In­fec­ção por zi­ka traz pro­ble­mas a um ter­ço dos be­bês em qual­quer fa­se

Correio da Bahia - - Brasil -

GRA­VI­DEZ Um es­tu­do que acom­pa­nhou 57 ges­tan­tes pau­lis­tas in­fec­ta­das pe­lo zi­ka re­for­ça a hi­pó­te­se de que o ví­rus po­de cau­sar di­ver­sos da­nos aos be­bês além da mi­cro­ce­fa­lia. E as ano­ma­li­as po­dem acon­te­cer in­de­pen­den­te­men­te do tri­mes­tre de gra­vi­dez em que a mãe foi in­fec­ta­da.

Co­or­de­na­da por Mau­ri­cio La­cer­da Nogueira, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de São Jo­sé do Rio Pre­to e in­te­gran­te da Re­de Zi­ka (for­ça-ta­re­fa for­ma­da por pes­qui­sa­do­res de São Pau­lo apoi­a­dos pe­la Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo, a Fa­pesp), a pes­qui­sa mo­ni­to­rou 1.200 grá­vi­das do in­te­ri­or, das quais 57 ti­ve­ram a con­fir­ma­ção de con­ta­mi­na­ção pe­lo ví­rus zi­ka, com ca­sos de in­fec­ção em to­dos os tri­mes­tres da ges­ta­ção.

Após to­dos os par­tos, os pes­qui­sa­do­res ve­ri­fi­ca­ram que ne­nhum dos be­bês nas­ceu com mi­cro­ce­fa­lia, mas, ao re­a­li­zar exa­mes mais apro­fun­da­dos, des­co­bri­ram que 35% das cri­an­ças de­sen­vol­ve­ram al­gu­ma ano­ma­lia. “Vin­te dos 57 be­bês nas­ce­ram com al­gum ti­po de má-for­ma­ção dis­cre­ta, co­mo sur­dez uni­la­te­ral, da­nos na re­ti­na, cis­tos ce­re­brais ou in­fla­ma­ção em ar­té­ri­as ce­re­brais. O pró­xi­mo pas­so é in­ves­ti­gar a im­por­tân­cia des­ses acha­dos no de­sen­vol­vi­men­to da criança”, ex­pli­ca o ci­en­tis­ta. Nogueira diz que há si­tu­a­ções que com­pro­vam que o be­bê po­de ser pre­ju­di­ca­do, mes­mo se a con­ta­mi­na­ção pe­lo ví­rus ocor­rer no fim da gra­vi­dez. Em um dos ca­sos, a mu­lher con­traiu a do­en­ça com 36 se­ma­nas de ges­ta­ção e, mes­mo as­sim, o be­bê nas­ceu com si­nais de in­fec­ção ce­re­bral.

“Os re­sul­ta­dos in­di­cam que a mi­cro­ce­fa­lia de­ve ser mes­mo só a pon­ta do ice­berg, ela não de­ve ser o fenô­me­no mais pro­vá­vel en­tre os que o zi­ka po­de cau­sar. Mui­tas cri­an­ças de­vem ter de­sen­vol­vi­do al­gu­ma ano­ma­lia mais le­ve que não foi no­ta­da. Se es­ses 20 be­bês, por exem­plo, não es­ti­ves­sem par­ti­ci­pan­do da pes­qui­sa, sai­ri­am da ma­ter­ni­da­de co­mo cri­an­ças nor­mais, por­que ti­nham pe­so e pe­rí­me­tro ce­fá­li­co den­tro do es­pe­ra­do”, afir­ma. Pes­qui­sa re­a­li­za­da por ci­en­tis­tas da Fi­o­cruz já mos­tra­va que 29% dos be­bês de mães que ti­ve­ram zi­ka apre­sen­ta­ram al­gu­ma ano­ma­lia, mes­mo quan­do a in­fec­ção era tar­dia, ou se­ja, no fim da gra­vi­dez. Em ou­tro es­tu­do, os ci­en­tis­tas es­tão mo­ni­to­ran­do há um ano um gru­po de 1.500 pes­so­as pa­ra ve­ri­fi­car, por exa­mes de san­gue, quais fo­ram in­fec­ta­dos mes­mo sem sin­to­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.