ta­ria da Fa­zen­da es­te­ve sob o co­man­do de Jo­a­quim Levy. O Rio ti­nha um pro­je­to de com­ba­te ao cri­me com a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça con­tro­la­da por Jo­sé Ma­ri­a­no Bel­tra­me e con­se­guiu um sal­to no de­sem­pe­nho das es­co­las com a Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção nas mãos de Wil­son Ri­so­lia.

Não foi sem ra­zão que seu no­me pas­sou a ser co­ta­do até pa­ra pro­je­tos mais al­tos.

A con­ta tem que so­mar per­das tan­gí­veis e in­tan­gí­veis. O so­bre­pre­ço de ca­da obra, o cus­to das pro­pi­nas pa­gas aos go­ver­nan­tes e seus ope­ra­do­res, o des­cui­do com as con­tas pú­bli­cas, a per­da de bons pro­je­tos na área da edu­ca­ção e se­gu­ran­ça. O Rio es­tá ago­ra em si­tu­a­ção de ca­la­mi­da­de. Quan­to dis­so re­sul­ta da cor­rup­ção? Di­fí­cil o cál­cu­lo exa­to, mas a cor­rup­ção dei­xa por on­de pas­sa um ras­tro de des­trui­ção. Seu cus­to nun­ca é ape­nas o va­lor do que foi des­vi­a­do.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.