Sa­lão Valdir Ca­be­lei­rei­ro reabre após uma se­ma­na

Correio da Bahia - - Bahia - MA­RIA LANDEIRO

VAS­CO DA GAMA De­pois de uma se­ma­na fe­cha­do, o sa­lão de be­le­za Valdir Ca­be­lei­rei­ro, na Ave­ni­da Vas­co da Gama, foi re­a­ber­to on­tem. Valdir Ma­cá­rio, 45 anos, foi mor­to com oi­to ti­ros den­tro do pró­prio sa­lão, no dia 12 des­te mês. Em ho­me­na­gem ao patrão e ami­go, fun­ci­o­ná­ri­os usa­ram ca­mi­sas com a fo­to de Valdir. Com o sa­lão mo­vi­men­ta­do pe­las cli­en­tes, o sen­ti­men­to era de va­zio, mas tam­bém de união. “O que nos for­ta­le­ce é a nos­sa iden­ti­da­de an­ces­tral, a nos­sa re­li­gião de ma­triz afri­ca­na. Valdir não mor­reu. Seu cor­po se des­ma­te­ri­a­li­zou, mas seu es­pí­ri­to ain­da es­tá aqui”, con­tou o co­or­de­na­dor do sa­lão e ami­go de Valdir, Car­los Lo­man­to. “Mor­reu seu sol­da­do, mas o exér­ci­to con­ti­nua”. Uma das ir­mãs do ca­be­lei­rei­ro, Ide Ma­cá­rio, 38, dis­se que o gran­de nú­me­ro de cli­en­tes sur­pre­en­deu. “Mui­tos vi­e­ram aqui nos tra­zer ener­gia e for­ça pa­ra pas­sar por is­so. Su­pe­rar a gen­te não supera, mas com o tem­po va­mos me­lho­ran­do.” Uma des­sas cli­en­tes foi Lu­ci­neia de Sou­za, 38. Pa­ra ela, Valdir era tam­bém um ami­go e psi­có­lo­go. “Quan­do che­guei aqui, há cin­co anos, eu não ti­nha ca­be­lo ne­nhum. Caía mui­to. Ele olhou pra mim e dis­se que ti­nha jei­to”, lem­brou ela, en­quan­to ba­lan­ça­va os ca­be­los, mos­tran­do o re­sul­ta­do. Pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os, re­tor­nar ao tra­ba­lho foi ta­re­fa di­fí­cil. Pa­ra a ca­be­lei­rei­ra Suya­ra Barreto, 28, a es­pi­ri­tu­a­li­da­de é o que aju­da a su­pe­rar. “Deus es­tá aci­ma de tu­do, e de­pois os ori­xás. Olho pa­ra a por­ta, pa­ra a ca­dei­ra e ele não es­tá em ne­nhum lu­gar. Era o nos­so por­to se­gu­ro e, pa­ra mim, um se­gun­do pai”, con­tou ela.

Mo­vi­men­to sur­pre­en­de fun­ci­o­ná­ri­os, que ves­ti­ram ca­mi­sa es­pe­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.