Co­nhe­ça fa­to­res que in­flu­en­ci­am no pre­ço

Correio da Bahia - - Mais -

Cor­re­tor Ti­re to­das as dú­vi­das com o seu cor­re­tor de se­gu­ros an­tes de fe­char o ne­gó­cio. Ele po­de te aju­dar a en­con­trar a me­lhor es­co­lha pa­ra o seu per­fil.

Se­gu­ran­ça Ins­ta­le um ras­tre­a­dor ou ou­tros dis­po­si­ti­vos de se­gu­ran­ça no seu car­ro. A de­pen­der da se­gu­ra­do­ra, is­so po­de sig­ni­fi­car uma re­du­ção de até 30% do se­gu­ro.

Pa­ga­men­to Se for viá­vel, pro­cu­re pa­gar o se­gu­ro à vis­ta. As­sim vo­cê po­de ne­go­ci­ar um des­con­to com a se­gu­ra­do­ra. Ca­so con­trá­rio, pri­o­ri­ze a op­ção de pa­ga­men­to em que o nú­me­ro de par­ce­las não te­nha ju­ros em­bu­ti­dos.

Con­du­tor In­cluir uma pes­soa adi­ci­o­nal no se­gu­ro po­de en­ca­re­cer o va­lor. En­tre­tan­to, se es­se for o ca­so, não omi­ta a in­for­ma­ção na ho­ra de pre­en­cher o per­fil.

Aten­ção O va­lor dos se­gu­ros so­frem re­a­jus­tes com frequên­cia. A me­lhor ofer­ta ho­je po­de não ser a mais ade­qua­da ama­nhã. Quan­do for re­no­var, pes­qui­se ou­tras em­pre­sas. São di­ver­sas as va­riá­veis que in­flu­en­ci­am no pre­ço do se­gu­ro do au­to­mó­vel. Co­or­de­na­do­ra de mar­ke­ting da Bi­du Cor­re­to­ra, Mar­cel­la Ewer­ton ex­pli­ca que o pre­ço to­tal tem co­mo ba­se os pos­sí­veis ris­cos cons­ta­ta­dos a par­tir de in­for­ma­ções for­ne­ci­das pe­lo cli­en­te na ho­ra em que pre­en­cher o for­mu­lá­rio.

“São inú­me­ros os fa­to­res que com­põe a pre­ci­fi­ca­ção do se­gu­ro, uns mais re­le­van­tes do que os ou­tros. Den­tre eles es­tão a ida­de e se­xo do con­du­tor, en­de­re­ço (se fi­ca em uma zo­na de ris­co), as­sim co­mo se a pes­soa tem ga­ra­gem em ca­sa”, ex­pli­ca.

Quan­to à ida­de, Mar­cel­la afir­ma que, se o con­du­tor ti­ver me­nos de 25 anos, o va­lor vai ser mai­or. “Quan­do a se­gu­ra­do­ra faz o ques­ti­o­ná­rio, pergunta a ida­de da pes­soa e se há de­pen­den­tes com me­nos de 25 anos. Eles en­ten­dem que quem é mais jo­vem es­tá mais ex­pos­to a ris­cos”.

Ou­tros que­si­tos im­por­tan­tes são a dis­tân­cia per­cor­ri­da di­a­ri­a­men­te e on­de o au­to­mó­vel pas­sa a noi­te. “As ne­ces­si­da­des de uma pes­soa que mo­ra a cin­co qua­dras do tra­ba­lho são di­fe­ren­tes das de quem tra­ba­lha mais lon­ge. Na ho­ra de res­pon­der às per­gun­tas, vo­cê de­ve co­lo­car a qui­lo­me­tra­gem que é ro­da­da por dia. Tam­bém é ob­ser­va­do se o cli­en­te tem ga­ra­gem fe­cha­da em ca­sa ou não”, afir­ma.

Ain­da so­bre o lu­gar on­de o veí­cu­lo vai fi­car, a ci­da­de e o bair­ro tam­bém são con­si­de­ra­dos, ba­se­a­dos nos seus ín­di­ces de vi­o­lên­cia. “Se vo­cê mo­ra em um lu­gar que tem mai­o­res ín­di­ces de rou­bos, é pro­vá­vel que o seu se­gu­ro se­ja mais ca­ro do que de quem es­tá num lu­gar mais se­gu­ro. Por is­so, ci­da­des me­nos vi­o­len­tas têm se­gu­ros mais ba­ra­tos”, apon­ta a co­or­de­na­do­ra.

Ape­sar dis­so, ela des­ta­ca que é a com­bi­na­ção des­tes cri­té­ri­os que im­pac­ta no va­lor to­tal. “Não é só um cri­té­rio, mas é a so­ma de­les. Al­guns pon­tos são mais re­le­van­tes, ou­tros me­nos”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.