PM vai apu­rar pre­sen­ça de po­li­ci­ais em in­va­sões no Li­to­ral Nor­te

Correio da Bahia - - Bahia -

IN­VES­TI­GA­ÇÃO A par­ti­ci­pa­ção de po­li­ci­ais mi­li­ta­res na in­va­são de 5 mi­lhões de m² de ter­ras no Li­to­ral Nor­te (o equi­va­len­te a 500 cam­pos de fu­te­bol), de­nun­ci­a­da on­tem pe­lo CORREIO, se­rá in­ves­ti­ga­da pela PM. A cor­po­ra­ção in­for­mou que a Cor­re­ge­do­ria não re­ce­beu de­nún­cia. Mas, se­gun­do no­ta en­ca­mi­nha­da pela as­ses­so­ria, ela “se­rá en­ca­mi­nha­da aos ór­gãos com­pe­ten­tes da Cor­po­ra­ção pa­ra le­van­ta­men­tos de da­dos, iden­ti­fi­ca­ção e apu­ra­ção do fa­to”. On­tem, o CORREIO mos­trou que ter­ras de gran­de va­lo­ri­za­ção imo­bi­liá­ria per­ten­cen­tes a Áre­as de Pro­te­ção Am­bi­en­tal (APA) e de Pro­te­ção Per­ma­nen­te (APP), en­tre Arem­be­pe e Bar­ra do Ja­cuí­pe, es­tão sen­do des­truí­das por um gru­po de pe­lo me­nos 2 mil in­va­so­res. Boa par­te da APP do Rio Ca­pi­va­ra já foi to­ma­da e as mais de 15 for­ças-ta­re­fas or­ga­ni­za­das pela pre­fei­tu­ra de Ca­ma­ça­ri não con­se­gui­ram dar con­ta das ações dos in­va­so­res. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) ten­ta uma ação na Jus­ti­ça pa­ra con­se­guir a rein­te­gra­ção de pos­se de uma par­te da área. “Nos­sa ação é pa­ra a re­gião do San­gra­dou­ro, den­tro de Arem­be­pe”, diz Lu­ci­a­no Pit­ta, pro­mo­tor de Meio Am­bi­en­te e Ur­ba­nis­mo. Já a Po­lí­cia Ci­vil não ini­ci­ou ain­da a in­ves­ti­ga­ção. O MP che­gou a re­qui­si­tar à 18ª De­le­ga­cia (Ca­ma­ça­ri) ins­tau­ra­ção de inqué­ri­to pa­ra apu­rar as in­va­sões, mas a ti­tu­lar da uni­da­de, Thaís do Ro­sá­rio, es­cla­re­ceu que o tre­cho in­va­di­do não per­ten­ce à sua ju­ris­di­ção. “Re­ce­bi o do­cu­men­to do MP, mas o de­vol­vi ex­pli­can­do que não é de nos­sa al­ça­da”, dis­se. Já a ti­tu­lar da 26ª De­le­ga­cia (Abran­tes), Ma­ria Da­ni­e­le, in­for­mou que um su­pos­to pro­pri­e­tá­rio de um ter­re­no re­gis­trou um Bo­le­tim de Ocor­rên­cia na uni­da­de, mas não apre­sen­tou tes­te­mu­nha ou pro­va das in­va­sões. “Não é de­ver do Es­ta­do pro­te­ger ter­ras pri­va­das. Se te­nho um ter­re­no, pre­ci­so ze­lar por ele”. O pro­mo­tor, de cer­ta for­ma, con­cor­da. “Va­mos no­ti­fi­cá-los por­que po­dem res­pon­der por pos­sí­veis da­nos am­bi­en­tais que ocor­ram nas pro­pri­e­da­des. A res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil é do pro­pri­e­tá­rio do imó­vel”. O fa­to de se­rem áre­as pri­va­das di­fi­cul­ta um pou­co a ação do MP. “Ca­be aos pro­pri­e­tá­ri­os im­pe­dir que ocor­ram da­nos às su­as áre­as. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co só es­tá en­tran­do nis­so por ser área de pro­te­ção am­bi­en­tal. Tem o in­te­res­se da co­le­ti­vi­da­de”, ex­pli­cou. A PM não deu pra­zo pa­ra iní­cio ou con­clu­são das in­ves­ti­ga­ções pela sua Cor­re­ge­do­ria so­bre a pre­sen­ça de po­li­ci­ais nas in­va­sões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.