So­bre vi­gi­lân­cia e pu­ni­ção

Correio da Bahia - - Front Page -

Por pou­co, mui­to pou­co, a par­te des­com­pro­mis­sa­da da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos qua­se co­lo­ca abai­xo o pa­co­te an­ti­cor­rup­ção cri­a­do pa­ra fre­ar aque­le que é o cân­cer das de­mo­cra­ci­as mo­der­nas. Por pou­co, mui­to pou­co tam­bém, a mes­ma Ca­sa te­rá a chan­ce, na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, de co­me­çar a vi­rar a pá­gi­na res­pon­sá­vel pe­lo atra­so na­ci­o­nal e des­nu­da­da, co­mo nun­ca an­tes, por meio da Ope­ra­ção La­va Ja­to, que deu ori­gem à pro­pos­ta em tra­mi­ta­ção no Le­gis­la­ti­vo.

A du­ras pe­nas e sob in­ten­sa pres­são dos pró­pri­os pa­res, o re­la­tor do pro­je­to, de­pu­ta­do Ônix Lo­ren­zo­ni (DEM-RS), con­se­guiu man­ter gran­de par­te do pro­je­to apre­sen­ta­do à Câ­ma­ra pe­los pro­cu­ra­do­res da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, após in­ten­sa mo­bi­li­za­ção so­ci­al. Es­tão lá, por exem­plo, me­di­das con­si­de­ra­das fun­da­men­tais pa­ra con­ter a sa­nha dos cor­rup­tos, ape­sar de to­das as ma­no­bras to­ca­das no afã de neu­tra­li­zar ou mi­ni­mi­zar os efei­tos do pa­co­te.

A co­me­çar pela cri­mi­na­li­za­ção do en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e o con­fis­co de bens re­la­ci­o­na­dos à cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro, al­go não pre­vis­to no Có­di­go Pe­nal. O pa­re­cer que se­rá ana­li­sa­do no ple­ná­rio da Câ­ma­ra man­te­ve tam­bém o au­men­to das pe­nas pa­ra es­te­li­o­na­to e cor­rup­ção, além de sua in­clu­são no ca­pí­tu­lo dos cri­mes he­di­on­dos, des­de que a van­ta­gem ob­ti­da de ma­nei­ra ilí­ci­ta ba­ta a mar­ca dos 10 mil sa­lá­ri­os mí­ni­mos – R$ 8,8 mi­lhões, em va­lo­res atu­ais. So­ma pe­que­na se com­pa­ra­da ao que rou­bam os gran­des la­drões de ver­bas pú­bli­cas.

O pa­co­te tam­bém traz me­ca­nis­mos pa­ra dar agi­li­da­de pro­ces­su­al em ca­sos en­vol­ven­do cor­rup­ção. As chi­ca­nas ju­di­ci­ais são apon­ta­das pe­los re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e es­pe­ci­a­lis­tas no te­ma co­mo fa­to­res que am­pli­am o grau de im­pu­ni­da­de pa­ra qu­em co­me­te es­se ti­po de cri­me. En­tre os quais, am­plia os pra­zos de pres­cri­ção, res­trin­ge ma­no­bras ju­rí­di­cas fei­tas ape­nas pa­ra atra­sar ou anu­lar ações e agi­li­za os pra­zos pa­ra o an­da­men­to de ca­sos de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va.

Ao mes­mo tem­po, a pro­pos­ta apro­va­da pela co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra im­ple­men­ta dois ou­tros itens im­por­tan­tes na guer­ra con­tra os sal­tim­ban­cos do erá­rio. Um é o cha­ma­do “con­fis­co alar­ga­do”, que im­pe­de de ma­nei­ra mais am­pla o aces­so dos cor­rup­tos ao pro­du­to da ra­pi­na­gem e aos bens de­cor­ren­tes de­la. O ou­tro é cri­a­ção de uma fi­gu­ra co­mum nos Es­ta­dos Uni­dos: o “re­por­tan­te” – do in­glês, whis­tle­blower -, que dá sal­vo con­du­to cri­mi­nal e re­com­pen­sa fi­nan­cei­ra ao au­tor de de­nún­ci­as no cam­po do pa­trimô­nio pú­bli­co e ad­mi­nis­tra­ti­vo. No mes­mo com­pas­so, pre­vê pe­nas pa­ra acu­sa­ções fal­sas.

Mas o nó es­tá mes­mo so­bre os dois mais es­pi­nho­sos te­mas. Em­bo­ra o pa­co­te ti­pi­fi­que co­mo cri­me o cai­xa 2 de cam­pa­nha pa­ra po­lí­ti­cos e par­ti­dos, há uma ofen­si­va pa­ra anis­ti­ar qu­em le­vou di­nhei­ro por fo­ra até a en­tra­da da lei em vi­gor. Tal per­dão es­bar­ra nos an­sei­os de um po­vo ávi­do por var­rer os cor­rup­tos pa­ra o cár­ce­re ou, no mí­ni­mo, pa­ra fo­ra das ur­nas. Der­ru­bar tal me­di­da é re­tro­ce­der na odis­seia pa­ra com­ba­ter o mal do país.

Em ou­tro com­pas­so, é ne­ces­sá­rio que Con­gres­so e so­ci­e­da­de ci­vil se de­te­nham, sem pai­xões exa­cer­ba­das, so­bre a ne­ces­si­da­de de im­por li­mi­tes ao la­do de lá da his­tó­ria – o dos que in­ves­ti­gam, pro­ces­sam e jul­gam os cor­rup­tos. Uma vez com­pro­va­dos abu­sos, não há des­cul­pa pa­ra que não se pu­na. É ine­gá­vel o fa­vor histórico pres­ta­do ao país por agen­tes fe­de­rais, pro­cu­ra­do­res e juí­zes da La­va Ja­to. Mas não se ne­ga tam­bém que ma­gis­tra­dos e mem­bros do MPF per­ten­cem a uma cas­ta su­pe­ri­or, imu­ne aos efei­tos da lei, que afi­nal é du­ra, mas é a lei. Va­le pa­ra to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.