Des­con­tro­le fi­nan­cei­ro e im­pul­so pa­ra com­pras re­fle­tem al­gum pro­ble­ma emo­ci­o­nal?

Correio da Bahia - - Mais -

A far­ma­cêu­ti­ca Da­ni­e­le Brus­to­lim res­sal­ta que pa­ra re­co­lher as amos­tras de pa­ci­en­tes que vão ini­ci­ar o tra­ta­men­to on­co­ló­gi­co, é ne­ces­sá­rio que o pro­ces­so te­nha iní­cio pe­lo me­nos 15 di­as an­tes da qui­mio ou ra­dio e que se­jam fei­tas pe­lo me­nos três co­le­tas de es­per­ma­to­zoi­des.

“An­tes, po­rém, os pa­ci­en­tes pre­ci­sam pas­sar por exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais e so­ro­ló­gi­cos pa­ra sa­ber se es­se ma­te­ri­al es­tá ok ou se foi con­ta­mi­na­do por al­gu­ma in­fec­ção”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta, des­ta­can­do que, em al­guns ca­sos, pa­ci­en­tes per­dem a opor­tu­ni­da­de de re­a­li­zar o pro­ce­di­men­to por­que dei­xam pa­ra pro­cu­rar o ser­vi­ço nas vés­pe­ras de co­me­çar o tra­ta­men­to.

BAN­COS DE ES­PE­RAN­ÇA Da­ni­el­le Brus­to­lim ex­pli­ca que ho­je, no Bra­sil, fun­ci­o­nam dois ti­pos de ban­cos de sê­men. No pri­mei­ro, co­nhe­ci­do co­mo te­ra­pêu­ti­co, ape­nas o do­a­dor tem o di­rei­to de ma­ni­pu­lar as cé­lu­las e, nem mes­mo a fa­mí­lia ou es­po­sa po­dem dis­por des­se ma­te­ri­al ge­né­ti­co. No se­gun­do, cha­ma­do de ban­co de do­a­dor, há uma do­a­ção pú­bli­ca de sê­men, ca­rá­ter lu­cra­ti­vo ou co­mer­ci­al e os do­a­do­res não de­vem co­nhe­cer a iden­ti­da­de dos re­cep­to­res e vi­ce-ver­sa.

O es­pe­ci­a­lis­ta res­pon­sá­vel pela área de re­pro­du­ção hu­ma­na da Cri­o­gê­ne­sis Re­na­to de Oli­vei­ra es­cla­re­ce que, em si­tu­a­ções es­pe­ci­ais, in­for­ma­ções so­bre os do­a­do­res po­dem ser for­ne­ci­das ex­clu­si­va­men­te pa­ra mé­di­cos, res­guar­dan­do-se a iden­ti­da­de ci­vil do do­a­dor.

“As clí­ni­cas, cen­tros ou ser­vi­ços on­de é fei­ta a do­a­ção de­vem man­ter, de for­ma per­ma­nen­te, um re­gis­tro com da­dos clí­ni­cos de ca­rá­ter ge­ral, ca­rac­te­rís­ti­cas fe­no­tí­pi­cas, que são aque­las vi­su­a­li­za­das no in­di­ví­duo, e uma amos­tra de ma­te­ri­al ce­lu­lar dos do­a­do­res, de acor­do com le­gis­la­ção vi­gen­te”, pon­tua, en­fa­ti­zan­do que na re­gião da uni­da­de, o re­gis­tro dos nas­ci­men­tos evi­ta­rá que um do­a­dor te­nha pro­du­zi­do mais de du­as ges­ta­ções de cri­an­ças de se­xos di­fe­ren­tes em uma área de um mi­lhão de ha­bi­tan­tes.

“A es­co­lha dos do­a­do­res é de res­pon­sa­bi­li­da­de do mé­di­co as­sis­ten­te. Den­tro do pos­sí­vel, de­ve­rá ga­ran­tir que o do­a­dor te­nha a mai­or se­me­lhan­ça fe­no­tí­pi­ca e a má­xi­ma pos­si­bi­li­da­de de com­pa­ti­bi­li­da­de com a re­cep­to­ra. Não se­rá per­mi­ti­do aos mé­di­cos, fun­ci­o­ná­ri­os e de­mais in­te­gran­tes da equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar das clí­ni­cas, uni­da­des ou ser­vi­ços, par­ti­ci­pa­rem co­mo do­a­do­res nos pro­gra­mas de re­pro­du­ção as­sis­ti­da”, com­ple­ta.

Em Sal­va­dor, os ban­cos de sê­men es­tão pre­sen­tes em clí­ni­cas par­ti­cu­la­res es­pe­ci­a­li­za­das e nos cen­tros de re­pro­du­ção as­sis­ti­da. “Os pla­nos ain­da não co­brem o pro­ce­di­men­to, com a jus­ti­fi­ca­ti­va de que a pa­ter­ni­da­de não é uma ques­tão de saú­de”, cri­ti­ca Jo­a­quim Lo­pes.

Com uma pos­tu­ra pa­re­ci­da, Re­na­to de Oli­vei­ra des­ta­ca que a in­fer­ti­li­da­de traz con­sequên­ci­as de­le­té­ri­as na saú­de do ca­sal. “In­cluin­do o au­men­to do ris­co de sui­cí­dio, mas mes­mo as­sim a ques­tão não é con­si­de­ra­da um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca em nos­so país”, com­ple­ta, des­ta­can­do que ain­da é pe­que­no o nú­me­ro de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas que pres­tam o ser­vi­ço. “Al­guns são vin­cu­la­dos com fa­cul­da­des ou uni­ver­si­da­des e ou­tros com hos­pi­tais pú­bli­cos de re­fe­rên­cia”, fi­na­li­za. Sem dú­vi­da, a fal­ta de con­tro­le so­bre as fi­nan­ças tan­to re­fle­te quan­to pi­o­ra um pro­ble­ma emo­ci­o­nal. Mas é pre­ci­so di­zer que nem to­da pes­soa que tem um pro­ble­ma no or­ça­men­to, pon­tu­al, tem um trans­tor­no, de fa­to. Aque­le con­su­mi­dor que só age por im­pul­so, via de re­gra, tem um pro­ble­ma de du­ra­ção lon­ga, que é quan­do a si­tu­a­ção de com­pra fi­ca o dia to­do na ca­be­ça da pes­soa, o que le­va a pre­juí­zos no tra­ba­lho e no pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro. A sen­sa­ção é de cul­pa ou re­mor­so. Es­sa pre­o­cu­pa­ção, em ex­ces­so, so­ma­da à per­da do con­tro­le, a men­ti­ras con­ta­das à fa­mí­lia e ao con­su­mo co­mo for­ma de su­pe­rar uma dor, ou uma an­gús­tia, tam­bém são si­nais im­por­tan­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.