Bu­ro­cra­cia e ine­fi­ci­ên­cia em por­tos cus­ta­ram R$ 820 mi­lhões ao Bra­sil

Correio da Bahia - - Economia -

ES­TU­DO DA ONU Em ape­nas dois anos, a eco­no­mia bra­si­lei­ra per­deu pe­lo me­nos R$ 830 mi­lhões só com a bu­ro­cra­cia e os gar­ga­los lo­gís­ti­cos nos por­tos na­ci­o­nais. A es­ti­ma­ti­va foi pu­bli­ca­da pe­la ONU que, em seu in­for­me anu­al so­bre o trans­por­te ma­rí­ti­mo, aler­ta que a de­mo­ra pa­ra car­re­gar ou des­car­re­gar mer­ca­do­ri­as nos por­tos bra­si­lei­ros con­ti­nua sen­do uma das mai­o­res do mun­do. Em 2014, o cus­to por con­ta da fal­ta de efi­ci­ên­cia foi de US$ 188 mi­lhões. Em 2015, as ope­ra­ções te­ri­am si­do in­cre­men­ta­das. Mas, ain­da as­sim, as per­das fo­ram ava­li­a­das em US$ 73 mi­lhões. De acor­do com a ONU, os cus­tos da de­mo­ra são es­ti­ma­ti­vas que in­clu­em per­das pa­ra os do­nos dos na­vi­os e os cus­tos mais ele­va­dos pa­ra qu­em alu­gou o na­vio e é obri­ga­do a pa­gar por mais di­as.

O es­tu­do mos­tra ain­da que nas prin­ci­pais ro­tas co­mer­ci­ais nos ma­res do pla­ne­ta há mais es­pa­ço nos na­vi­os de car­gas que pro­du­tos pa­ra ser trans­por­ta­dos. A ex­pan­são de ex­por­ta­ções, que foi a tô­ni­ca do co­mér­cio por dé­ca­das, es­tá es­tag­na­da. E, pi­or: o dis­cur­so po­lí­ti­co que ga­nha for­ça é jus­ta­men­te o do pro­te­ci­o­nis­mo.

Da­dos da ONU, OMC e de en­ti­da­des es­pe­ci­a­li­za­das no co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal apon­tam que 2016 re­gis­tra a pi­or ex­pan­são das ex­por­ta­ções em um ano de cres­ci­men­to econô­mi­co em dé­ca­das. Já o ce­ná­rio fu­tu­ro, com um mun­do ten­tan­do des­co­brir qual se­rá a po­lí­ti­ca co­mer­ci­al de Do­nald Trump, é dos mais in­cer­tos.

Se­gun­do da­dos co­le­ta­dos pe­la ONU em Ge­ne­bra, o cres­ci­men­to no vo­lu­me de pro­du­tos trans­por­ta­dos pe­los oce­a­nos foi, no ano pas­sa­do, o mais bai­xo des­de 2009, o ano do co­lap­so da eco­no­mia mun­di­al. Des­ta vez, po­rém, não hou­ve uma re­tra­ção do PIB mun­di­al, mas, mes­mo as­sim, o co­mér­cio não so­freu a ex­pan­são tra­di­ci­o­nal. O au­men­to en­tre 2014 e 2015 foi de ape­nas 2,1%. Ain­da que o vo­lu­me to­tal te­nha ul­tra­pas­sa­do, pe­la pri­mei­ra vez, a mar­ca de 10 bi­lhões de to­ne­la­das, ana­lis­tas aler­tam que o “fu­tu­ro apon­ta pa­ra in­cer­te­zas”. A ONU tam­bém ad­mi­te que os si­nais in­di­cam um “freio” no pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção co­mer­ci­al, es­pe­ci­al­men­te di­an­te da re­ces­são em al­gu­mas eco­no­mi­as e da re­tó­ri­ca pro­te­ci­o­nis­ta ca­da vez mais pre­sen­te. “O cres­ci­men­to bai­xo do se­tor de trans­por­te ma­rí­ti­mo re­fle­te os pro­ble­mas no co­mér­cio glo­bal”, aler­tou o in­for­me da ONU, coin­ci­din­do com nú­me­ros di­vul­ga­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.