Quais os sin­to­mas?

Correio da Bahia - - Mais - Carmen.vas­con­ce­los@re­de­bahia.com.br

Ini­ci­al­men­te o cân­cer de prós­ta­ta é as­sin­to­má­ti­co, mas a par­tir do mo­men­to que a prós­ta­ta au­men­ta de ta­ma­nho de­vi­do à pre­sen­ça do mes­mo, sin­to­mas uri­ná­ri­os po­dem apa­re­cer co­mo di­fi­cul­da­de pa­ra ini­ci­ar ou fi­na­li­zar a mic­ção, go­te­ja­men­to após o tér­mi­no da mic­ção, re­du­ção do ca­li­bre e for­ça do ja­to uri­ná­rio, au­men­to da frequên­cia da mic­ção à noi­te. Mas de­ve­mos lem­brar que es­ses não são sin­to­mas ex­clu­si­vos do cân­cer de prós­ta­ta, do­en­ças be­nig­nas co­mo a hi­per­pla­sia pros­tá­ti­ca be­nig­na, que é o au­men­to do ta­ma­nho da prós­ta­ta sem a pre­sen­ça de tu­mor, po­de tam­bém cur­sar com o mes­mo sin­to­ma. De­vi­do a is­to, ao per­ce­ber es­tas al­te­ra­ções mic­ci­o­nais, os ho­mens de­vem pro­cu­rar seu uro­lo­gis­ta de con­fi­an­ça.Pe­lo fa­to do cân­cer de prós­ta­ta ser uma do­en­ça, às ve­zes, si­len­ci­o­sa, só con­se­gui­mos dar o di­ag­nós­ti­co quan­do a do­en­ça se en­con­tra em uma fa­se avan­ça­da com o apa­re­ci­men­to de do­res ós­se­as, prin­ci­pal­men­te no qua­dril e co­lu­na lom­bar. Nes­te ca­so, a do­en­ça não es­tá mais lo­ca­li­za­da no ór­gão e já se dis­se­mi­nou, co­mo for­ma de me­tás­ta­se pa­ra os os­sos. De ca­da cem bra­si­lei­ros, 20 de­sen­vol­ve­rão ao lon­go da vi­da al­gu­ma fi­bro­se no pê­nis. Em al­guns ca­sos, es­sas fi­bro­ses (que são co­mo pe­que­nos ca­los) pas­sa­rão de for­ma im­per­cep­tí­veis, em ou­tros, a quan­ti­da­de de ca­los pro­vo­ca­rá dor e im­pos­si­bi­li­ta­rá qual­quer re­la­ção se­xu­al em vir­tu­de da cur­va­tu­ra no mem­bro que eles cau­sa­rão.

De acor­do com o uro­lo­gis­ta Fran­cis­co Cos­ta Ne­to, da Clí­ni­ca do Ho­mem, que par­ti­ci­pou de uma pes­qui­sa na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia (EUA) so­bre es­sa cur­va­tu­ra no pê­nis, co­nhe­ci­da co­mo do­en­ça de Pey­ro­nie, o pro­ble­ma tem cres­ci­do no Bra­sil e na Bahia. “Se­não pe­lo au­men­to nos ca­sos, pe­la fa­ci­li­da­de de di­ag­nós­ti­co e pe­lo fa­to de que, des­de o iní­cio da Cam­pa­nha do No­vem­bro Azul, os ho­mens se sin­tam mais mo­ti­va­dos a pro­cu­rar ori­en­ta­ção mé­di­ca”, diz Cos­ta Ne­to.

“Não exis­te pre­dis­po­si­ções ge­né­ti­cas ou ou­tras cau­sas que apon­tem pa­ra o sur­gi­men­to da Do­en­ça de Pey­ro­nie. Sa­be­mos que ela é mais co­mum em ho­mens mais ve­lhos, mas no con­sul­tó­rio tam­bém te­nho aten­di­do a ca­sos de jo­vens me­no­res de 18, sem ex­pe­ri­ên­cia se­xu­al, com cur­va­tu­ra de até 90°, ex­pli­ca o mé­di­co. Cos­ta Ne­to es­cla­re­ce que a cur­va­tu­ra e as do­res sur­gem na me­di­da que o pê­nis vai so­fren­do mi­cro­trau­mas e vai per­den­do a elas­ti­ci­da­de. “A cur­va­tu­ra sur­ge nos lo­cais on­de hou­ve o trau­ma”, diz o mé­di­co uro­lo­gis­ta.

TRAUMAS

O tam­bém uro­lo­gis­ta Au­gus­to Mo­des­to, que atua em hos­pi­tais co­mo Aris­ti­des Mal­tez, São Ra­fa­el e Ci­can, dis­se que a Me­di­ci­na sa­be que, ao lon­go da vi­da, o ho­mem ter­mi­na so­fren­do mi­cro­trau­mas na re­gião, e que o pro­ces­so de ci­ca­tri­za­ção traz es­sa fi­bro­se, que com­pro­me­te a elas­ti­ci­da­de do pê­nis e cria um en­du­re­ci­men­to da re­gião afe­ta­da. “De­pen­den­do do ân­gu­lo que vá se for­man­do, o ho­mem fi­ca im­pos­si­bi­li­ta­do de efe­tu­ar uma pe­ne­tra­ção, além da re­la­ção cau­sar incô­mo­dos nas par­cei­ras”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

Fran­cis­co Cos­ta Ne­to res­sal­ta que a do­en­ça de Pey­ro­nie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.