A éti­ca na ar­te

Correio da Bahia - - Vida -

A éti­ca nas ar­tes plás­ti­cas de­ter­mi­na sem­pre um re­sul­ta­do fi­nal que tem efei­to re­ve­la­dor. Ho­je, nu­ma épo­ca tão vul­gar, em que im­pe­ram im­pos­tu­ras e os­ten­ta­ções tão frá­geis, a su­per­fi­ci­a­li­da­de ocu­pa a aten­ção ge­ral, o mar­ke­ting do es­cân­da­lo. Per­de-se a fé. Tu­do pa­re­ce um faz de con­ta, uma re­bel­dia que não se sus­ten­ta, fal­ta o apro­fun­da­men­to na cul­tu­ra e no pró­prio fa­zer.

O que é uma apro­pri­a­ção, que ho­je é usa­da sem ce­rimô­ni­as? A de­fi­ni­ção de apro­pri­a­ção é o uso por em­prés­ti­mo de ele­men­tos de ou­tro ar­tis­ta, pa­ra a cri­a­ção de ou­tra obra de ar­te. Is­to é vá­li­do, mas nun­ca um plá­gio ba­nal, por não se ter ab­so­lu­ta­men­te na­da de on­de par­tir, nem do pró­prio tra­ba­lho au­to­ral. Al­guns ar­tis­tas têm “mar­ca re­gis­tra­da” e se apro­pri­am pro­po­si­tal­men­te de ele­men­tos de ou­tros cri­a­do­res. Aí va­le e po­de en­ri­que­cer a obra de qu­em se apro­pri­ou e ser um ins­ti­gan­te pro­ces­so.

O plá­gio é o des­pu­dor em al­to tim­bre. Bob Dy­lan, com­po­si­tor, can­tor, ator e es­cri­tor é tam­bém pin­tor de ra­zoá­veis pos­si­bi­li­da­des (fo­to), ho­je Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra con­ce­di­do pe­la Aca­de­mia Su­e­ca. Co­pi­ou li­te­ral­men­te em su­as pin­tu­ras fo­tos do Flic­kr e dis­se que “eram re­gis­tros de su­as vi­a­gens”. Men­tiu, um ta­len­to po­de­ro­so co­mo ele, mul­ti­mí­dia, não po­de­ria cair nes­te ve­xa­me. O fa­mo­so ar­tis­ta Ri­chard Prin­ce per­deu na Jus­ti­ça uma ação mo­vi­da con­tra ele por Pa­trick Ca­ri­ou de plá­gio. O gran­de fo­tó­gra­fo ale­mão Tho­mas Ruff pe­ga fo­tos por­no­grá­fi­cas nas re­des so­ci­ais e bus­ca trans­for­má-las em ar­te, des­fo­can­do-as. To­dos são gran­des cri­a­do­res, não ti­nham a me­nor ne­ces­si­da­de des­tes con­tras­sen­sos, tu­do em no­me da mo­da, do con­tem­po­râ­neo. Por es­tas ações fi­ca­ram ex­tem­po­râ­ne­os nestes ca­sos. No Bra­sil é mo­da co­pi­ar, ser­vem de es­tí­mu­los, as re­vis­tas im­por­ta­das, as bi­e­nais, os pro­gra­mas te­le­vi­si­vos, as vi­a­gens e ou­tras fon­tes de in­for­ma­ções. Não há fil­tro.

Éti­ca é a ciência da mo­ral. Mo­ral par­te da fi­lo­so­fia que tra­ta dos cos­tu­mes ou dos de­ve­res do ho­mem. A mo­ral é um bem hu­ma­no, pa­ra lan­çar pon­tes so­bre abis­mos. Mo­ral no sen­ti­do de com­pro­mis­so com a ver­da­de, e não no sen­ti­do con­tro­la­dor, hi­pó­cri­ta de uma so­ci­e­da­de que ca­mi­nha pa­ra a dis­so­lu­ção. A éti­ca é uma gra­má­ti­ca con­tra os ab­sur­dos da ga­nân­cia, da men­ti­ra, da vai­da­de, da ar­ro­gân­cia, da pre­po­tên­cia, dos jo­gos de po­der.

Não há me­lhor des­ti­no pa­ra o ho­mem do que ser­vir eter­na­men­te à es­pé­cie hu­ma­na. A mai­or cri­a­ção do ho­mem é o ho­mem éti­co, ca­paz de con­vi­ver con­si­go mes­mo e com os ou­tros. A éti­ca é mãe da na­tu­re­za, sem ela, tu­do é ca­os, mis­ti­fi­ca­ção e fa­lên­cia.

A éti­ca é um dos pi­la­res bá­si­cos da vi­da. Éti­ca é for­ma cla­ri­fi­ca­do­ra do sen­ti­men­to hu­ma­no.

A fal­ta de éti­ca vi­sa a des­trui­ção do que há de mais pu­ro no ser hu­ma­no que é a sua na­tu­ra­le­za.

A fal­ta de éti­ca rei­vin­di­ca uma ren­di­ção do ser hu­ma­no en­quan­to pos­si­bi­li­da­de.

A éti­ca é a ce­le­bra­ção da vi­da, que só po­de ser tra­ba­lha­da por nós, en­quan­to pen­sa­mos que vi­ver é um bem mai­or. Vi­ver é lu­tar con­tra a mor­te, e lu­tar con­tra a mor­te sig­ni­fi­ca in­te­grá-la, se­gun­do a se­gun­do ao mo­vi­men­to da vi­da.

Exis­te sem­pre um li­mi­te em que as coi­sas co­me­çam a se trans­for­mar em seus con­trá­ri­os. As­sim o su­ces­so e o po­der po­dem ado­e­cer, se trans­for­mar num sa­co sem fun­do, bo­ca vo­raz, in­sa­ciá­vel em sua fo­me cor­ro­si­va, e o ho­mem pa­ra al­can­çá-los e man­tê-los mui­tas ve­zes per­de sua iden­ti­da­de, e seu pa­ren­tes­co com o hu­ma­no.

O su­ces­so é éti­co, o triun­fo é éti­co e o cor­te­jo de­les é bom quan­do fei­to de tra­ba­lho, cor­re­ção de in­ten­sões, ce­le­bra­ção da vi­da. A vi­tó­ria da di­a­lé­ti­ca – co­pu­la­ção dos opos­tos – es­tá no bem fa­zer. Re­sis­tir é pre­ci­so. A pa­to­lo­gia é con­ser­va­do­ra, por vol­tar-se ao pas­sa­do em re­e­di­ções. A com­pul­são à re­pe­ti­ção nos tor­na ma­ri­o­ne­tes de um pas­sa­do, com pro­mes­sas de um fu­tu­ro ilu­só­rio. Re­sis­tir é pre­ci­so. Não po­de­mos ago­ra re­tro­ce­der ao si­lên­cio, à in­fân­cia, ao pó. Dei­xe­mos o pa­pel e vi­va­mos a iden­ti­da­de. Um no­vo ho­mem éti­co bus­ca um no­vo mun­do. A éti­ca é um bom sen­so cheio de luz, é cu­rar-se das ilu­sões.

crc.romero@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.