Pro­ble­ma an­ti­go, mas pou­co co­nhe­ci­do

Correio da Bahia - - Mais -

ge­ral­men­te tem um ama­du­re­ci­men­to de cer­ca de 12 me­ses. “De­pois des­se pra­zo, se hou­ver dor e uma cur­va­tu­ra mui­to anun­ci­a­da, a in­di­ca­ção é pa­ra a re­a­li­za­ção de ci­rur­gia, ca­so não ha­ja incô­mo­dos e que a cur­va­tu­ra se­ja su­a­ve, man­te­mos a ob­ser­va­ção”, es­cla­re­ce o es­pe­ci­a­lis­ta.

Ele lem­bra que não há tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so pa­ra o pro­ble­ma. “Já se ex­pe­ri­men­tou cor­ti­coi­des e subs­tân­ci­as co­mo a Pen­to­xi­fi­li­na (usa­da pa­ra tra­tar pro­ble­mas de má cir­cu­la­ção san­guí­nea) e até mes­mo vi­ta­mi­na E, mas os re­sul­ta­dos não fo­ram ani­ma­do­res”, com­ple­ta.

TRA­TA­MEN­TO

Se­gun­do Au­gus­to Mo­des­to, as téc­ni­cas ci­rúr­gi­cas po­dem ser de dois ti­pos: a mais sim­ples, uti­li­za­da tam­bém nos ca­sos de pê­nis cur­vo con­gê­ni­to, é aque­la em que o mé­di­co ten­ta com­pen­sar o des­vio e cor­ri­gir o pê­nis, fa­zen­do do ou­tro la­do uma pre­ga no cor­po ca­ver­no­so. “O pro­ble­ma des­se pro­ce­di­men­to é que ha­ve­rá uma re­du­ção no ta­ma­nho do pê­nis. Des­sa for­ma, ela não é acon­se­lha­da pa­ra aque­les ho­mens com pê­nis mui­to pe­que­no ou que se in­co­mo­dem com es­sa ques­tão”, es­cla­re­ce. O ou­tro pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co con­sis­te nu­ma in­ci­são na pla­ca, re­ti­ran­do a fi­bro­si­da­de e subs­ti­tuin­do por um en­xer­to de ou­tro te­ci­do pa­ra cor­ri­gir o de­fei­to. “Há os pro­fis­si­o­nais que pre­fe­rem a veia sa­fe­na co­mo en­xer­to, mas tam­bém po­de ser uti­li­za­do o pe­ri­cár­dio bo­vi­no e a tú­ni­ca al­bu­gí­nea da re­gião do pe­rí­neo, en­tre o ânus e o es­cro­to”, es­cla­re­ce.

Fran­cis­co Cos­ta Ne­to res­sal­ta, no en­tan­to, que em 30% dos ca­sos ci­rúr­gi­cos, a fi­bro­si­da­de po­de vol­tar. “Fe­liz­men­te, nes­ses ca­sos, a cur­va­tu­ra é sem­pre mais bran­da”, com­ple­ta o mé­di­co. Pey­ro­nie, mi­nis­tro da Saúde do rei Luís XV da Fran­ça, era por­ta­dor da do­en­ça ba­ti­za­da com seu no­me. Ele te­ria si­do o pri­mei­ro a des­cre­ver o qua­dro no sé­cu­lo XVIII. No en­tan­to, em­bo­ra se­ja co­nhe­ci­da há mui­to tem­po, pou­co se sa­be ain­da so­bre os me­ca­nis­mo que cau­sam a cur­va­tu­ra acen­tu­a­da no pê­nis. Quan­do há al­gu­ma fi­bro­se na tú­ni­ca al­bu­gí­nea que re­ves­te o cor­po ca­ver­no­so, ela não con­se­gue a dis­ten­são que faz o pê­nis fi­car ere­to. Nu­ma com­pa­ra­ção é co­mo se um pe­da­ço de es­pa­ra­dra­po fos­se co­la­do nu­ma bo­la de as­so­prar va­zia. Se for cheia em se­gui­da, a bo­la não con­se­gue ser es­ti­ca­da nor­mal­men­te. O tra­ta­men­to pa­ra a Do­en­ça de Pey­ro­nie é fei­to pe­lo SUS e pe­los pla­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.