Re­ser­va pa­ra o fu­tu­ro

Correio da Bahia - - Mais - Car­men Vas­con­ce­los car­men.vas­con­ce­los@re­de­bahia.com.br

Cri­o­pre­ser­va­ção ou ban­co de sê­men. Es­sa é a al­ter­na­ti­va pa­ra os ho­mens que querem ter fi­lhos, mes­mo após tra­ta­men­tos mais agres­si­vos con­tra do­en­ças co­mo o cân­cer ou até mes­mo da­que­les que fo­ram va­sec­to­mi­za­dos e vol­ta­ram atrás na de­ci­são de se­rem pais.

Ser­gun­do a dou­to­ra em bi­o­tec­no­lo­gia pela Fi­o­cruz, a far­ma­cêu­ti­ca e di­re­to­ra da Clí­ni­ca do Ho­mem Da­ni­e­le Brus­to­lim, o pro­ce­di­men­to con­sis­te em con­ge­lar o es­per­ma no ni­tro­gê­nio a uma tem­pe­ra­tu­ra in­fe­ri­or a -180°C.

“O pro­ce­di­men­to pre­ci­sa ga­ran­tir que as cé­lu­las es­ta­rão vi­vas de­pois do des­con­ge­la­men­to”, es­cla­re­ce a es­pe­ci­a­lis­ta, res­sal­tan­do que o pro­ces­so não de­pen­de de ener­gia elé­tri­ca ou qual­quer ou­tro agen­te ex­ter­no e que a cri­o­pre­ser­va­ção po­de man­ter os es­per­ma­to­zoi­des pre­ser­va­dos por dé­ca­das.

“No en­tan­to, é im­por­tan­te res­sal­tar que a ta­xa de vi­a­bi­li­da­de vai cain­do com o pas­sar dos anos”, com­ple­ta, res­sal­tan­do que o ca­so mais lon­gín­quo de cri­o­pre­ser­va­ção man­te­ve es­per­ma­to­zoi­des viá­veis 20 anos de­pois do con­ge­la­men­to.

Es­pe­ci­a­lis­ta em re­pro­du­ção hu­ma­na, o gi­ne­co­lo­gis­ta do Ce­na­fert Jo­a­quim Lo­pes es­cla­re­ce que is­so acon­te­ce por­que o es­per­ma­to­zoi­de é uma cé­lu­la mui­to es­pe­ci­al e re­sis­ten­te, cer­ca de 180 ve­zes me­nor que um óvu­lo.

“O ban­co de sê­men é uma op­ção mui­to viá­vel, in­clu­si­ve pa­ra aque­les ho­mens que não es­tão mui­to con­vic­tos da va­sec­to­mia, pois de­pois de 10 anos o pro­ce­di­men­to não po­de­rá ser re­ver­ti­do e a al­ter­na­ti­va se­rá a fer­ti­li­za­ção in vi­tro, que é mui­to mais cus­to­sa”.

Pa­ra ilus­trar, ele lem­bra que ca­da ten­ta­ti­va da fer­ti­li­za­ção in vi­tro tem cus­to apro­xi­ma­do de R$ 14 mil e mais o in­ves­ti­men­to das me­di­ca­ções en­quan­to o con­ge­la­men­to tem um cus­to mé­dio que va­ria de R$ 1 mil a R$ 2 mil e uma anui­da­de sim­bó­li­ca.

“No dia a dia da clí­ni­ca, é co­mum en­con­trar ho­mens que fi­ze­ram a va­sec­to­mia em al­gum mo­men­to, mas de­pois re­fa­zem su­as vi­das e se ar­re­pen­dem da de­ci­são da es­te­ri­li­za­ção. En­tão o ban­co de sê­men ter­mi­na sen­do uma al­ter­na­ti­va viá­vel e pos­sí­vel pa­ra eles”, com­ple­ta o mé­di­co.

Ho­mens per­dem a opor­tu­ni­da­de por des­co­nhe­cer o con­ge­la­men­to

PRE­CAU­ÇÃO

A on­co­lo­gis­ta Cla­ris­sa Mathi­as do Nú­cleo de On­co­lo­gia da Bahia (NOB) ex­pli­ca que an­tes de ini­ci­ar um tra­ta­men­to con­tra o cân­cer, sem­pre aler­ta aos ho­mens so­bre a pos­si­bi­li­da­de de guar­dar o sê­men.

“A pru­dên­cia é ne­ces­sá­ria, es­pe­ci­al­men­te na­que­les ho­mens que não es­tão com a pro­le com­ple­ta, por­que a qui­mi­o­te­ra­pia po­de ma­tar as cé­lu­las re­pro­du­to­ras de for­ma tem­po­rá­ria ou per­ma­nen­te e, com a ra­di­o­te­ra­pia, so­bre­tu­do quan­do há ra­di­a­ção dos tes­tí­cu­los, é qua­se im­pos­sí­vel re­cu­pe­rar a fertilidade”, ex­pli­ca.

A mé­di­ca lem­bra que cân­ce­res nos tes­tí­cu­los, os lin­fo­mas, a leu­ce­mia e o cân­cer de ti­mo vão exi­gir es­sas for­mas mais agres­si­vas de tra­ta­men­to, exi­gin­do o cui­da­do do pa­ci­en­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.