Io­nais

Correio da Bahia - - Mais -

pa­do pe­los de­ten­tos do BDM, fac­ção que fo­ra cri­a­da pa­ra ser uma ra­mi­fi­ca­ção da Ca­vei­ra e que atu­al­men­te é con­si­de­ra­da a mais vi­o­len­ta do es­ta­do pe­la Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Es­ta­do (SSP).

Já a Uni­da­de Es­pe­ci­al Dis­ci­pli­nar (UED), que cus­to­dia 242 in­ter­nos, é cons­ti­tuí­da por ga­le­ri­as. A mai­or de to­das, a Ga­le­ria B, é ocu­pa­ra pe­lo Co­man­do da Paz. A Ga­le­ria A é de um gru­po in­de­pen­den­te que até en­tão pre­fe­re não fa­zer ali­an­ças. Já a Ga­le­ria C é des­ti­na­da àque­les que não per­ten­cem a ne­nhu­ma fac­ção.

Por fim, o Pre­sí­dio Fe­mi­ni­no tem 113 in­ter­nas que ocu­pam as oi­to ga­le­ri­as. A pre­do­mi­nân­cia é da fac­ção Ca­vei­ra, que di­vi­de os es­pa­ços com as mu­lhe­res li­ga­das ao BDM. Ain­da de acor­do com o Sins­peb, a con­vi­vên­cia en­tre elas tem si­do amis­to­sa e, por is­so, por en­quan­to não há ne­ces­si­da­de de se­pa­ra­ção.

Pro­cu­ra­do pe­lo CORREIO, o pro­mo­tor da Va­ra de Exe­cu­ções Pe­nais Ed­mun­do Reis dis­se que as di­vi­sões são ne­ces­sá­ri­as. “Es­sas di­vi­sões exis­tem e, às ve­zes, sim, se fa­zem ne­ces­sá­ri­as, de­pen­den­do do per­fil de quem es­tá in­te­gra­do na­que­le pa­vi­lhão. A de­pen­der tam­bém do cli­ma lá fo­ra, da ri­va­li­da­de en­tre as fac­ções, da dis­pu­ta de ter­ri­tó­rio, se faz ne­ces­sá­rio pa­ra ga­ran­tir a in­te­gri­da­de fí­si­ca das pes­so­as no com­ple­xo”, de­cla­rou Reis.

FORTALECIMENTO Qu­es­ti­o­na­do se a di­vi­são se­ria uma for­ma in­di­re­ta de fortalecimento das fac­ções, o pro­mo­tor con­cor­dou. “Sem dú­vi­da. E quan­do se faz is­so, é por fal­ta de op­ção do Es­ta­do, por­que o pró­prio Es­ta­do não se im­põe com es­tru­tu­ra ade­qua­da. A lei per­mi­te se­pa­ra­ções, mas os cri­té­ri­os são pre­sos pro­vi­só­ri­os e con­de­na­dos, pri­má­ri­os e rein­ci­den­tes, jo­vens e adul­tos (en­tre 18 e 21 anos) e mai­o­res de 60 anos. Mas es­tes cri­té­ri­os não são ob­ser­va­dos pe­lo Es­ta­do”, co­men­tou ele.

Ed­mun­do Reis dis­se que o fim das de­li­mi­ta­ções ter­ri­to­ri­ais no com­ple­xo se da­rá com uma re­for­ma es­tru­tu­ral no com­ple­xo. “Te­mos uma es­tru­tu­ra pe­ni­ten­ciá­ria bas­tan­te de­ses­tru­tu­ra­da, com es­ta­be­le­ci­men­tos pe­nais an­ti­gos, com uma ar­qui­te­tu­ra que não per­mi­te o do­mí­nio ple­no do Es­ta­do, em de­su­so. Se o Es­ta­do não faz o pa­pel de­le, de ges­tor, exis­te um vá­cuo de ocu­pa­ção dos lí­de­res de fac­ções”, con­si­de­ra o pro­mo­tor. “É pre­ci­so subs­ti­tuir por no­vas edi­fi­ca­ções equi­pa­das com de­tec­to­res de me­tais, scan­ner hu­ma­no, con­tro­le efe­ti­vo das pes­so­as, pa­ra evi­tar a en­tra­da de dro­gas, ar­mas e ce­lu­la­res”, con­cluiu ele.

So­bre os es­pa­ços de­mar­ca­dos das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas no com­ple­xo da Ma­ta Es­cu­ra, a as­ses­so­ria da Se­ap dis­se que só se pro­nun­ci­a­ria se o CORREIO apre­sen­tas­se “ofí­cio as­sas­si­na­do pe­lo res­pon­sá­vel pe­lo Sin­di­ca­to dos Agen­tes Pe­ni­ten­ciá­ri­os”, o que não foi aca­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.