MA­TAN­DO SAU­DA­DES

Correio da Bahia - - Vida -

A ideia de com­por uma ca­me­ra­ta, for­ma­ção que man­ti­ves­se a so­no­ri­da­de sinfô­ni­ca, mas com um con­jun­to pe­que­no, tam­bém foi de Elo­mar. Além de João Omar, os ou­tros dois mú­si­cos da Ca­me­ra­ta Ca­lei­dos­có­pio tam­bém o acom­pa­nham há mui­tos anos. A flau­tis­ta Ele­na Ro­dri­gues, por exem­plo, gra­vou com ele o dis­co Na Qu­a­dra­da das Águas Per­di­das, de 1978.

SAU­DA­DE

A úl­ti­ma vez que Elo­mar su­biu a um pal­co da ca­pi­tal bai­a­na foi em 2012, quan­do fez uma par­ti­ci­pa­ção no mu­si­cal Baião de Nóis, di­ri­gi­do por João Omar, e que ho­me­na­ge­ou o cen­te­ná­rio de Luiz Gon­za­ga , reu­nin­do tam­bém Xan­gai, Car­los Pi­ta e Tar­gi­no Gon­dim. Mas foi em de­zem­bro de 2008, por­tan­to há oi­to anos, que ele apre­sen­tou as an­tí­fo­nas Lou­ve­mos ao Se­nhor, ao la­do da Or­ques­tra Sinfô­ni­ca da Bahia.

“Acre­di­to que Sal­va­dor te­nha um pú­bli­co sau­do­so, que há mui­to tem­po não o vê. É in­te­res­san­te per­ce­ber tam­bém que por on­de a gen­te tem pas­sa­do, um pú­bli­co mais jo­vem tem com­pa­re­ci­do, sem­pre tem mui­to ro­quei­ro. Cu­ri­o­so is­so”, res­sal­ta o fi­lho.

Mas João Omar lem­bra que o pú­bli­co não de­ve es­pe­rar uma apre­sen­ta­ção de can­ções. “A fa­se em que meu pai se en­con­tra é mais de um re­per­tó­rio de ópe­ra, ape­sar de ele can­tar al­gu­mas can­ções an­ti­gas. Ele é mui­to di­a­lo­ga­dor, por is­so, ine­vi­ta­vel­men­te, o pú­bli­co tam­bém tem de es­pe­rar ele con­du­zir, con­tar as his­tó­ri­as, não é mú­si­ca atrás de mú­si­ca. Quem man­da é ele, que já es­tá na ida­de de fa­zer o que qui­ser”, pon­de­ra.

VI­DA SIM­PLES

Aves­so à ex­po­si­ção na mí­dia pa­ra divulgação do seu pró­prio tra­ba­lho, Elo­mar pre­fe­re a vi­da re­clu­sa da fa­zen­da, lon­ge das gran­des me­tró­po­les. Atu­al­men­te, pas­sa boa par­te do tem­po na Ca­sa dos Car­nei­ros, a 20 quilô­me­tros de Vi­tó­ria da Con­quis­ta, sua ci­da­de na­tal. “Ca­da vez mais ele quer sair me­nos pa­ra to­car. Tem a coi­sa da ali­men­ta­ção, das ho­ras de vi­a­gem, do avião. Mas quan­do che­ga no pal­co, ele gos­ta mui­to, fi­ca mui­to fe­liz. É is­so que va­le a pe­na”, res­sal­ta o fi­lho.

So­bre o pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to, ele con­ta que o pai en­ca­ra de for­ma mui­to tran­qui­la. “Ele é bas­tan­te sá­bio, a ca­be­ça fun­ci­o­na a mil, e o cor­po vai re­cla­man­do. Acho que ele tem uma saú­de boa, um am­bi­en­te me­lhor, ali­men­ta­ção sau­dá­vel. Ele tem en­ten­di­do bem is­so e pas­sa­do co­mo to­do mun­do. A ida­de é sim­ples­men­te uma ar­ma­di­lha, por­que a ca­be­ça es­tá em ou­tro pla­no, es­tá jo­vem”, re­su­me João Omar. CON­CER­TO PLURO Elo­mar e Ca­me­ra­ta Ca­lei­dos­có­pio

ON­DE Te­a­tro Castro Al­ves, sá­ba­do, às 21h

IN­GRES­SOS R$ 120/ R$ 60, à ven­da na bi­lhe­te­ria do TCA, nos SACs dos shop­pings Bar­ra e Be­la Vis­ta e no si­te in­gres­so­ra­pi­do.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.