Dois de Ju­lho ga­nha pra­ça e mer­ca­dos re­qua­li­fi­ca­dos

Correio da Bahia - - Mais - Thais Bor­ges thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

A ad­mi­nis­tra­do­ra Cléa Vi­ei­ra, 50 anos, já mo­rou na Pi­tu­ba, na Bar­ra e no Ca­bu­la. Diz que não vol­ta­ria pa­ra ne­nhum de­les. Ou me­lhor: não tro­ca­ria o Dois de Ju­lho, pa­ra on­de se mu­dou em 1992, por ne­nhum lu­gar. Nes­ses mais de 20 anos, Cléa viu a pai­sa­gem do bair­ro se mo­di­fi­car, mas acha que a es­sên­cia con­ti­nua a mes­ma.

“Sem­pre gos­tei mui­to da­qui, mas, por um tem­po, o po­vo co­me­çou a aban­do­nar o lar­go, a pra­ça. E nós sem­pre ti­ve­mos ba­res e res­tau­ran­tes bons, mer­ca­do, te­a­tro... Fo­ra as pes­so­as, que tem mui­ta gen­te boa”. On­tem, ela viu a pai­sa­gem ser mo­di­fi­ca­da no­va­men­te, com a inauguração dos no­vos mer­ca­dos mu­ni­ci­pais Dois de Ju­lho e das Flo­res, além da Pra­ça Ino­cên­cio Gal­vão e das ru­as da For­ca e do Ca­be­ça, que fo­ram re­qua­li­fi­ca­das.

Pa­ra o pre­fei­to ACM Ne­to, a re­for­ma dos mer­ca­dos e o or­de­na­men­to do co­mér­cio in­for­mal na re­gião vão per­mi­tir que mo­ra­do­res, vi­si­tan­tes e am­bu­lan­tes con­vi­vam em har­mo­nia. “A área do Dois de Ju­lho é mui­to im­por­tan­te pa­ra Sal­va­dor e pa­ra a tra­di­ção da ci­da­de com o co­mér­cio de rua. A gen­te se de­pa­rou com mui­ta de­sor­ga­ni­za­ção e pro­cu­ra­mos cons­truir es­se equi­pa­men­to (o no­vo Mer­ca­do Dois de Ju­lho), or­de­nar mais de 70 fei­ran­tes e co­mer­ci­an­tes que tra­ba­lha­vam aqui de qual­quer jei­to. Ho­je, es­sa é mais uma re­vi­ta­li­za­ção do Cen­tro His­tó­ri­co”, afir­mou, ao vi­si­tar o lo­cal.

Ru­as do Ca­be­ça e da For­ca tam­bém são en­tre­gues após re­for­ma

Mer­ca­do Dois de Ju­lho, que ti­nha qua­tro bo­xes, foi re­for­ma­do e am­pli­a­do. Ago­ra são 10 bo­xes e fei­ri­nha ao la­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.