Pe­rí­cia não en­con­tra mar­cas em he­li­cóp­te­ro

Correio da Bahia - - Mais -

çall­ves Fran­ça, Le­o­nar­do Mar­tins da Sil­va Jú­ni­or, o Pu­la-Pu­la); Mar­cos Vi­ni­cius de Oli­vei­ra, o Vi­ni­ci­nho da 13, e Jar­del Tei­xei­ra de Oli­vei­ra, o Jar­del fa­zem par­te da fac­ção cri­mi­no­sa que do­mi­na o trá­fi­co na re­gião.

MAIS RE­VOL­TA

Fa­mi­li­a­res dos ou­tros seis mor­tos tam­bém fo­ram ao IML, on­tem, pa­ra a li­be­ra­ção dos cor­pos e con­ta­ram a jor­na­lis­tas co­mo os en­con­tra­ram na an­te­on­tem. Pa­ra os mo­ra­do­res, seus fa­mi­li­a­res não fo­ram exe­cu­ta­dos por tra­fi­can­tes, mas por PMs. “En­con­trei meu es­po­so com a per­na de­ce­pa­da, com qua­tro fa­ca­das, dois ti­ros na nu­ca, e de cos­tas”, con­ta Vi­vi­a­ne Gonçalves, 32, que era ca­sa­da e ti­nha uma fi­lha com Ro­gé­rio Alberto de Car­va­lho Jú­ni­or, 34, que foi um dos en­con­tra­dos sem vi­da. “Se eles es­ta­vam er­ra­dos, que fos­sem pre­sos, mas que não es­cu­la­chas­sem do jei­to que eles fi­ze­ram. O que eles fi­ze­ram foi uma cha­ci­na”.

A Ci­da­de de Deus te­ve con­fron­tos en­tre po­li­ci­ais e cri­mi­no­sos no fim de se­ma­na. Qua­tro PMs mor­re­ram com a que­da de um he­li­cóp­te­ro (ver ao la­do). Na ma­nhã de on­tem, mais ti­ro­tei­os fi­ze­ram com que es­co­las e cre­ches não abris­sem pe­la ma­nhã. Hou­ve con­fron­to em uma ope­ra­ção da PM no Con­jun­to de Fa­ve­las da Ma­ré, on­tem. Se­gun­do a PM, se­ri­am tra­fi­can­tes que tro­ca­ram ti­ros com po­li­ci­ais. Dois sus­pei­tos mor­re­ram (ver ao la­do). O se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro, Ro­ber­to Sá, in­for­mou que as cau­sas do aci­den­te com he­li­cóp­te­ro que ma­tou qua­tro po­li­ci­ais na Ci­da­de de Deus es­tão sen­do in­ves­ti­ga­das e que ain­da é ce­do pa­ra des­car­tar qual­quer hi­pó­te­se. “O lau­do de ne­crop­sia dos qua­tro po­li­ci­ais que es­ta­vam no he­li­cóp­te­ro já saiu, a pe­rí­cia foi mui­to rá­pi­da e mui­to efi­ci­en­te, não há per­fu­ra­ção por ar­ma de fo­go nos cor­pos. A pe­rí­cia es­tá sen­do fei­ta pe­la De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­dio e pe­la Ae­ro­náu­ti­ca”, afir­mou ele. “Na ae­ro­na­ve, até o mo­men­to, não se en­con­trou ne­nhum ti­po de per­fu­ra­ção, mas é mui­to ce­do ain­da pa­ra qual­quer con­clu­são", acres­cen­tou o se­cre­tá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.