A um pon­to do pa­raí­so

Correio da Bahia - - Esporte - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Na ro­da­da der­ra­dei­ra da Sé­rie B, pró­xi­mo sá­ba­do, exis­tem 27 pos­sí­veis com­bi­na­ções de re­sul­ta­dos pa­ra de­fi­nir quem as­se­gu­ra as du­as va­gas res­tan­tes pa­ra a Sé­rie A de 2017. Em ape­nas uma o Bahia não es­ta­ria com a va­ga as­se­gu­ra­da. Com 93,4% de chan­ce, se­gun­do a UFMG, o Es­qua­drão só não su­bi­ria em ca­so de der­ro­ta pa­ra o Atlé­ti­co-GO, lá, além dos triun­fos de Vas­co, di­an­te do Ce­a­rá e do Náu­ti­co con­tra o Oes­te, am­bos em ca­sa.

Tal­vez por es­te pe­que­no de­ta­lhe, um úni­co pon­to de co­li­são, o téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra pre­ga a cau­te­la, ape­sar da eu­fo­ria co­le­ti­va so­bre o aces­so.

“Den­tro do nos­so am­bi­en­te de tra­ba­lho, fal­ta um pon­to. Não te­mos na­da ga­ran­ti­do. Não adi­an­ta con­fi­ar em uma si­tu­a­ção que não es­tá con­cre­ta. Na ho­ra que ti­ver na mão, vou acei­tar. O mais fá­cil e mais di­fí­cil é da bo­ca pra fo­ra. A re­a­li­da­de é o que con­ta. Não adi­an­ta se ilu­dir e acom­pa­nhar o dis­cur­so das pes­so­as. A re­a­li­da­de não tem si­do o que as pes­so­as fa­lam lá fo­ra”, as­se­gu­rou o téc­ni­co tri­co­lor.

Pa­ra o Bahia, res­ta ape­nas um pon­to pa­ra que o aces­so se­ja ga­ran­ti­do ma­te­ma­ti­ca­men­te, sem de­pen­der de mais na­da. Em ca­so de um em­pa­te de Vas­co ou Náu­ti­co, até uma der­ro­ta di­an­te do Atlé­ti­co-GO ga­ran­te o aces­so. Lo­gi­ca­men­te, não é is­to que Gu­to Fer­rei­ra quer.

“Es­ta­mos jo­gan­do o pos­sí­vel pa­ra ul­tra­pas­sar as bar­rei­ras e con­quis­tar os re­sul­ta­dos. O mais im­por­tan­te é al­can­çar o ob­je­ti­vo fi­nal. Quan­do es­ti­ver­mos 100% ga­ran­ti­dos, na ho­ra que pas­sar a ré­gua, es­ti­ver­mos en­tre os 4, es­ta­rei tran­qui­lo. Até lá, tu­do o que se fa­la ex­ter­na­men­te não tem im­por­tân­cia. O que se fa­la in­ter­na­men­te é que te­mos que bus­car es­se pon­to ou mais. Bus­car o re­sul­ta­do que nos fa­ça fi­car en­tre os qua­tro”, pre­ga.

Tri­co­lor tem a faca e o quei­jo na mão pa­ra as­se­gu­rar o aces­so à eli­te

CAR­NE E OS­SO

A cau­te­la se mis­tu­ra com a an­si­e­da­de. Mes­mo se mos­tran­do con­fi­an­te, mas sem cair no cli­ma de já ga­nhou, Gu­to con­fes­sa que di­vi­de o nervosismo de que tu­do aca­be lo­go da me­lhor for­ma pos­sí­vel.

“Sou de car­ne e os­so, te­nho os mes­mos pro­ble­mas. Sou an­si­o­so, olha o meu ta­ma­nho. Mas pro­cu­ro me man­ter o mais se­re­no quan­do pos­sí­vel até pa­ra não trans­mi­tir is­so pa­ra den­tro do cam­po. A ca­da gol, a gen­te co­me­mo­ra pa­ra des­car­re­gar, co­lo­car pa­ra fo­ra o que sen­ti­mos pa­ra re­e­qui­li­brar o que ab­sor­ve­mos. Pa­ra po­der fi­car um pou­co mais cal­mo e pen­sar as coi­sas cer­tas. Por is­so que não é de­ci­di­do de uma ca­be­ça só. São qua­tro, cin­co, o que fa­zer, pla­ne­ja­men­to do jo­go”, dis­se.

Gu­to quer con­cen­tra­ção pa­ra o Bahia con­quis­tar o aces­so em Goi­â­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.