Fi­del veio à Bahia du­as ve­zes e se reu­niu com o ami­go ACM

Correio da Bahia - - Mais -

con­fe­rên­cia de es­tu­dan­tes, mas o cli­ma na ci­da­de de­te­ri­o­rou-se ra­pi­da­men­te quan­do um po­lí­ti­co co­lom­bi­a­no foi as­sas­si­na­do por um fa­ná­ti­co.

O cri­me foi se­gui­do por tu­mul­tos nos quais mi­lha­res de pes­so­as mor­re­ram. Fi­del e seus co­le­gas, sus­pei­tos de ten­tar pro­vo­car um le­van­te es­quer­dis­ta no país, fo­ram re­ti­ra­dos da Colôm­bia em um avião de car­ga, ar­ru­ma­do pe­lo em­bai­xa­dor cu­ba­no.

Em 1953, Fi­del e seus co­le­gas pla­ne­ja­ram a der­ru­ba­da do di­ta­dor de Cu­ba, Ful­gên­cio Ba­tis­ta. Com 79 com­pa­nhei­ros, eles ata­ca­ram, em 26 de ju­lho, o Quar­tel Mon­ca­da, o mai­or de Santiago de Cu­ba, em Ori­en­te O ata­que fra­cas­sou. Ape­nas três re­bel­des mor­re­ram no as­sal­to, mas 80 fo­ram cap­tu­ra­dos. A mai­o­ria dos pri­si­o­nei­ros foi tor­tu­ra­da e exe­cu­ta­da.

REVOLUÇÃO

Fi­del foi sen­ten­ci­a­do a 15 anos de pri­são, mas aca­bou li­ber­ta­do em uma anis­tia dois anos de­pois, quan­do par­tiu pa­ra o exí­lio no Mé­xi­co. Com o apoio de vá­ri­os com­pa­nhei­ros, en­tre eles o mé­di­co ar­gen­ti­no Er­nes­to “Che” Gu­e­va­ra, Fi­del vol­tou a Cu­ba, em 2 de dezembro, a bor­do do ve­lho ia­te Gran­ma. “Po­de­mos afir­mar que nos­sa revolução co­me­çou em con­di­ções ina­cre­di­tá­veis”, dis­se Fi­del em 1966.

De­la­ta­dos, Fi­del Cas­tro e os guer­ri­lhei­ros so­bre­vi­ven­tes fu­gi­ram pa­ra a Si­er­ra Ma­es­tra, on­de co­me­ça­ram uma guer­ra de guer­ri­lhas con­tra Ba­tis­ta. Em 2 de ja­nei­ro de 1959, Er­nes­to Gu­e­va­ra e Ca­mi­lo Ci­en­fu­e­gos ocu­pa­ram Ha­va­na. Ba­tis­ta fu­giu e o po­der em Cu­ba foi pos­to re­pen­ti­na­men­te nas mãos de jo­vens re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os.

Ape­sar dos avan­ços so­ci­ais ob­ser­va­dos pela po­pu­la­ção, a par­tir de 1991, com o fim da União So­vié­ti­ca e da aju­da fi­nan­cei­ra de Mos­cou a Ha­va­na, o re­gi­me cu­ba­no tor­nou-se iso­la­do de qua­se to­do o mun­do. O país en­fren­tou sé­ri­as cri­ses econô­mi­cas e o re­gi­me pre­ci­sou usar a for­ça pa­ra ca­lar opo­si­to­res e dis­si­den­tes.

Em 2006, do­en­te, Fi­del pas­sou a pre­si­dên­cia de Cu­ba ao seu ir­mão Raúl Cas­tro. Em 2011, re­nun­ci­ou ao se­cre­ta­ri­a­do ge­ral do Par­ti­do Co­mu­nis­ta de Cu­ba. De­pois dis­so ele apa­re­ceu pou­cas ve­zes.

Qu­es­ti­o­na­do pe­lo jor­na­lis­ta ita­li­a­no Gi­an­ni Mi­ná, em en­tre­vis­ta de 1986, se es­ta­va sa­tis­fei­to com seu pa­pel histórico, Fi­del res­pon­deu: “Sim, es­tou ple­na­men­te sa­tis­fei­to com a obra pela qual de­di­quei minha vi­da, sem dei­xar de ter um es­pí­ri­to crí­ti­co, sem dei­xar de ter uma in­sa­tis­fa­ção no sen­ti­do de que de­vo ana­li­sar o que fi­ze­mos e de que o que fi­ze­mos po­de­ria ter si­do fei­to me­lhor”. Fi­del Cas­tro vi­si­tou Sal­va­dor por du­as ve­zes, nos anos de 1993 e 1998. Na sua se­gun­da pas­sa­gem pela ca­pi­tal bai­a­na, o líder cu­ba­no al­mo­çou com o en­tão se­na­dor An­to­nio Car­los Ma­ga­lhães, que adi­ou uma vi­a­gem pa­ra re­ce­ber o ami­go, e se mos­trou apre­ci­a­dor da cu­li­ná­ria bai­a­na. O en­con­tro, no apar­ta­men­to de ACM, na Gra­ça, era pre­vis­to pa­ra du­rar pou­cas ho­ras. Mas aca­bou va­ran­do a noi­te.

Fi­del nun­ca ne­gou sua ami­za­de com o po­lí­ti­co bai­a­no, ape­sar do mu­xo­xo dos es­quer­dis­tas, que pre­fe­ri­am ver o sím­bo­lo má­xi­mo da re­sis­tên­cia an­ti­ca­pi­ta­lis­ta lon­ge do ad­ver­sá­rio.

A li­ga­ção en­tre o po­lí­ti­co bai­a­no e ‘co­man­dan­te’ vi­nha dos tem­pos em que ACM foi mi­nis­tro das Co­mu­ni­ca­ções do go­ver­no Jo­sé Sar­ney e atu­ou, pes­so­al­men­te, no re­a­ta­men­to das re­la­ções en­tre o Bra­sil e Cu­ba. Cou­be a ACM aju­dar na mon­ta­gem do sis­te­ma de te­le­co­mu­ni­ca­ções do país ca­ri­be­nho, o que nun­ca foi es­que­ci­do por Fi­del.

O líder cu­ba­no vi­si­tou Sal­va­dor pela pri­mei­ra vez na Cú­pu­la Ibe­ro-Ame­ri­ca­na de 1993, on­de tam­bém se econ­con­trou com ACM, e no se­gun­do en­con­tro com o en­tão pre­si­den­te do Se­na­do pre­sen­te­ou ACM, pa­ra se­lar a ami­za­de, com uma cai­xa dos me­lho­res cha­ru­tos da “Ilha”, mi­mo que ele di­vi­diu com ou­tro ami­go de lon­ga da­ta, o car­de­al dom Eu­gê­nio Sa­les, ar­ce­bis­po emé­ri­to do Rio de Ja­nei­ro.

On­tem, o pre­fei­to ACM Ne­to se ma­ni­fes­tou no Twit­ter so­bre a morte do cu­ba­no Fi­del. Ne­to re­lem­brou o en­con­tro de­le com o avô. “Ape­sar das di­fe­ren­ças ide­o­ló­gi­cas, Fi­del Cas­tro e ACM se res­pei­ta­vam. Fi­del, que gos­ta­va mui­to de cu­li­ná­ria, es­te­ve na ca­sa de meu avô e fi­cou tão en­can­ta­do com a co­mi­da bai­a­na que até que­ria le­var a co­zi­nhei­ra pa­ra Cu­ba”, es­cre­veu ele.

ACM e Fi­del: ami­za­de apre­sar dos mu­xo­sos dos es­quer­dis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.