Es­ta­do nú­me­ro um em se­gu­ros

Correio da Bahia - - Mais - Ma­ri­a­na.sa­les@re­de­bahia.com.br

Mais pre­o­cu­pa­dos com se­gu­ran­ça e a pos­si­bi­li­da­de de rou­bos e fur­tos, os bai­a­nos são os que mais gas­tam, em mé­dia, com se­gu­ros au­to­mo­ti­vos no Bra­sil. Is­so é o que mos­tra um le­van­ta­men­to da Mi­nu­to Se­gu­ros, que diz ain­da que o cus­to pa­ra as­se­gu­rar o car­ro é de R$ 753, mais de R$ 100 aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal. Pa­ra quem quer eco­no­mi­zar e fa­zer o va­lor da se­gu­ran­ça ca­ber no bol­so, é pre­ci­so pes­qui­sar op­ções e tra­çar pri­o­ri­da­des.

“Es­tes nú­me­ros mos­tram que aque­les que vi­vem na Bahia têm mais cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia do se­gu­ro. O que ob­ser­va­mos é que, no es­ta­do, as pes­so­as pro­cu­ram se pro­te­ger mais quan­to à vi­o­lên­cia ur­ba­na e con­se­guem en­xer­gar a ne­ces­si­da­de de pro­te­ger o veí­cu­lo de aci­den­tes que pos­sam ocor­rer”, afir­ma Mar­ce­lo Blay, pre­si­den­te da Mi­nu­to Se­gu­ros. De acor­do a Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca da Bahia, em 2015 ocor­re­ram 19.960 rou­bos e fur­tos de veí­cu­los na Bahia. Nes­te ano, até mar­ço, o nú­me­ro foi 4.942.

Com uma fro­ta de 1,65 mi­lhões de au­to­mó­veis (da­dos do De­na­tran), os bai­a­nos de- sem­bol­sa­ram ao to­do R$ 1,24 bi­lhão com prê­mi­os de se­gu­ro en­tre ju­lho de 2015 e ju­nho de 2016, se­gun­do a Su­pe­rin­ten­dên­cia de Se­gu­ros Pri­va­dos (Su­sep). Ain­da se­gun­do a Su­sep, 70% da fro­ta cir­cu­lan­te bra­si­lei­ra - não há nú­me­ros re­gi­o­nais - não é se­gu­ra­da.

Bahia li­de­ra ran­king de gas­tos com se­gu­ro de car­ro, diz pes­qui­sa

CUI­DA­DO

Apo­sen­ta­do, Ma­no­el Ale­luia com­prou seu pri­mei­ro au­to­mó­vel há du­as se­ma­nas e já saiu com ele as­se­gu­ra­do da con­ces­si­o­ná­ria. “Sem­pre pen­sei que, quan­do fi­nal­men­te com­pras­se um car­ro, fa­ria lo­go o se­gu­ro. Quan­do a ho­ra che­gou, pes­qui­sei bas­tan­te os pre­ços, mas achei to­dos bem pa­re­ci­dos. Co­mo co­lo­quei no no­me da mi­nha fi­lha, ele saiu por R$ 1.900, R$ 400 mais ca­ro do que se es­ti­ves­se no meu no­me”, con­ta o apo­sen­ta­do.

Ale­luia afir­ma que a pre­o­cu­pa­ção com a se­gu­ran­ça foi o prin­ci­pal fa­tor que o mo­ti­vou a con­tra­tar o ser­vi­ço. “In­de­pen­den­te­men­te de qual­quer coi­sa, cor­re­mos o ris­co de ser­mos as­sal­ta­dos. Me pre­o­cu­po bas­tan­te com a pos­si­bi­li­da­de de ser rou­ba­do. Com­prar um bem de qua­se R$ 40 mil e não co­lo­car no se­gu­ro é um ris­co mui­to gran­de”, des­ta­ca.

As­sim co­mo ele, a fi­si­o­te­ra­peu­ta Ca­tu­cha Les­sa afir­ma que as­se­gu­rar o car­ro é pri­o­ri­da­de. "Nem saio da con­ces­si­o­ná­ria se não ti­ver se­gu­ro. Já pas­sei pe­la ex­pe­ri­ên­cia de ser rou­ba­da. Nes­se mo­men­to vo­cê vê co­mo ele faz di­fe­ren­ça ", diz ela, que pa­ga cer­ca de R$ 700 men­sais pe­lo ser­vi­ço.

Por usar o car­ro pa­ra tra­ba­lhar, aten­den­do pa­ci­en­tes a do­mi­cí­lio, ela diz ser im­por­tan­te ter a cer­te­za de que não tem na­da de er­ra­do com o veí­cu­lo. “Se eu fi­car sem car­ro, is­so aba­la di­re­ta­men­te na mi­nha re­cei­ta men­sal”, afir­ma. Além dis­so, a fi­si­o­te­ra­peu­ta cons­tan­te­men­te faz uso de ser­vi­ços adi­ci­o­nais, co­mo o de me­câ­ni­co e o de as­sis­tên­cia 24 ho­ras.

ECO­NO­MIA

Pa­ra a edu­ca­do­ra fi­nan­cei­ra Mei­ra Car­de­al, con­tra­tar um se­gu­ro, por si só, já é uma for­ma de eco­no­mi­zar. “Mui­tas pes­so­as fa­zem o pla­ne­ja­men­to de com­prar o car­ro e não con­si­de­ra ad­qui­rir o se­gu­ro, o que é equi­vo­ca­do. O se­gu­ro já é uma eco­no­mia, ele não é um lu­xo, e sim uma ne­ces­si­da­de. Ad­qui­rir um bem ou pa­trimô­nio sem in­cluir a ga­ran­tia de­le é um gran­de ris­co, prin­ci­pal­men­te nas ci­da­des mais vi­o­len­tas”, ad­ver­te.

An­tes de es­co­lher uma se­gu­ra­do­ra, po­rém, é pre­ci­so pes­qui­sar e com­pa­rar as op­ções. “An­tes da aqui­si­ção ou re­no­va­ção, fa­ça uma pes­qui­sa. Exis­tem vá­ri­os cus­tos que po­dem ser mi­ni­mi­za­dos, a exem­plo da ta­xa de cor­re­ta­gem que po­de va­ri­ar bas­tan­te en­tre os cor­re­to­res”, diz.

Se­gun­do ela, um dos mai­o­res er­ros dos con­su­mi­do­res é dei­xar pa­ra to­mar a de­ci­são em ci­ma da ho­ra. “As­sim, ten­dem a dei­xar pa­ra fa­zer as es­co­lhas no mo­men­to da com­pra ou da re­no­va­ção. É im­por­tan­te ana­li­sar o que es­tá den­tro do pre­ço do prê­mio e pen­sar es­sas coi­sas den­tro das su­as ne­ces­si­da­des. Is­so de­man­da cer­to tem­po, não é fei­to de uma ho­ra pa­ra a ou­tra”, con­clui.

OP­ÇÕES

Só­cio-di­re­tor da Nos­sa Cor­re­to­ra, Má­rio Al­mei­da ex­pli­ca que a de­pen­der do que o cli­en­te pre­ci­se, ser­vi­ços po­dem ser cor­ta­dos ou adi­ci­o­na­dos. “A mai­o­ria dos se­gu­ros já in­clu­em co­ber­tu­ra em ca­sos de pa­ne, pneu fu­ra­do e re­bo­que. Mas tem tam­bém aque­les que ofe­re­cem adi­ci­o­nais, a exem­plo de cha­vei­ro, as­sis­tên­cia do­més­ti­ca e até ser­vi­ço de petshop".

Pa­ra se che­gar ao va­lor do se­gu­ro, di­ver­sos fa­to­res são le­va­dos em con­si­de­ra­ção. Den­tre eles o ob­je­ti­vo da uti­li­za­ção, ida­de e se­xo do con­du­tor (ve­ja si­mu­la­ções de va­lo­res de se­gu­ros pa­ra os 10 veí­cu­los mais pro­cu­ra­dos).

O car­ro de Ca­tu­cha Les­sa é um de seus ins­tru­men­tos de tra­ba­lho, daí a im­por­tân­cia do se­gu­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.