A bus­ca de um ru­mo

Correio da Bahia - - Brasil -

Pela pri­mei­ra vez em mui­tos anos, a pro­du­ção agrí­co­la vai en­co­lher. Não é efei­to da cri­se econô­mi­ca, mas a agra­va um pou­co mais. Al­guns ín­di­ces de con­fi­an­ça que es­ta­vam em al­ta nos úl­ti­mos me­ses co­me­ça­ram a cair. O PIB do ter­cei­ro tri­mes­tre de­ve ter ti­do que­da pró­xi­ma de 1%. Nes­se qua­dro econô­mi­co, uma pa­ra­li­sia no go­ver­no pro­vo­ca­da pe­los cons­tan­tes ines­pe­ra­dos da po­lí­ti­ca po­de re­du­zir o rit­mo do ajus­te fis­cal.

O que aba­teu a pro­du­ção de grãos, em 12%, foi La Niña. Is­so é mais um ba­que pa­ra a ati­vi­da­de econô­mi­ca. Os ín­di­ces de con­fi­an­ça do con­su­mi­dor e da cons­tru­ção ci­vil já mos­tra­ram a mu­dan­ça de hu­mor. A frá­gil me­lho­ra es­tá in­do em­bo­ra com o acú­mu­lo de no­tí­ci­as ruins. O PIB do ter­cei­ro tri­mes­tre se­rá o sé­ti­mo a vir com que­da. O eco­no­mis­ta Jo­sé Ro­ber­to Men­don­ça de Bar­ros, que cal­cu­la­va um cres­ci­men­to de 2% em 2017, re­du­ziu a pre­vi­são pa­ra 1%.

— O go­ver­no es­tá in­do na di­re­ção cer­ta nu­ma ve­lo­ci­da­de de­plo­rá­vel. O ce­ná­rio ex­ter­no é pre­o­cu­pan­te. Eu não es­tou en­tre os que acham que Do­nald Trump vai pa­ra o cen­tro. Ele po­de cri­ar um es­tra­go gran­de no co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal. Aqui no Bra­sil, a ta­xa re­al de ju­ros su­biu for­te­men­te, com a que­da da in­fla­ção, e a eco­no­mia es­tá sem for­ças pa­ra a re­to­ma­da —diz Jo­sé Ro­ber­to.

Um dos la­dos mais com­ple­xos da con­jun­tu­ra é o da cri­se dos es­ta­dos. A ne­go­ci­a­ção do pac­to de aus­te­ri­da­de pe­lo cres­ci­men­to de­pen­de, pa­ra ir pa­ra fren­te, de que ha­ja ade­são de um gran­de nú­me­ro de es­ta­dos, e nos úl­ti­mos di­as hou­ve im­pas­ses em vá­ri­os pon­tos. São Pau­lo re­sis­te a um acor­do, di­zen­do que já fez ajus­te. O Acre dis­cor­da da pro­pos­ta.

A me­lhor ideia que sur­giu até ago­ra vem sen­do bom­bar­de­a­da pe­lo lobby dos em­pre­sá­ri­os, a de cri­a­ção do Fun­do de Es­ta­bi­li­za­ção Fis­cal, no qual as em­pre­sas que re­ce­bem in­cen­ti­vo fis­cal te­ri­am que de­po­si­tar 10% do va­lor do be­ne­fí­cio re­ce­bi­do. É di­fí­cil sa­ber de quan­to é a re­nún­cia fis­cal to­tal, mas é pos­sí­vel ter uma ideia. Goiás pu­bli­cou no por­tal da trans­pa­rên­cia que con­ce­de por ano R$ 6 bi­lhões. A re­cei­ta to­tal de ICMS do es­ta­do é de R$ 13 bi­lhões, o que sig­ni­fi­ca que a per­da é ex­pres­si­va. Mas se 10% vol­ta­rem aos co­fres pú­bli­cos do es­ta­do se­rão R$ 600 mi­lhões, o que co­bri­ria o dé­fi­cit or­ça­men­tá­rio de R$ 500 mi­lhões. Os em­pre­sá­ri­os es­tão pres­si­o­nan­do de for­ma co­or­de­na­da pa­ra que is­so não se­ja apro­va­do. Go­ver­nos que es­tão au­men­tan­do a con­tri­bui­ção de apo­sen­ta­dos, con­ge­lan­do sa­lá­rio de ser­vi­dor, não vão cor­tar os be­ne­fí­ci­os pa­ra em­pre­sá­ri­os? Fi­ca­ria es­tra­nho.

Pa­ra o Rio, o ca­so mais gra­ve, com o enor­me rom­bo de R$ 7 bi­lhões, além de re­du­ção de in­cen­ti­vos fis­cais é pre­ci­so um con­jun­to mais for­te de ajus­te. O go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão dis­se que não tem in­ten­ção de ven­der a Ce­dae:

— O BofA (Ban­co of Ame­ri­ca) dis­se que a em­pre­sa va­le R$ 4 bi. Ela tem R$ 2 bi de pas­si­vos tra­ba­lhis­tas e com o fun­do de pen­são. Por­tan­to, mais ne­gó­cio se­ria ven­der par­te das ações — o es­ta­do tem 99% — e con­ces­si­o­nar al­guns ser­vi­ços, co­mo o es­go­to de áre­as co­mo a Re­gião Me­tro­po­li­ta­na do Rio.

Os es­ta­dos em si­tu­a­ção mais di­fí­cil es­tão ten­do uma con­ver­sa em se­pa­ra­do com o Te­sou­ro. Há um le­que de me­di­das em aná­li­se, co­mo a se­cu­ri­ti­za­ção de dí­vi­da e de royal­ti­es fu­tu­ros de pe­tró­leo do

Rio.

O Es­pí­ri­to San­to tem uma si­tu­a­ção di­fe­ren­te e, no mes­mo dia em que os go­ver­na­do­res es­ta­vam em Bra­sí­lia ne­go­ci­an­do, Pau­lo Har­tung, em São Pau­lo, con­se­guiu fa­zer o lei­lão de uma Par­ce­ria Pú­bli­co Pri­va­da pa­ra am­pli­ar o sa­ne­a­men­to bá­si­co no mu­ni­cí­pio de Vi­la Ve­lha. O es­ta­do con­se­gui­ria pe­gar em­prés­ti­mos di­an­te da no­va re­so­lu­ção do Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Na­ci­o­nal, por­que tem no­ta B da­da pe­lo Te­sou­ro, mas o que Har­tung tem di­to é que ne­nhu­ma so­lu­ção é du­rá­vel se não fo­rem en­fren­ta­dos os de­se­qui­lí­bri­os no sis­te­ma es­ta­du­al de apo­sen­ta­do­ri­as. Há gran­de con­cor­dân­cia en­tre os go­ver­na­do­res em tor­no da ideia de jun­tar-se à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que o go­ver­no vai apre­sen­tar. Al­gu­mas de­ci­sões fi­cam mais fá­ceis se fo­rem to­ma­das co­le­ti­va­men­te, co­mo a alí­quo­ta de 14% de con­tri­bui­ção, e a ida­de mí­ni­ma tem que ser in­cluí­da na pro­pos­ta fe­de­ral.

Há mui­to a fa­zer. Nem tu­do pre­ci­sa do Con­gres­so. O ris­co é o go­ver­no fi­car per­di­do em seu la­bi­rin­to, co­mo acon­te­ceu nos úl­ti­mos di­as na cri­se Ged­del. É cer­to que ou­tros ca­sos vão sur­gir. Se qui­ser dar ru­mo ao país, o go­ver­no pre­ci­sa ter um ru­mo.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.