Tá qua­se lá, Baêa!

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Não foi ape­nas um jo­go. Foi um es­pe­tá­cu­lo tí­pi­co de fes­ti­val. Da­que­les que um ado­les­cen­te fa­la­rá até a ve­lhi­ce de co­mo foi mar­can­te es­tar na Fon­te No­va, no du­e­lo en­tre Bahia e Bra­gan­ti­no, com fes­ta, dra­ma, fé e ou­tro gol no fi­nal­zi­nho pa­ra for­ta­le­cer o co­ra­ção.

Com uma mar­can­te con­tri­bui­ção da ar­qui­ban­ca­da, o tri­co­lor ven­ceu por 3x2, on­tem. Fal­tou ape­nas a ce­re­ja no bo­lo. O aces­so não acon­te­ceu, pois o Náu­ti­co ven­ceu o Tu­pi, por 4x1, se man­ten­do na bri­ga.

O ri­tu­al do tor­ce­dor co­me­çou ce­do. Pe­las ru­as de Sal­va­dor, pa­re­cia que a ci­da­de res­pi­ra­va o du­e­lo. Na fren­te da Fon­te No­va, um mar azul, ver­me­lho e bran­co ba­lan­ça­va ao rit­mo de can­tos tri­co­lo­res. Den­tro do es­tá­dio, um amor in­con­di­ci­o­nal vi­bra­va por tu­do. Se­ja pe­la en­tra­da do mas­co­te, por um adeus de Fei­jão ou uma de­fe­sa do go­lei­ro Mu­ri­el ain­da no aque­ci­men­to.

Com tan­ta gen­te apoi­an­do, era obri­ga­ção do Bahia dar es­pe­tá­cu­lo. Lo­go aos 10 mi­nu­tos, o gol. Luiz Antô­nio me­teu uma bom­ba. A bo­la ba­teu no tra­ves­são e en­trou. Aos 18 mi­nu­tos foi a vez de Her­na­ne fa­zer o de­le, es­co­ran­do de ca­be­ça es­can­teio: 2x0.

O jo­go pa­re­cia fá­cil, mas o Esquadrão deu uma es­fri­a­da e o Bra­gan­ti­no aca­bou apro­vei­tan­do um pas­se de ca­be­ça pre­ci­so do ár­bi­tro De­varly Li­ra. A bo­la so­brou pa­ra Ra­fa­el Gram­po­la, que dri­blou Mu­ri­el e fez.

Já sa­ben­do do re­sul­ta­do do Náu­ti­co, Bahia vol­tou pa­ra o se­gun­do tem­po sa­ben­do que o aces­so an­te­ci­pa­do não se­ria mais pos­sí­vel. Não fa­zia mal. Fa­zer sua par­te era su­fi­ci­en­te pa­ra po­der as­se­gu­rar sua va­ga na Sé­rie A con­tra o Atlé­ti­co-GO na úl­ti­ma ro­da­da.

O se­gun­do tem­po foi ner­vo­so. Mes­mo ven­cen­do e jo­gan­do me­lhor, pa­re­cia que o Bahia man­ti­nha a cau­te­la de­ma­si­a­da. O Bra­gan­ti­no qua­se não as­sus­ta­va, mas o Bahia fa­zia sus­pen­se e não ma­ta­va um jo­go te­o­ri­ca­men­te fá­cil.

SUS­TO

Aos 24, o sus­to. Bo­be­a­da de Mu­ri­el, um mo­men­to em que nin­guém acre­di­ta­va, que nin­guém mal sa­bia qu­em ha­via fei­to o gol. Foi Ed­son Sit­ta es­tra­gan­do a fes­ta. Po­rém, a tor­ci­da, ao in­vés de se aba­ter, gri­tou. Em­pur­rou. Aos 32, Her­na­ne no­va­men­te es­tu­fou a re­de, mas o juiz mar­cou fal­ta.

E o que pa­re­cia de­sas­tre pas­sou a ser ape­nas um sus­to, uma brin­ca­dei­ra de mal gos­to do pe­ne­tra Bra­gan­ti­no. Aos 42, en­quan­to a tor­ci­da gri­ta­va “eu acre­di­to”, Renato Ca­já re­sol­veu ser o An­jo 50, o Rau­di­nei, o Her­na­ne. A bo­la so­brou pa­ra o meia, que me­teu uma bom­ba pa­ra den­tro. O gri­to de li­ber­da­de. Daí pra fren­te, só foi fes­ta. Não in­te­res­sa­va mais se Náu­ti­co ha­via ven­ci­do, se o aces­so ain­da não es­ta­va as­se­gu­ra­do ma­te­ma­ti­ca­men­te. No co­ra­ção tri­co­lor, a Sé­rie A já es­tá es­pe­ran­do de bra­ços aber­tos.

Sá­ba­do que vem, dia 26, o Bahia vai até Goi­â­nia, on­de en­fren­ta o Atlé­ti­co-GO, já cam­peão da Sé­rie B, às 16h30. Um em­pa­te é su­fi­ci­en­te pa­ra o tri­co­lor vol­tar à Sé­rie A sem de­pen­der de nin­guém mais. Se per­der, pre­ci­sa tor­cer pa­ra que ou Vas­co, que en­fren­ta o Ce­a­rá no Rio, ou Náu­ti­co, que jo­ga no Re­ci­fe con­tra o Oes­te, não ven­çam su­as par­ti­das, que co­me­çam no mes­mo ho­rá­rio.

Com mais um gol no fi­nal, Bahia ven­ce com fes­ta da tor­ci­da

Bahia Mu­ri­el, Edu­ar­do, Ti­a­go, Jack­son e Moi­sés; Re­nê Jú­ni­or, Luiz Antô­nio e Ré­gis (Renato Ca­já); Edi­gar Ju­nio (Má­rio), Her­na­ne e Vic­tor Ran­gel (Al­la­no) Téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra

Bra­gan­ti­no Re­nan Ro­cha, Ga­bri­el Di­as (Lin­com), Lucas Ro­cha, Sa­co­mam e Fa­bi­a­no; Éver­ton Di­as, Ed­son Sit­ta e Alan Mi­nei­ro; An­der­son Li­gei­ro, Ra­fa­el Gram­po­la e Vi­tor Hu­go (Wat­son) Téc­ni­co Es­te­vam So­a­res

Es­tá­dio Fon­te No­va Gols Luiz Antô­nio, aos 10, Her­na­ne, aos

17, e Gram­po­la, aos 30 do 1º tem­po; Ed­son Sit­ta, aos 24, e Renato Ca­já, aos 42 do 2ºt Ren­da R$ 1.061.006 Pú­bli­co

45.031 Ár­bi­tro De­varly Li­ra do Ro­sá­rio, au­xi­li­a­do por Le­o­nar­do Men­don­ça e Val­ber­son Za­not­ti (to­dos do Es­pí­ri­to San­to)

Após mar­car gol, Renato Ca­já

cor­re pa­ra co­me­mo­rar per­se­gui­do por Her­na­ne, en­quan­to a tor­ci­da vai à lou­cu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.