Te­mer: ‘Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia vai pa­ra o Con­gres­so em de­zem­bro’

Correio da Bahia - - Economia -

CON­SE­LHÃO Na pri­mei­ra reu­nião do Con­se­lho de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co So­ci­al (CDES), Con­se­lhão, após as­su­mir a Pre­si­dên­cia, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ga­ran­tiu que sua pro­pos­ta da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se­rá en­vi­a­da ao Con­gres­so no pró­xi­mo mês. Ao abrir a reu­nião, on­tem, ele dis­se que a re­for­ma é es­sen­ci­al pa­ra re­sol­ver o de­sa­jus­te fis­cal do Bra­sil. Ele acres­cen­tou que a pro­pos­ta vai res­pei­tar di­rei­tos ad­qui­ri­dos e se­rá pau­ta­da pe­lo prin­cí­pio da equi­da­de.

“O ajus­te fis­cal só fi­ca­rá de pé com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que vai pa­ra o Con­gres­so no mês que vem, an­tes do fim do ano. Ca­so con­trá­rio, em 2024, va­mos ter que fe­char as por­tas do Bra­sil pa­ra ba­lan­ço. Mas não pro­po­re­mos uma re­for­ma qual­quer. Ela res­pei­ta­rá o di­rei­to ad­qui­ri­do e se pau­ta­rá pe­lo prin­cí­pio da equi­da­de”, afir­mou. O pre­si­den­te pe­diu aos con­se­lhei­ros apoio pa­ra trans­mi­tir à sociedade a im­por­tân­cia das me­di­das econô­mi­cas que pre­ci­sam ser to­ma­das.

O pre­si­den­te dis­se que o país só vol­ta­rá a ge­rar em­pre­gos – pro­ble­ma “mais dra­má­ti­co” do país atu­al­men­te, re­co­nhe­ceu – após ven­cer a re­ces­são. “An­tes do cres­ci­men­to é pre­ci­so ven­cer a re­ces­são. Só após es­sa ta­re­fa, po­de­re­mos co­me­çar a cres­cer e, en­tão, re­to­mar o em­pre­go. São fa­ses ina­fas­tá­veis”, afir­mou. Pa­ra o pre­si­den­te, o go­ver­no fe­de­ral par­tiu de “di­ag­nós­ti­cos pre­ci­sos” pa­ra co­me­çar a re­to­ma­da. O pri­mei­ro de­les foi re­co­nhe­cer que a cri­se é de na­tu­re­za fis­cal. “Por mui­to tem­po o go­ver­no gas­tou mais do que po­dia”, dis­se.

Te­mer afir­mou que, nes­se con­tex­to de cri­se fis­cal, a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res e dos con­su­mi­do­res “ruiu”, a in­fla­ção su­biu, o ris­co Bra­sil dis­pa­rou. Na ava­li­a­ção de­le, o pre­ço do des­cui­do das con­tas pú­bli­cas é pa­go atu­al­men­te pe­lo tra­ba­lha­dor. “Es­te des­cui­do é pa­go pe­lo tra­ba­lha­dor, que sen­te os efei­tos da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal no bol­so, na fi­la de em­pre­go”, des­ta­cou.

O pre­si­den­te dis­se ain­da que o cres­ci­men­to só se­rá re­to­ma­do se o go­ver­no subs­ti­tuir o “ilu­si­o­nis­mo pe­la lu­ci­dez”. Pa­ra is­so, afir­mou, o go­ver­no es­tá es­ti­mu­lan­do o diá­lo­go fran­co e aber­to.

O mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, dis­se que o go­ver­no atu­al­men­te en­fren­ta a ques­tão fis­cal com trans­pa­rên­cia e de ma­nei­ra bas­tan­te ob­je­ti­va. “O pri­mei­ro de­sa­fio quan­do as­su­mi­mos foi lo­ca­li­zar con­tas não pa­gas re­gis­tra­das no or­ça­men­to. Ho­je es­tá tu­do trans­pa­ren­te”, afir­mou Mei­rel­les.

Mi­chel Te­mer e Hen­ri­que Mei­rel­les fa­la­ram so­bre a ges­tão das con­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.