Lo­te­a­men­tos pri­si

Correio da Bahia - - Esporte - Bru­no Wen­del bru­no.cardoso@re­de­bahia.com.br

Pre­sos de fac­ções ri­vais não fi­cam no mes­mo lo­cal por me­di­da pre­ven­ti­va

As­sim co­mo acon­te­ce nos bair­ros de Sal­va­dor e ci­da­des da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na, o Com­ple­xo Pe­ni­ten­ciá­rio da Ma­ta Es­cu­ra, o mai­or do es­ta­do, tam­bém é di­vi­do por fac­ções que dis­pu­tam o con­tro­le do trá­fi­co na Bahia. Três das qua­tro mai­o­res or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas do es­ta­do, Co­man­do da Paz (CP), Ca­vei­ra e Bon­de do Ma­lu­co (BDM), es­tão di­vi­di­das em cin­co uni­da­des – uma de­las, in­clu­si­ve, ocu­pan­do um pré­dio in­tei­ro. As três so­mam, atu­al­men­te, 4.053 in­ter­nos, en­tre pre­sos pro­vi­só­ri­os e con­de­na­dos. No es­ta­do, são mais de 15 mil pes­so­as pre­sas, se­gun­do o mais re­cen­te le­van­ta­men­to do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça (ver ao la­do).

Já quan­to à Ka­ti­a­ra, que sur­giu no Recôn­ca­vo e tem mais ex­pres­si­vi­da­de no in­te­ri­or, os in­te­gran­tes cum­prem pe­na nas uni­da­des pri­si­o­nais de Fei­ra de Santana, no Cen­tro-Nor­te do es­ta­do, e Pau­lo Afon­so, no Va­le São Fran­cis­ca­no.

Se­gun­do o Sin­di­ca­to dos Ser­vi­do­res Pe­ni­ten­ciá­ri­os do Es­ta­do da Bahia (Sins­peb), a di­vi­são se faz ne­ces­sá­ria pa­ra evi­tar uma “car­ni­fi­ci­na” no com­ple­xo pe­ni­ten­ciá­rio. “Es­sa di­vi­são é an­ti­ga. À me­di­da que as fac­ções vão sur­gin­do, os es­pa­ços vão sen­do ade­qua­dos. His­to­ri­ca­men­te, is­so sur­giu di­an­te da fal­ta de con­di­ção do Es­ta­do de ge­ren­ci­ar os con­fli­tos e, por sua vez, os ges­to­res per­mi­ti­ram que os pre­sos se or­ga­ni­zas­sem”, de­cla­rou o co­or­de­na­dor do Sins­peb, Ge­o­ni­as Oli­vei­ra.

IDEN­TI­FI­CA­ÇÃO

Os pre­sos que che­gam ao com­ple­xo au­to­ma­ti­ca­men­te de­cla­ram à di­re­ção a qual fac­ção per­ten­cem. “Aque­le que não se ma­ni­fes­ta de ime­di­a­to, pas­sa por uma tri­a­gem, on­de a di­re­ção per­gun­ta qual o gru­po ele faz par­te e é di­re­ci­o­na­do pa­ra a uni­da­de es­pe­cí­fi­ca. Quem não es­tá li­ga­do a ne­nhu­ma fac­ção é alo­ja­do ale­a­to­ri­a­men­te”, dis­se Ge­o­ni­as. Mas têm aque­les que gru­po ne­nhum quer, que é o ca­so de es­tu­pra­do­res. “Fi­cam no cha­ma­do ‘se­gu­ro’, uma ce­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.